Como fazer omelete de claras!

Muitas receitas pedem para você usar gemas e descartar claras. É uma falta de vergonha na cara e de criatividade você jogar as claras no ralo da pia! Respeitar a natureza e o ingrediente está intimamente conectado a não desperdiçar, a usar o todo do que a natureza construiu e te ofereceu. Eu sou tarado por confeitaria francesa, e essa é campeã em usar gema e dar tchau para claras! Pois toda vez que isso acontece eu invento algo com as claras, que podem ser usadas para muitas coisas – macarons, suspiros, e zás! Eu AMO omelete de claras, ficam tão fofas e leves, e amo mais ainda comer ela com um bom molho béchamel ou molho mornay – torna a omelete um prato que abraça a gente de tanto aconchego! Chega aqui no blog e confira a receita de uma boa e simples omelete de claras!

Ingredientes:

  • Claras (o tanto que você tiver e quiser)
  • Creme de leite – 1 colher de sobremesa para cada 1 clara.
  • Sal à gosto
  • Pimenta-do-reino preta à gosto
  • Salsinha fresca picada ou talos/folhas de salsão picados à gosto
  • Alho-poró picado à gosto (gosto de usar a parte verde nessa receita)
  • Manteiga para fritar

Modo de preparo:

Misture todos os ingredientes (exceto a manteiga) e bata para misturar bem (pode ser com um garfo mesmo ou fouet). Adeque o sal e temperos de acordo com a quantidade de claras que usar – deve existir uma coerência. Aqueça uma frigideira (antiaderente) e coloque a manteiga o suficiente para untar toda ela. Após isso coloque a mistura de claras na frigideira, deixe fritar por cerca de 1/2 minutos e depois vire. Deixe então fritar mais 1 minuto e meio do outro lado (ou menos, veja o ponto que prefere).

E tá pronto, gente! Essa é a base! Eu gosto de comer sempre acompanhada de algum molho aconchegante ou com ricota dentro. Daí coloco uma generosa quantidade de molho no meio, fecho, as vezes coloco um pouco de parmesão por cima e sirvo! Vou sugerir 2 molhos para rechear:

Molho Béchamel – Clique aqui e confira receita

Molho Mornay – Clique aqui e confira receita

Bon appétit!

 

Anúncios

Alimentos que ajudam a combater a ressaca

fried-eggs-456351_1280

Muito comum em um domingo de manhã, ou num pós-carnaval, sair na sua cozinha caçando coisas para comer/beber que ajudem a aliviar aquele mal-estar por conta dos exageros com álcool do final de semana e folia. Há alimentos que podem ser grandes amigos nessa hora e ajudar a aliviar a popular “ressaca”. Comer é ato que transforma nossa composição, é a maneira de dar as ferramentas que nosso corpo precisa em determinadas situações e trazer harmonia ao organismo. Pensar no que você come é sempre inteligente e pode te trazer várias saídas.

Além de beber muita água (essa é necessária e melhor remédio para ressaca, independente de qualquer outro meio) e de tomar um chá de boldo (ele tira a sensação de enjoo que algumas pessoas sentem após o excesso de álcool), existem alguns alimentos que podem contribuir para o processo de recuperação do organismo.

O site “El Pais” publicou uma lista de alimentos que ajudam a combater a ressaca, confira!

  • Leite: Rico em cálcio, alivia a gastrite provocada pelo álcool e contém vitamina B5 (muito benéfica nesse caso). O iogurte natural faz o mesmo efeito que o leite no tratamento da ressaca.
  • Sanduíche de bacon: Isso mesmo! Tanto o carboidrato do pão quanto a contribuição do bacon para as proteínas ajuda a cuidar do organismo com ressaca, promovendo alívios e maiores sentimentos de bem-estar.
  • Banana: O consumo de álcool diminui a quantidade de potássio no sangue, e esse alimento pode ajudar muito a equilibrar essa situação e aliviar sintomas chatos.
  • Ovos: Inclua isso no seu café da manhã pós-ressaca! Rico em várias vitaminas, principalmente a B6, ajuda na recuperação do organismo.
  • Suco de laranja: No geral, todo liquido é bem-vindo para tratar a ressaca! Especialmente a laranja, pelo seu alto nível de vitamina C, ajuda o fígado a metabolizar o álcool.

Veja mais alimentos acessando a matéria completa clicando aqui.

bananas-652497_1280

Receita de Nhoque de Batata-doce!

