O que é plantar a sua comida? 

O alface crescendo na minha horta, no quintal de casa, que observo todo dia da janela do meu quarto. Poucas coisas são tão valiosas quanto ver seu alimento crescer, em uma terra honesta, limpa, que produz um alimento honesto, real e limpo. A terra da minha horta é simbólica, ela é cuidada e tem a marca de muitas mãos generosas e carinhosas – não cuido dela sozinho. Nessa terra está escrito o conhecimento e afeto que minha família tem por terra e mato, está nela nosso apego à natureza que pra gente é uma espécie de oração. Acreditamos no poder e amor infinido que vem da terra, acreditamos muito. A horta do meu quintal produz alimentos que compartilhamos, com familiares e vizinhos, não nos custa compartilhar e o coletivo é sempre gratificante e belo. Já pensou em ver sua comida crescer e acompanhar a engenhosidade emocionante da natureza no seu quintal? Ou já pensou em comprar comida com esse selo de qualidade (limpa, de terra e mãos honestas e amorosas)? Já pensou em fazer com seus vizinhos uma horta coletiva num cantinho qualquer? O que chamamos de alimento orgânico tem uma história muito importante e linda por trás. O que seu corpo recebe, o que vai para a mesa da sua família, os hábitos sociais e comunitários que você pode construir através da comida – muito está a seu alcance fazer e transformar. Repense, reescolha, produza diversas marcas boas enquanto se alimenta. Plantar o meu alface me traz uma refeição linda, viva e saudável, mas também me traz emoções bonitas, contatos com a natureza (e um maior respeito à ela), me traz a chance de compartilhar, me traz iluminação, me traz o Deus que acredito e vejo no natural do mundo (na terra…), me traz uma lição sobre o tempo das coisas e me faz pensar no que compõe minhas escolhas. Comer é um ato social e  psicológico, há muito dentro disso. Pensem. Sou tão grato ao pé de alface que cresce na terra do meu quintal e ajuda a crescer em mim hábitos bons, vivos, plenos. A fertilidade do bom. Da terra pra dentro de mim, de dentro de mim para os outros. Todos nós. Plante alguma coisa para comer alguma vez na vida.

Anúncios

Castro Burger (São Paulo) – Um lugar que conta uma história e a serve junto com comida boa. 

 

Market Street.

 

Uma experiência gastronômica é sempre influenciada por muita coisa que está no entorno da refeição. Claro que o sabor do prato é sempre o mais importante. Mas tem mais. Quando vou à um restaurante sempre me pergunto: O que eles fazem e o que querem mostrar? Como eles querem que eu me sinta aqui e que tipo de experiência querem construir? Se essas perguntas ganham resposta, há uma identidade para provar no lugar, e isso é incrível.

O Castro Burger tem uma identidade. Há uma ideia muito completa e importante que a casa representa. Isso transforma o que poderia ser uma simples visita a uma hamburgueria qualquer em uma experiência leve, gostosa e afetiva. O nome “Castro” faz referência ao bairro gay de São Francisco (EUA), onde muitas lutas pela igualdade e diversidade foram travadas. Eles partem daí para apresentar a ideia principal da casa: Um lugar onde a diversidade é celebrada e onde qualquer um pode se sentir bem, respeitado e alegre comendo uma comida boa. E eles tratam esse ideal de forma ampla e séria – possuem projetos que envolvem doações de fundos arrecadados no local para instituições que acolhem pessoas LGBT em situação de vulnerabilidade. Também há um encanto na decoração do local que celebra a diversidade artística (alguns itens usados, como porta copos por exemplo, exibem periodicamente obras de diversos artistas da cidade). Os objetos espalhados pelo local trazem marcas sutis da alegria e humor espontâneo difundidos através da cultura LGBT. Legal é ver o local sendo frequentado por um público muito diverso, criando na gente ainda mais forte a marca do local: a beleza do diverso.

