Como fazer o emocionante e clássico Aïoli!

Um clássico absolutamente francês. Na Provence (região sul da França) o aïoli é como manteiga, comem com tudo. Originalmente é feito em pilão, onde o alho é esmagado até virar uma pasta e então vão acrescentando as gemas, azeite e óleo, com toda delicadeza para alcançar a leveza mágica dessa emulsão. Eu faço na mão, em uma tigela e bato com um fouet, e dá certo, acho um jeito muito emocionante de fazer, inclusive. Na verdade eu fico sempre emocionado com o tanto de coisa que os ovos podem virar, o tanto que eles nos oferecem, é o ingrediente mais impressionante que existe. Para mim, as galinhas são sagradas, eu tenho muito respeito por uma galinha, chega a me dar arrepios de pensar que tantas vivem vidas horríveis em gaiolas. Nenhuma galinha deveria viver em gaiola, merecem a vida mais feliz que puderem ter. Quando escolho ovos de galinhas criadas soltas e felizes, tem um porque (clique aqui e veja o artigo que escrevi sobre a escolha dos ovos e sobre verdades da triste vida de algumas galinhas). Enfim, escolha ovos honestos e faça um aïoli emocionante para comer em paz essa coisa linda.

Ingredientes (Rende cerca de 350g):

  • 1 ovo inteiro
  • 1 gema
  • 1 colher de chá de sal
  • Caldo de meio limão (siciliano é o melhor para essa receita)
  • 90 ml de azeite de oliva extra virgem
  • O quanto bastar de óleo de girassol para atingir o ponto que você quer (normalmente uso cerca de 220 ml)
  • 1 dente de alho bem esmagado (até ficar uma pastinha)
  • Lemon pepper à gosto (totalmente opcional, mas eu adoro colocar esse temperinho no meu aïoli)

Modo de preparo:

Você pode fazer em um liquidificador ou na mão, em uma tigela com um fouet para bater, eu já fiz dos dois jeitos  e dá certo igual, mas eu tenho um carinho por fazer as coisas à mão. Também pode ser em um pilão, mas desse jeito eu nunca fiz, então não consigo te ensinar.

Coloque na tigela (ou no liquidificador) o ovo, a gema, o suco de limão, o sal, o alho e o lemon peper (se for usar). Comece a bater e acrescente o azeite em fio, bem devagar, devagar de verdade, se não dá errado e não tem jeito, batendo sem parar. Quando terminar de por todo o azeite comece a acrescentar o óleo, batendo sempre, se precisar com mais energia para atingir um ponto mais firme. Ele vai esbranquiçando e gradualmente atingindo a textura de maionese. Quando atingir o ponto que você deseja está bom de óleo e está pronto.

Se a mistura desandar enquanto estiver colocando o azeite ou o óleo, coloque mais uma gema e bata muito, continuando o processo de acrescentar lentamente o azeite e óleo, às vezes isso salva, mas não consigo te garantir.

Coma com torradas de um pão maravilhoso, coma com peixes, com vegetais, com sanduíches, com carnes, com frango, enfim, com qualquer coisa que queira muita emoção.

Anúncios

Como fazer tartine de presunto parma, mel e queijo. 

Ingredientes (as quantidades dependem, use conforme seu gosto, não tem problema):

  • Pão tipo baguete
  • Presunto parma
  • Mel
  • Mussarela de búfala
  • Azeite de oliva extravirgem
  • Folhas de manjericão fresco
  • Flor de sal​

Modo de preparo poético:

Uma tarde, meu sábado. Começou a tocar Bob Dylan na minha cozinha. Uma música nem tão doce nem também amarga. Eu queria ficar na cozinha com essa música, com essa tarde, e com um gosto que unisse tudo. Eu tinha algumas coisas boas e frescas, que alegria que eu tinha elas. Peguei um pão e cortei, coloquei nas fatias muito azeite honesto e bom, pitaquei flor de sal, coloquei mussarela de búfala e um presunto parma emocionante. Depois por cima de tudo um mel lindo que veio de alguma fazenda de Santa Catarina, meu pai que me deu. Foi tudo pro forno até o queijo derreter e o pão tostar um pouco. Depois coloquei folhas de manjericão fresco do meu quintal. Ficou meio doce, meio salgado, exatamente como eu queria, como a música era. Um vinho branco coroou meu coração junto disso tudo. Minha tarde de sábado ficou gravada pra sempre na minha memória. Cozinhar serve pra isso. Obrigado, cozinha

Como fazer bruschetta de abobrinha com hortelã e aprender algo sobre a generosidade de combinar certo as coisas da natureza. 