Jatica (que em tupi-guarani significa “fruto enterrado”). Batata-doce. Ipome batatas. Ela adocica nosso paladar de uma forma tão gentil, que tem algo de hipnotizante no sabor dela. Nhoque de batata-doce é um dos meus pratos prediletos. Porque batata-doce está nos traços culturais da nossa história, está nos hábitos mais antigos da minha família, é um alimento muito generoso com a nossa saúde e tem um sabor encantador. Que bom ter batata-doce na nossa existência, a vida é um pouco mais feliz com ela. Aprenda a fazer esse nhoque simples e sensacional. Melhor coisa, sério. Vem fazer e adocica sua vida, meu amor. (Abaixo também dou umas dicas de molhos para acompanhar, mas na foto comi ele apenas com azeite de oliva bom, flor de sal, castanha-do-pará e coentro, minha gente, é bom de um jeito que nem dá pra dizer).

Ingredientes:

  • 1kg de batata-doce
  • Aproximadamente 250g de farinha, o que dá 1 xícara e meia (de trigo normal ou de arroz, eu gosto da de arroz)
  • 3 colheres de sopa de polvilho doce
  • 1 ovo
  • Uma pitada de sal

Modo de preparo:

Cozinhe a batata com casca – corte em pedaços menores para não demorar tanto. Mas não em tão menores para não prejudicar o amido, corte ao meio no máximo em três partes cada batata. Cozinhe no vapor ou em uma panela com água. Eu prefiro no vapor. Depois de cozida tire a casca e amasse toda a batata em uma vasilha grande, fazendo um purezinho. Então acrescente o ovo, a pitada de sal e o polvilho, comece a mexer e vá acrescentando a farinha aos poucos, até obter uma massa homogênea (a quantidade total de farinha depende da umidade, acrescente um pouco mais ou um pouco menos se achar necessário). Não coloque muita farinha, o nhoque é uma massa sensível e molinha mesmo. O segredo do bom nhoque é ter muito mais batata que farinha.

Feito isso, esfarinhe uma superfície e pegue um pedaço da massa e faça rolinhos, cilindros, depois vá cortando os pedaços (pedaços de 2cm são o ideal) – lembre-se de sempre que precisar polvilhar farinha para não grudar, a massa é úmida e bem sensível, gruda fácil, conforme for cortando polvilhe farinha nos pedaços e procure não sobrepor um pedaço no outro, para evitar que grude. Feito isso gente, já ta pronta sua massa de nhoque! Agora é só cozinhar: Ferva água, então coloque os pedaços de nhoque na água fervente, quando subirem a superfície é porque já cozinhou – não deixe passar do ponto, subiu já tira da panela e escorra, é uma massa fresca sensível! Se passar fica molengo demais! Escorra e sirva com o molho de sua preferência!

Seja feliz nesse sabor incrível que o nhoque de batata-doce tem! Seguem abaixo algumas sugestões de molho para acompanhar (clique no link para acessar a receita):

Receita de molho de tomate rústico

Receita de molho de manteiga e sálvia

Molho de cogumelos com vinho branco

Molho de laranja e vinho branco

Molho de laranja e tomilho

Clicando aqui você também confere a receita do tradicional nhoque italiano! Que já ensinei por aqui também! 

Filé de peito de frango, purê de couve-flor e batata doce e agrião. 

Elaborar, unir, transformar – mesmo tendo apenas ingredientes simples é possível construir uma experiência sensorial boa. Depende de como você vê e se relaciona com a natureza diante de você. Hoje eu almocei:

1) File de peito de frango temperado com laranja, azeite, curry (bem pouquinho), sal, pimenta, alho triturado e um toquinho de cravo em pó.

2) Um purê feito assim: Batata doce cozida e couve-flor cozida batidas juntas no liquidificador com manteiga, leite, sal e pimenta – ingredientes em quantidades suficientes para atingir a consistência desejada.

3) Agrião temperado com flor de sal, azeite e gotas limão siciliano.

Daí tem alguns pedaços de couve-flor inteira no prato, pra me lembrar a forma original das coisas. Eu gosto de lembrar da forma original mesmo quando ela está transformada. É bom lembrar de onde as coisas vem.

E almocei o que eu tinha em casa. E foi bom. Na verdade foi muito bom.

Bon appétit!

Receita de molho meio azedo com dijon e mel – e sobre o valor da salada.