E a comida é boa – o que claro, é muito importante, não vamos esquecer que é um restaurante. Com várias opções de hamburger (inclusive  para vegetarianos), o cardápio divertido (com pratos e drinks que fazem referência a famosos memes) tem construções muito agradáveis. Eu comi o Market Street e adorei – Hamburger ao ponto e um bacon crocante memorável (R$28,00). A maionese da casa é apaixonante. A sobremesa que experimentei foi a “Nhaí” – torta de maçã com sorvete (R$16,10), também gostosa, só senti falta de mais maçã e menos açúcar.

Um lugar que conta uma história e nos faz experimentá-la junto com uma comida boa. Perfeito.

Castro Burger – Rua Joaquim Távora, 1517, Vila Mariana, São Paulo – SP.

www.castroburger.com.br

Nhaí – Torta de maçã com sorvete.

 

Zeffiro (São Paulo) – Comida italiana boa com preço justo em ambiente charmoso e gentil.

Num casarão do final do século 19, com uma fachada discreta na rua Frei Caneca em São Paulo (lembrando uma casa na Toscana), esconde-se o agradável e aconchegante Zeffiro – um restaurante encantador que serve uma comida boa por preços justos. Um cardápio interessante e amplo agrada muitos gostos. Ambiente delicado, cheio de detalhes que nos fazem sentir o artesanal e afetuoso que compõe uma refeição. Adoro os objetos decorativos do salão, as fontes perto do banheiro lembrando as inúmeras fontes de Roma, os quadros/fotografias do corredor de entrada, a gentileza dos garçons e  a comida boa, bem feita, que comemos e ficamos felizes por comer. Para um jantar romântico ou para qualquer outra ocasião em que quiser uma comida boa, sem gastar muito e em um ambiente fofo.

A localização do restaurante é ótima, fácil de chegar de diversos meios, fica em um trecho tranquilo da Rua Frei Caneca. Costuma estar um pouco mais cheio após as 21:00 (fui entre sextas e sábados, a referência é desses dias). Para iniciar sua refeição: Bruchette. São incríveis, adoro elas e sempre peço como entrada. A de legumes você não espera muito ao pedir, mas quando vem você reconsidera, também são ótimas. Minha preferida é a Napolitana (R$22,00) – peça uma que serve tranquilamente 2 pessoas.

As massas da casa são incríveis! Um destaque especial ao prato da foto que inicia o post: Tortelloni de carne assada com molho de tomate e manjericão (R$33,00) – perfeito e exato, o melhor que comi lá.

As sobremesas são muito boas também. Adoro a delicada e leve Panna Cotta (R$12,00) e a avassaladora e intensa Torta Gianduia (R$15,00):

Vale muito a pena uma visita, mais uma grata surpresa que São Paulo, com tantos cantos lindos, nos traz. Dica: O Restaurante não tem vallet, mas quase ao lado do restaurante tem um estacionamento que por um preço (justo) a mais lavam seu carro, adoro a ideia de unir o útil ao agradável.

Zeffiro Restaurante

Endereço: Rua Frei Caneca, 669, Consolação – São Paulo

Site: www.zeffiro.com.br

 

 

Gratidão de todas as sextas. Cozinhando as 94 receitas do livro “Todas as sextas”, de Paola Carosella. Receita 21/94: Cremoso de chocolate com migalhas de cacau e creme inglês.

Sexta-feira, dia do projeto “Gratidão de todas as sextas” – Cozinhar todas as 94 receitas do livro “Todas as sextas”, de @paolacarosella (Esse projeto tem um porque, clique aqui e leia o post que publiquei dia 11/11/16, explico lá tudo com todo meu coração). Receita 21/94: Cremoso de chocolate com migalhas de cacau e creme inglês. Acho que estou descobrindo lentamente porque creme inglês é tão importante. Ele muda as coisas de um jeito generoso – neutraliza algo para melhor experimentarmos a essência genuína do doce que acompanha. Ele é gentil,  fornece espaço para outro brilhar. Alguns doces não seriam tão bons sem ele. Deviamos aprender algo com o creme inglês – tanto com sua generosidade (que da espaço para outros brilharem, sem cobrar nada) quanto com sua capacidade de proporcionar um estado neutro, que tira excessos e com leveza nos faz melhor compreender a verdade de uma coisa. Não sei se está tão claro tudo isso, porque estou falando de uma experiência sensorial com esse prato que me emociona e me lança em algo além. Quando o prato acabar uma coisa bem bonita vai ficar. O cremoso ficou incrível, a farofa de avelãs e cacau também, a fruta suculenta estava plena. Mas o creme inglês fez todo esse conjunto ficar emocionante. Paola me deu uma receita de emoção hoje. Um prato simboliza nossa posição na vida. Estou emocionado e feliz, e queria agradecer. Isso está muito gostoso.