Modo de preparo:

A combinação certa honra tudo, é lindo. Tempere abobrinhas cortadas em lâminas com folhas de hortelã, sal, pimenta, limão siciliano, azeite e gentileza. Deixe descansar, para que tudo se aproxime e se encontre direito, 20 minutos está bom. Depois é só cobrir com isso um pão maravilhoso tostado na manteiga. Um queijo forte por cima deixa mais incrível ainda, se for pecorino então, eu choro. A combinação certa honra tudo, é lindo. E para coroar essa experiência, um azeite bom que você confie faz o sabor ficar cravado na sua alma, memorável, mesmo. Aprendi essa combinação honesta e boa no livro mais emocionante que tenho degustado, o “Todas as sextas”, da Paola Carosella. Enfim, bon appétit.

Como fazer o clássico Soufflé au fromage (suflê de queijo). Receita, conceito e história!

Soufflé – um sopro. O nome simboliza a delicadeza de um dos clássicos franceses mais famosos no mundo. Inventado em Paris no século XIX, não se sabe ao certo se foi criado por Antonin Carême (um homem de origem muito pobre que entrou na cozinha para ter um teto após ser abandonado pelos pais. Foi um dos primeiros da história a receber o título de “chef” e também lançar a moda do famoso chapéu de chef usado até hoje) ou por Jean Anthelme Brillat-Savarin (grande gastrônomo com imensa participação política na França e que escreveu uma das obras mais famosas da gastronomia: “Physiologie du goût” (A fisiologia do gosto).

O também francês Hervé This, um dos pais da gastronomia molecular, analisou muito o clássico para entender o que garante seu crescimento e estabilidade. Ele descobriu que, ao contrário do que imaginavam, não é a clara em neve que faz o suflê crescer, mas sim a água presente nos ingredientes da massa que, ao aquecer, forma um vapor que sobe e eleva o suflê. O que causa sua temida descida é quando ele é retirado do forno antes da massa estar cozida o suficiente para reter esse vapor, o fazendo escapar e o suflê murchar.

Fazê-lo parece um terror de difícil, mas não é. A gente erra algumas vezes, naturalmente, mas uma hora criamos familiaridade com os cuidados e detalhes que essa gracinha precisa para dar certo. Errar e treinar é um jeito honesto e real de aprender de verdade, não tenha receio disso – e se você for de alma leve, o erro pode ser divertido, inclusive. Mas enfim, para te ajudar a caminhar para o acerto, divido esse receita, com algumas dicas carinhosas.

Antes de começar tenha em mente:

  • Para assar, é melhor que o calor venha de baixo, como em um balão de gás.
  • Controle bem a temperatura e siga a indicada sempre.
  • Após desligar, deixe o suflê alguns segundos no forno desligado.

Ingredientes:

  • 120g de claras (aproximadamente claras de 4 ovos médios)
  • 60g de gemas (aproximadamente gemas de 3 ovos médios)
  • 1 colher de chá de mostarda de Dijon
  • 20g de farinha de trigo
  • 250 ml de leite
  • 100g de queijo gruyère ou um outro queijo duro curado, ralado
  • Sal à gosto
  • 1 pitada de pimenta-de-caiena
  • 1 pitada de noz-moscada
  • Gotas de suco de limão (melhor que seja siciliano)
  • Manteiga para untar
  • Farinha de rosca para untar

Modo de preparo:

Prepare a base do suflê: Coloque em uma tigela as gemas, a mostarda, a pimenta, uma pitada de sal e a noz-moscada. Bata até esbranquiçar um pouco. Acrescente a farinha de trigo e incorpore. Ferva o leite e depois acrescente ele aos poucos na mistura de gemas, mexendo sempre. Em seguida leve essa mistura em uma panela ao fogo médio, cozinhe mexendo sempre e raspando as laterais para não queimar. Quando engrossar e soltar as primeiras borbulhas de fervor desligue. Incorpore o queijo e prove o sal. Cubra com um papel filme (que encoste direto no molho) e deixe esfriar por completo. Você pode preparar a base até 2 dias antes de usar.