20150823_145542

Elementos simples combinados com coisas certas proporcionam experiências que mesmo simples, podem ser brilhantes. Menosprezar, por exemplo, uma bela salada de alface e tomate é ignorar as possibilidades de torná-la encantadora. Já comi muitas saladas que me conduziam a outro planeta de tanta explosão de sabor. Salada pode ter a sensação mais forte de uma refeição sim! Os molhos tem o poder de casar-se com os elementos frescos das saladas e criarem um feliz pra sempre no nosso paladar! Essa salada consiste em: Folhas de alface americana organizadas em uma quase esfera com rodelas de tomate italiano (carnudinho e suculento). E o molho: cerca de 4 colheres de sopa de creme de leite, 1 colher de chá de maionese, 1 colher de sopa de mel, 1 colher de café de mostarda dijon, sal e pimenta à gosto, gotas de limão siciliano e uma colher de chá de iogurte integral. Finalizei com castanhas de caju trituradas e ervas desidratadas. As quantidades de ingredientes do molho variam de acordo com seu gosto e o quanto quer presente cada ingrediente. Não menospreze saladas, seja feliz no frescor delas. Cada alimento tem algo de muito lindo a oferecer, aprenda a extrair.

Receita de Bolo Funcional de Banana!

20160807_113145

Meu bolo de banana é happiness! Carinha simples que ninguém dá nada, mas é um dos meus bolos prediletos! Bolo bom – simples, nutritivo, que alimenta, que une coisas que combinam e se complementam, que constroem uma experiência plena – porque tem sabor e é funcional. Porque tem afeto. Vamos a receita!

Ingredientes:

  • 2 xícaras de chá de farinhas (Eu uso 1 de farinha de arroz e outra de farinha de trigo integral, use as que quiser)
  • 5 colheres de sopa de açúcar mascavo
  • 2 colheres rasas de sopa de açúcar cristal orgânico (use o branco se preferir)
  • 1 xícara de chá de leite (eu uso zero lactose)
  • 3 bananas nanicas maduras amassadas
  • 3 ovos inteiros (de galinhas felizes é melhor)
  • 3 colheres de sopa de chia
  • 3 colheres de sopa de aveia (em flocos finos)
  • 1 colher de sopa de semente de linhaça
  • Meia xícara de chá de uvas passas sem sementes
  • 10 amêndoas picadas em pedacinhos pequenos
  • 2 colheres de sopa de quinoa
  • 1 colher de sopa de essência de baunilha
  • 3 colheres de sopa de óleo (eu uso de girassol)
  • 1 colher de chá cheia de fermento em pó
  • 1 pitada de canela

Modo de preparo:

Bata os ovos com um fouet, não muito, apenas para misturar. Acrescente todos os outros ingredientes líquidos (e também a banana amassada) e misture. Em outro recipiente misture todos os ingredientes secos. Adicione os líquidos nos secos e misture tudo. Coloque em uma forma untada e leve para assar no forno pré-aquecido à 200 graus de 40 à 45 minutos. Pronto. Seja feliz fazendo e comendo.

Como fazer creme de aspargos!

IMG-20150705-WA0081

Receita de creme de aspargos! – Sopas, cremes, frio. Tempo, estações e culinária. Nossas memórias vinculam um prato ás épocas do ano – culinária também marca o tempo, as fases, os ciclos. Como no frio não pensar em algo quentinho e cheio de sabor? Um creme ou uma sopa torna uma cena aconchegante, praticamente é uma forma de sentir-se abraçado! Hoje quem me abraça é esse creme de aspargos. Simples, elegante e maravilhoso! Esse da foto foi feito por uma amiga querida, que inclusive foi quem me ensinou! Vem aprender!

Ingredientes (4 porções):

  • 10 aspargos frescos
  • 1 dente de alho esmagado
  • Meia cebola média picada em cubos
  • 4 xícaras de chá de água
  • 1 colher e meia de sopa de manteiga
  • 1 xícara de chá de creme de leite
  • Pimenta-do-reino branca à gosto (pode ser a preta ou também pimenta rosa).
  • Sal à gosto
  • Azeite à gosto
  • 1 colher de café de mostarda dijon

Modo de preparo:

Lave os aspargos, tire a parte branca dura da base (alguns já vem sem essa parte) e corte em rodelas que não precisam ser muito finas. Coloque a manteiga em uma panela média e leve ao fogo, quando derreter coloque a cebola, refogue por 1 minuto e então acrescente o alho, e em seguida os aspargos. Coloque sal e pimenta e deixe refogar por uns 5 minutos. Na sequência coloque a água e mexa, verifique o sal novamente e deixe cozinhar por uns 12 minutos, até os aspargos ficarem bem molinhos, então retire do fogo.