Restaurante Ruella (São Paulo) – Elegante – mas uma elegância ampla que você precisa entender melhor.

Elegância. É a melhor palavra para começar a falar do Ruella. Mas você precisa entender o que compreendo por elegância: Elegância é o que nos faz sentir incríveis – quando alguém ou uma experiência é delicada em cada detalhe com você, acolhedora, gentil, sorridente e doce. Quando algo te faz sentir importante e especial. Ser elegante é evocar um sentimento de conforto e amor incrível em uma pessoa, algo cheio de vida e entusiasmo. O Ruella é elegante. A roupa e o sorriso dos garçons são elegantes, as mesas são, as flores pendentes no teto, a comida (ah, a comida…) é muito elegante, as luzes, a toalha de mesa que você pode desenhar ou escrever algo lindo, as músicas. Muito elegante, a elegância que vem de quando somos servidos e tratados de um modo que nos faz sentir amados e sensacionais. Dá vontade de sentir isso para sempre.

O Ruella é um dos restaurantes franceses mais charmosos e completos que já conheci. Tem tudo que você precisa para ter uma noite mágica. Ele é chique e tem muita vida – chique pra mim funciona quando é assim, com vida e entusiasmo! Um restaurante com preço completamente justificável pela qualidade de tudo que se experimenta lá. Romântico, muito agradável e aconchegante, vale super a pena. O Ruella tem 3 unidades em São Paulo (Ruella da Vila Olímpia, Ruella de Pinheiros e o Ruella Mario Ferraz) o que eu fui foi no Mario Ferraz.

De entrada pedi o bolinho de risoto recheado com gorgonzola e servido com geléia de pimenta bem picante (R$38,80). Incrivelmente bom, muito mais do que se espera de um bolinho. Só achei a geleia muito picante, quebra um pouco, mas é boa.

Na sequência pedi o Salmão ao molho missô com purê de mandioquinha e ragú de cogumelos ao shoyo (R$51,20). Muito, mas muito bom, de comer rezando! Um prato elegante da apresentação ao sabor que proporciona.

De sobremesa provei o Gateau au chocolat servido com chantilly e bisquit de laranja (R$24,80). Uma gracinha de bom!

Um dos melhores (se não o melhor) restaurante francês em São Paulo. Uma experiência alegre, com muita vida, muito, muito indicado!

Ruella

Site: www.ruella.com.br

L´Amitié Restaurant – O romantismo e toda “élégance” francesa em São Paulo.

 

img-20160430-wa0010

Saint Peter ao molho de maracujá e risoto de ervilhas frescas, completamente refrescante!

Charmoso e com fachada fofa, o L’Amitié é um restaurante francês em São Paulo extremamente romântico. Numa ruazinha apertada do Itaim, a casa tem tom delicado, num sobrado aconchegante e intimista. A comida é interessante, clássicos bem feitos atendem a expectativa de ir comer uma comida francesa. O chef francês Yann Corderon combina com precisão o que se pode e se deve combinar. O restaurante é definitivamente mais romântico a noite que de dia. É um endereço “chique” da categoria, há modos mais em conta de se provar comida e atmosfera francesa boa em São Paulo (a média por pessoa fica em torno de R$110,00), mas o aconchego e “élégance” é uma experiência classuda diferente, considero que vale a pena, porque é ambiente somado a comida de qualidade, bem feita.

img-20160430-wa0009

Mil folhas de Beterraba e queijo de cabra com mesclado de folhas e pesto. Delicioso!

img-20160430-wa0014

Crepe de Morango  – o melhor prato desse dia! Absolutamente envolvente!