Para finalizar: Aqueça o forno à 200 graus. Unte 4 ramequins com manteiga e polvilhe farinha de rosca, reserve. Bata as claras em neve, quando atingir o ponto pingue gotas de limão e uma pitada de sal para firmar. Pegue o molho de queijo, mexa ele para ficar maleável e coloque em um recipiente para receber as claras em neve. Incorpore delicadamente metade das claras, fazendo movimentos leves de baixo para cima sempre. Adicione a outra metade das claras e incorpore com o mesmo cuidado. Divida a mistura nos ramequins, nivele com uma colher e passe o polegar em volta, fazendo um sulco, como desenhando um circulo na superfície, isso ajuda no crescimento.

Leve os ramequins ao forno pré-aquecido e imediatamente baixe  a temperatura para 180 graus. Asse por 20/25 minutos – até crescer e dourar por cima. Pronto. Fica lindo, leve e encantador. Seja feliz fazendo. Boa sorte e bon appétit!

Obs: No da foto coloquei uma pimenta biquinho, porque eu acho que fica bonito e bom.

Como fazer cinnamon apple – maçã caramelada com canela. 

Cinnamon apple – maçã caramelizada com canela boa para comer com porco, com pancake, com sorvete, com iogurte ou ela plena e linda só mesmo. É fácil fazer, é assim:

Ingredientes:

  • 2 maçãs
  • 100 ml de água
  • 5 colheres de sopa de açúcar
  • 2 colheres de sopa de canela
  • Caldo de meio limão

Modo de preparo:

Descasque as maçãs, torneando elas bem bonitas com gentileza, elas merecem isso. Depois corte ao meio, tire as sementes e corte em pedaços rústicos e belos, não muito pequenos. Em uma frigideira coloque a água, o açúcar, a canela e o caldo de meio limão. Misture com alegria. Quando começar a ferver coloque as maçãs. Deixe cozinhar e mexa de tempo em tempo. Quando o líquido se transformar em uma calda grossa caramelada linda de chorar e a maçã estiver cozida, está pronto. Uma alegria só. Tem cheiro de vida feliz. Seja feliz fazendo, comendo.

Receita de Gâteau au chocolat (bolo de chocolate cremoso sem farinha)!

 

wp-image-1006818942jpg.jpg

Receita de gâteau au chocolat (um bolo de chocolate cremoso e amoroso sem farinha). Você é capaz de ver a alegria de viver nesse gâteau? É uma receita simbólica e guarda muito. Fazê-la é sempre uma experiência delicada – começo escolhendo com cuidado e carinho os utensílios e ingredientes (só vai 4 ingredientes, então eles precisam ser escolhidos com seriedade e carinho, é importante que sejam bons). Misturo os ovos com o açúcar sempre num bowl bonito. Pego folhinhas das plantas de casa para servir de molde para as folhas de chocolate que a enfeitam. Os detalhes e cuidados importam. Aprendi essa receita com uma confeiteira que me ensinou a ver na cozinha a “joie de vivre” – a alegria de viver, de se relacionar com o mundo natural de um modo revolucionário e fazer da cozinha o lugar mais feliz, ocupado e vivo da casa. Você é capaz de ver nesse bolo a alegria de viver? Espero que seja. Ele é muito bom, cremoso, intenso e lindo. Mas além de bom, diz muito, pra mim.

Ingredientes:

  • 290g de chocolate amargo (pode ser meio amargo, eu uso amargo)
  • 5 ovos
  • 200g de açúcar
  • 100g de manteiga
  • cacau em pó para polvilhar a fôrma

Você precisará de uma fôrma de fundo removível de cerca de 21cm de diâmetro.

Modo de preparo:

Derreta o chocolate em banho-maria junto com a manteiga – derreter os dois juntos é importante pois a manteiga, nossa amiga querida, é uma gordura gentil que protege todas as propriedades do chocolate e as mantém perfeitas pra gente sentir seu melhor. Após derreter tudo reserve. Em uma vasilha bata os ovos e o açúcar com um fouet – não bata demais, apenas o suficiente para incorporar. Acrescente então o chocolate derretido com a mistura de ovos e bata com um fouet até incorporar tudo.