Leve a mistura ao liquidificador e bata tudo, até ficar um creme liso. Leve de volta a panela e acrescente o creme de leite, o azeite e a mostarda, verifique o sal e deixe no fogo por mais uns 2 minutos, então verifique a consistência – Se achar que para seu gosto ficou muito liquido, faça uma receita de roux e acrescente para engrossar mais (para obter o roux: derreta em uma frigideira ou uma panelinha pequena uma colher de sopa de manteiga, quando derreter por completo acrescente 1 colher de farinha de trigo, então cozinhe, mexendo sempre, até atingir um tom castanho médio, mexer com um fouet é melhor que não empelota nada!). Se acrescentar o roux, deixe cozinhando por mais 1 ou 2 minutos antes de desligar a panela.

IMG-20150705-WA0077

Prontinho! Só servir! Fica uma delicia com pão italiano e um vinho! Bon appétit!

IMG-20150705-WA0073

Como fazer Chips de Batata Doce!

20160211_192438

Aquilo que faz “creck” – Receita de Chips de Batata doce! O singelo estralar do creck ao morder o alimento nos conta da beleza da possibilidade de transformação ao cozinhar. A natureza nos da a batata, e a gente pode fazer muita coisa dela, inclusive fazer o creck – com um chips de batata doce. O “creck” da mordida de um chips é um barulhinho que entusiasma – creck lembra snack, lembra coisa de comer papeando, lembra descontração, lembra diversão – e particularmente me lembra Cyndi Lauper porque eu fiz uma vez morrendo de ouvir Cyndi e aí pra sempre chips de batata doce vai lembrar ela – Vem aprender e se divirta fazendo – just want to have fun… ow uouuu…

Ingredientes:

  • Batatas doces (com casca ou descascadas, você quem sabe!) – o quanto quiser fazer.
  • Óleo de sua preferência ou azeite de oliva
  • Sal à gosto
  • Pimenta-do-reino à gosto
  • Tomilho ou alecrim (ou outra erva que goste do aroma)

Modo de prapro:

Corte as batatas em rodelas bem finas, então as coloque em um recipiente com água e algumas pedras de gelo e deixe de molho por 15 minutos. Enquanto isso, pré-aqueça o forno à 200 graus.  Após isso retire e seque as batatas com um pano ou papel absorvente. Em seguida pincele as fatias com o óleo ou azeite, de ambos os lados, e coloque em uma forma grande (sem sobrepor as rodelas). Polvilhe sal, pimenta, a erva de sua escolha e leve ao forno por cerca de 30 minutos (virando as rodelas na metade do tempo), ou até dourar no tom desejado. Prontinho! Antes de servir experimente e acerte o sal se for o caso!

Se quiser fazer no microondas, coloque as rodelas sobre um papel toalha, deixe 6 minutos, vire elas e deixe mais 2 minutos – Eu prefiro no forno!

 

Pancakes Integrais – Versão saudável das melhores panquecas do mundo!

IMG-20160116-WA0020

Meu café da manhã preferido é com pancakes! Fazer pancakes é sempre divertido, dançante (tem que ser com música, por favor!), inspirador e o melhor despertador da vida para qualquer manhã! Aí era uma vez um dia que acordei assim meio Bela Gil e peguei a receita das tradicionais panquecas e resolvi substituir um pouco da farinha branca por farinha integral, acrescentar semente de chia e aveia, e fui feliz pra sempre no resultado! Confira como fazer e seja feliz também em suas manhãs sem sair de seus objetivos nutricionais!

Para fazer essa versão das pancakes basta seguir o mesmo modo de preparo da receita das tradicionais pancakes – Clique aqui e acesse a receita completa. Porém, na hora do preparo, faça apenas 3 alterações simples:

  • Ao invés de 1 xícara de farinha de trigo normal, coloque meia xícara de farinha de trigo normal e meia de farinha de trigo integral.
  • Coloque 2 colheres de café de semente de chia
  • 1 colher de sopa de flocos de aveia

Também verifique a consistência no final, se a massa ficar muito grossa acrescente um pouco mais de leite, para atingir a consistência indicada na receita.

Bom apetite!

Pesquisadores descobrem uma forma simples de deixar o arroz menos calórico

rice-498688_1280

O arroz nosso de cada dia pode ser preparado de uma forma que diminui em até 60% as calorias do grão. Essa descoberta foi resultado de uma pesquisa feita no Sri Lanka e apresentada perante a Sociedade Americana de Química.

Para obter essa redução calórica, basta seguir a seguinte receita: cozinhar o arroz em fogo lento por 40 minutos, com uma colher de óleo de coco. Em seguida, ele deve ser refrigerado por 12 horas.

O método é tornar o amido do arroz menos digestível, o que faz com que o corpo absorva menos energia do que faria ao ingerir o arroz preparado do modo comum. Segundo Sudhair A. James, líder do estudo, “o resfriamento é essencial para transformar o amido digestível em resistente” (fator responsável pela redução de absorção de calorias pelo organismo).