 

L´Amitié Restaurant

  • Endereço: Rua Manuel Guedes, 233 – Itaim Bibi – São Paulo – SP
  • Telefone: (11) 3078 5919
  • Permite levar vinhos (taxa de R$50,00), tem manobrista (R$25,00).
  • Média de preço: Jantar completo por pessoa: Em torno de R$100,00.

Como fazer Crepe de Ganache Branco com Calda de Morango com Manjericão!

20150708_220215

Crepe tem gosto de Paris – Tem o gosto das caminhadas intensas e mágicas por essa cidade onde cada segundo é poesia. Quando você come algo em determinada situação o gosto se conecta a experiência, e assim nossa vida vai ganhando sabores e texturas. Por isso que crepe pra mim tem gosto das ruas de Paris. Aprenda a fazer esse crepe delicioso (que é super simples) que sai uma sobremesa perfeita para qualquer ocasião! Combinação delicada e inteligente de crepe, ganache de chocolate branco e calda de morango com manjericão (como eu amo morango com manjericão, poucas coisas combinam tanto)! Vem aprender, a receita, o gosto e a construção de uma experiência marcante e boa.

Como fazer:

A receita da massa de crepe você encontra clicando aqui

A receita da calda de morango com manjericão você encontra clicando aqui

Deixe sua calda e massa prontas, daí prepare o ganache!

Para fazer o ganache de chocolate branco, você precisará de:

  • 300g de chocolate branco cortado em pedacinhos bem pequenos ou raspado
  • 100g de creme de leite

Como fazer:

Coloque o chocolate branco em um recipiente e reserve. Leve o creme de leite ao fogo, e quando estiver ao ponto de ferver tire do fogo e coloque sobre o chocolate branco, espere 30 segundos e então mexa até incorporar tudo. Prontinho! Ganache pronta!

Dica: Para dar uma leveza diferente ao ganache, acrescento 2 colheres de sopa de chantilly batido ao ganache já frio, fica mais fofinho, eu gosto!

A montagem do crepe é simples: Coloque no meio do crepe aberto uma quantidade a gosto do ganache, feche ao meio e por cima coloque a calda de morango. Prontinho! Sirva imediatamente e seja feliz! Obs: Eu gosto de colocar a calda quente!

20150708_220327

Bon appétit!

Faire La Bombe – Uma das melhores bombas de São Paulo.

20160430_121158

A delicadeza e sabor quase alucinógeno da confeitaria clássica boa, ambiente delicado ao mesmo tempo que com sutis traços rústicos, um atendimento feliz, que te entrega bombas, sorriso e cordialidade – a soma de elementos que proporcionam uma experiência gastronômica com alma e afeto. Recentemente tive a grata surpresa de conhecer O Faire La Bombe – Uma pâtisserie em São Paulo especializada em bombas – a explosiva éclair! Sabores inusitados, qualidade e preço justo a tornam um local para visitar e revisitar!

20160430_121205

Bomba de Amêndoas e de Mirtilo – detalhe ao prato rústico em que são servidas – contrastando a delicadeza – achei lindo. Isso é poesia.

Combinações muito legais não nos deixam entediados na hora de escolher! A bomba de Mirtilo faz a gente suspirar – com o frescor da fruta fresca e o tom do mascarpone – apaixonante, gostei muito.

20160430_130557

Bomba Salgada de Tomate Seco.

Você encontra lá Bombas Salgadas – eu nunca tinha provado, achei boa. Prefiro as doces mas gostei.

Vale a pena conhecer!

  • Site: http://www.labombe.com.br/
  • Endereço: Rua dos Pinheiros, 223, Pinheiros, São Paulo (Próximo ao metro Fradique Coutinho).

20160430_121154

 

10 de Maio – Dia do Cozinheiro.