Pré-aqueça seu forno à 180 graus. Unte a fôrma de fundo removível com manteiga e polvilhe cacau em pó nela, então despeje a mistura do bolo. Leve para assar em banho-maria (é uma mistura muito delicada, sem farinha, com muitos ovos, para ficar em uma consistência incrível, cremosa e meio mousse, precisa assar lentamente de um modo que só o banho-maria permite). Pegue uma folha grande de papel alumínio e coloque a fôrma em cima, rodeando o alumínio em volta dela para proteger e evitar que a água do banho-maria entre na fôrma (já que ela é de fundo removível, né). Coloque então a fôrma com a massa em uma fôrma maior que ela e acrescente água já quente. Leve ao forno pré-aquecido e asse por cerca de 50 minutos à 1 hora.

Uma casquinha crocante incrível se formará por cima! Isso dará um contraste delicioso no gâteau.

Após assar, deixe o bolo ainda na fôrma esfriar um pouco em temperatura ambiente e depois leve para geladeira – só desenforme quando ele estiver completamente gelado. Para desenformar solte as laterais com uma faquinha para ajudar. Ele é um bolo melequentinho lindo mesmo, então é meio difícil desenformar, mas nada demais também. Seja muito feliz comendo – porque não tem como não ser comendo isso.

Dica de decoração:

Tanto essa receita quanto essa dica de decoração eu aprendi com a diva da cozinha Raíza Costa. Para fazer essas folhinhas de chocolate que decoram o bolo faço o seguinte: Derreto o chocolate, espero que esfrie um pouco e então pincelo folhas naturais de árvores ou plantas – que gracinha né? Pois é. As coloco na geladeira e quando endurecem retiro a folha de chocolate da folha, pronto. Também gosto de colocar pedaços rústicos de avelã junto por cima do bolo.

Dicas de acompanhamento:

Fica ótimo com chantili de cachaça do lado (que você obtém batendo creme de leite fresco e quando estiver no ponto de chantili acrescente uma colherzinha de cachaça). Também fica divino com creme inglês, ou uma frutas frescas azedinhas tipo framboesa…

Bon appétit!

Receita clássica de pão de ló!

Pão de ló – Nome que os portugueses deram à esse tipo de massa de bolo, que é delicada e frágil como um tipo de tecido que foi popular em Portugal no século XVI, o “ló”. Nossos colonizadores amam essa massa, muitas cidades portuguesas são famosas pelas suas diferentes versões de pão de ló. Dizem que a inspiração para os portugueses criarem a receita veio após visitarem terras japonesas no século XVI e conhecerem o kasutera – um bolo japonês com a mesma estrutura do pão de ló, só que levava xarope de milho. Também há registros que dedicam a criação do pão de ló ao italiano Giobatta Carbona, que criou um bolo comemorativo encomendado por um marquês italiano para o rei da Espanha (Fernando IV), batizando o bolo leve e aerado de Pan di Spagna. Enfim, como muitas receitas, há muitas trocas, influências e encontros culturais que a permeiam, mas o que a gente tem certeza é que essa mágica da natureza, tão simples e com apenas 3 ingredientes, resulta numa massa incrível e muito versátil, ótima para muitos tipos de bolo, perfeita para Naked Cake. Você pode fazer ela aromatizada e servir purinha, num café da tarde fofo, que nem a massa.

Ingredientes (para uma fôrma redonda de cerca de 25cm de diâmetro):

  • 5 ovos
  • 170g de farinha de trigo
  • 150g de açúcar

Modo de preparo:

Pré aqueça o forno à 160 graus. Peneire a farinha de trigo 3 vezes e reserve. Na batedeira, bata os ovos com o açúcar até a mistura ficar super branca e aerada. Feito isso, acrescente a farinha aos poucos, misturando com uma espátula ou fouet, delicadamente (nem pensar em bater na batedeira nessa parte). A delicadeza para misturar a farinha é muito importante para a massa não perder a qualidade aerada. Misture apenas até incorporar tudo, não mexa demais. Unte uma fôrma de 25cm de diâmetro (com manteiga e farinha), despeje a massa e leve para assar no forno pré-aquecido por 30 minutos, ou até espetar um garfo ou palito no centro e ele sair seco e limpo. Prontinho. Espere esfriar uns 15 minutos pelo menos para desenformar.

Sem fermento nem nada, o bolo cresce o suficiente, fica fofo, lindo, apaixonante, um amor real. Crie bolos incríveis com essa massa super versátil!

Dicas:

  • Essa é um tipo de massa seca, que não tem gordura, então para um bolo ela precisa sempre ser umedecida com uma calda maravilhosa.
  • Você pode aromatizar a massa acrescentando delicadamente raspas de algum cítrico (limão, laranja, etc) na massa no momento anterior ao que acrescenta a farinha de trigo. Fica ótimo também!

 

Receita da clássica cheesecake!

 

A clássica cheesecake – Uma deusa sabor queijo que encanta o mundo há mais tempo do que pode imaginar nossa vã filosofia. A versão que hoje conhecemos foi criada e consagrada em New York, mas a origem desse “bolo/torta de queijo” remonta a Grécia e Roma antiga – há registros antropológicos de cheesecake desde 2000 a.c., vejam vocês. Ao longo da história ela foi feita em diversos países europeus com queijos típicos de cada região, a versão que conhecemos hoje é feita com cream cheese – queijo lindo de Deus que foi descoberto por acidente pelo americano William A. Lawrence em uma tentativa dele de reproduzir um queijo francês chamado Neufchatek (como tantas outras coisas na gastronomia, que nasceram de “erros”. Acho isso inspirador, não devíamos ter tanto medo de errar, pode ser bom). Cheesecake é descaradamente mais fácil de fazer do que você imagina. Tirar uma cheesecake do forno e ver a perfeição dela, quando assada certinho, faz com que eu me sinta sensacional. Não to querendo dizer que fazer uma cheesecake aumenta minha autoestima. Na verdade eu tô sim. Vem aprender!

Nessa que fiz cobri com caramelo salgado, mas você pode cobrir com o que quiser: Caldas, geleias, chocolate, etc.

Ingredientes (para uma cheesecake média que serve umas 7 pessoas):

  • 540g de cream cheese em temperatura ambiente
  • 2 ovos em temperatura ambiente
  • 90g de açúcar
  • 110g de iogurte natural em temperatura ambiente
  • raspas de meio limão siciliano, se quiser (eu amo colocar).
  • 1 colher de sopa de suco de limão (de preferência siciliano)
  • 1 pitada de sal
  • 120g de biscoito de maizena
  • 45g de manteiga derretida

Você precisará de uma fôrma de fundo removível de uns 24cm de diâmetro, mais ou menos.

Muito importante:

– Como notou, todos os ingredientes devem estar em temperatura ambiente, isso é muito importante para a consistência agradável da massa.

– Asse mesmo em banho-maria e em baixa temperatura, se não sua cheesecake não ficará tão emocionante. É preciso delicadeza e tempo, respeite isso.

Modo de preparo:

Comece pela massa. Unte o fundo de sua fôrma com manteiga molinha. Triture as bolachas (pode ser colocando num saquinho e batendo com algo que faça ela virar uma farofa, ou batendo num processador ou num liquidificador – o importante é ter uma farofa bem fina). Acrescente a manteiga derretida e misture até formar uma farofa densa e úmida. Forre o fundo da fôrma com toda a farofa, pressione com seus dedos para assentar bem. Reserve.

Pré-aqueça seu forno à 160 graus. Coloque o cream cheese em uma batedeira e comece a bater, na velocidade máxima até ele ficar uma mistura cremosinha. Continue batendo, acrescente o açúcar e bata até ficar mais fofo. Coloque então o suco de limão e as raspas se for usar, a pitada de sal, o iogurte e os ovos. Bata por mais alguns minutos até todos os ingredientes incorporarem bem (passe a espatula na borda da batedeira para se certificar disso). Coloque essa mistura na fôrma, sob a camada da massa de bolachas.

Hora de levar para assar, em banho-maria. Pegue uma folha grande de papel alumínio e coloque a forma em cima, rodeando o alumínio em volta dela para proteger e evitar que a água do banho-maria entre na fôrma (já que ela é de fundo removível, né). Coloque então a fôrma com a cheesecake em uma fôrma maior que ela e acrescente água já quente, até cobrir metade da fôrma da cheesecake. Leve para assar no forno pré-aquecido por cerca de 45 minutos à 1 hora. O ponto é quanto você chachoalha um pouco o forno e a cheesecake está bem firme nas bordas e firme/meio não tão firme no centro. Não pode pegar cor nenhuma, o aspecto é esse ó:

A sua gracinha está pronta! Tire do forno, passe uma faca gentilmente na lateral da fôrma para soltar a cheesecake, espere 5 minutos e desenforme. Deixe gelar por cerca de 6 horas – ela é boa fria, esse tempo na geladeira garante isso, e também garante uma umidade linda.