13077032_1772865286279421_7062298417610548898_n

10 de maio – dia do cozinheiro. Cozinhar foi uma saída. Uma forma de encontrar uma reconciliação comigo mesmo, com o mundo natural, com minha cultura, educação, lembranças e histórias. Eu transformo ingredientes com minha alma e emoção desde que eu tinha 8 anos, e hoje, depois de tantos anos, cozinhar transformou minha vida – cozinhando eu me vejo com autenticidade. Cozinhar é um ato revolucionário na minha história. Eu sou muito grato por cozinhar, por me relacionar com a natureza, por conciliar e viver outras paixões na cozinha – na minha cozinha cabe um divã porque ela, assim como o divã, nos proporciona encontrar discursos “esquecidos”, adormecidos, mas que trazem significado ao que somos e nos reconecta a natureza que pertencemos. Eu sou – dentre tanta coisa que sou – cozinheiro, com minha alma e história. Com amor. Gratidão. 

13177306_1772852322947384_4207914503969259153_n

Na imagem, a mistura ainda não é recheio de quiche – ainda são elementos isolados buscando a forma de algo novo através da união de suas composições. Transformamos a natureza ao trabalhar ingredientes, cozinhar é uma obra, artesanal, delicada e intensa, que transmite no resultado final a alma do cozinheiro, seu momento emocional e criação – porque ele cozinha com suas mãos, lembranças e história. Cozinhar é relacionar-se intimamente com o mundo natural, com as culturas, com nossa essência. Cozinhar evoca, cativa. Gratidão por abraçar a natureza cozinhando, gratidão por ser cozinheiro. Parabéns, cozinheiros e cozinheiras – transformadores que transformam ingredientes e ao mesmo tempo são transformados por eles.

Bistrot de Paris – Perfeitamente francês.

IMG-20160313-WA0005

Coquelet Rôti

Escondidinho em uma encantadora viela na Rua Augusta em São Paulo, o Bistrot de Paris proporciona uma experiência perfeitamente francesa – atendimento suficientemente elegante e comida impecável, com preparos exclusivos da casa que marcam uma gastronomia curiosa, alta e absolutamente prazerosa. A delicadeza e precisão dos sabores dos pratos do chef Alain Polleto atingem diretamente nossa alma. Eu me senti fantástico após comer nesse lugar. Comer é pra trazer felicidade, então tudo foi como devia ser.

O atendimento não tem uma prestatividade exagerada, mas isso é um tom francês que oferece um charme a mais ao local. O ambiente é agradável e decorado de modo suficiente, proporcionando um ar sutil que acompanha muito bem a experiência toda. Há xícaras de café com flores nas mesas – isso me prendeu a atenção, é de uma delicadeza linda.

A comida dispensa narrações. Gostei muito do equilíbrio dos ingredientes, dos tons e combinações. A Entrée Gourmande (R$52,00) é uma excelente opção de entrada (serve 3 mais ou menos), nela é possível experimentar uma combinação de pratos marcantes da casa, destaque ao maravilhoso foie gras e ao paté de campagne – terrine suína de cair o queixo de tão bom.

IMG-20160313-WA0011

Entrée Gourmande

O Coquelet Rôti (R$46,00) é um prato de sabores sutis, no qual todos os ingredientes são notados – Galeto assado ao molho de mel e alecrim, polenta mole de savoie ao bacon e tomate provençale.

IMG-20160313-WA0007

Boeuf Bourguignon

O Boeuf Bourguignon (R$52,00) é intenso e saboroso, uma excelente versão do clássico ensopado de carne francês. Acompanha um purê – que não me aparentou ter nada demais, mas era gostoso, sendo um bom coadjuvante.

IMG-20160313-WA0006

Tarte Tatin

A sobremesa finalizou a noite nos fazendo querer agradecer pela vida e pelo sentido do paladar: Uma Tarte Tatin (R$20,00) muito, mas muito boa! Noite feliz, agradável e que será repetida. Vale muito a pena!

  • Endereço: Villa San Pietro, Rua Augusta, 2542, Jardins, São Paulo.
  • Contato: (11) 3063-1675
  • Site: http://www.bistrotdeparis.com.br/

 

IMG-20160313-WA0012