Cobertura:

Cubra com que quiser. Essa eu cobri com caramelo salgado (vi a linda amada Raíza Costa fazendo desse modo e amei!). Para ter o caramelo salgado é só fazer isso: Em uma panela derreta 150g de açúcar até caramelizar, quando isso acontecer acrescente 120g de creme de leite fresco, mexa até ficar cremosinho, pronto, só cobrir sua cheesecake com ele. Depois de cobrir salpique uma pitadinha de flor de sal, para deixar o seu caramelo salgado. Pronto.

Seja feliz fazendo e comendo. Bon appétit!

 

 

 

Como fazer mascarpone!

Um queijo de origem italiana, meio adocicado, todo cremoso e com cerca de 70% de gordura – o que faz dele um grande amigo para atingir consistências emocionantes nas sobremesas. É o principal ingrediente do tiramisù e pode ser usado para dar uma cremosidade carinhosa em muitos preparos, como no crème brûlée. Ele é mais simples de fazer em casa que achar nos mercados, vou provar:

Ingredientes:

  • 500g de creme de leite fresco
  • 3 colheres de sopa de caldo de limão

Modo de preparo:

Leve o creme de leite ao fogo médio em uma panela bonita que você goste (Paola Carosella me fez ver que é especial quando gostamos de nossas panelas), quando ele levantar fervura acrescente o caldo de limão e cozinhe por 5 minutos mexendo sem parar. Imagine o ácido do limão cortando o leite e o transformando em queijo, entenda a beleza disso. Após isso desligue o fogo. Coloque uma peneira em uma vasilha e cubra ela com um coador de papel resistente ou com aqueles panos de malha fina de escorrer queijo. Despeje a mistura da panela na peneira e deixe 3 horas em temperatura ambiente e depois uma noite na geladeira, para o soro escorrer. Pronto. Ele fica assim que nem o da foto, rindo pra você e te contando o quanto fazer em casa é libertador.

Como fazer brigadeiro de limão siciliano!

Brigadeiro faz parte da nossa história. Um doce brasileiro que ocupa incrivelmente muitas de nossas memórias afetivas. Alguma coisa da sua vida tem brigadeiro no meio, certeza. Lembro de umas férias de quando eu tinha uns 11 anos em que fiz brigadeiro uns 4 dias seguidos para comer enquanto assistia Cavalo de Fogo (aquele desenho que todo mundo lembra pela música: “Que tocou meu coração, quando me disse então que um dia raaaeeeeeee(…)eeeenha eu seriiiiaaa…”, enfim, lembrou?), foi quase um ritual, só dava para assistir comendo brigadeiro. Foi uma overdose muito doce que eu jamais esquecerei. Adoro essa versão com limão siciliano, acho sutilmente refrescante. Vem fazer e ver o que é bom! Pode comer assistindo Cavalo de Fogo se quiser, mas se não quiser não precisa, é um item opcional.

 

Ingredientes:

  • 1 lata de leite condensado
  • 100g chocolate branco picado
  • 1 colher (sopa) de manteiga sem sal (jamais substituir por margarina, peloamordedeus!)
  • Raspas de 1 limão siciliano (sem raspar a parte branca).
  • Suco de ½ limão siciliano.

Modo de preparo:

Coloque em uma panela o leite condensado, o chocolate e a manteiga. Leve ao fogo médio e mexa sem parar para cozinhar o brigadeiro até atingir o ponto – que é quando você conseguir ver o fundo da panela ao passar a colher. Outro jeito de ver o ponto é inclinar a panela e ver se a mistura está soltando da panela, se estiver está pronto. Normalmente o brigadeiro leva uns 13 minutos de cozimento para atingir o ponto, mas isso varia, o negócio é checar o ponto mesmo. Após atingir o ponto desligue o fogo e continue mexendo uns segundos, então acrescente o suco de limão e as raspas, e mexa para misturar. Coloque em um prato e deixe esfriar para depois manusear e fazer as bolinhas, ou comer assim mesmo. Eu gosto de fazer bolinhas (unto a mão com óleo de canola ou manteiga para não grudar) e enrolar no leite em pó, acho que fica ótimo! Mas fica bom também enrolar em chocolate branco picado, granulado, farofa de pistache ou castanha…enfim.

Se divirta fazendo e seja feliz comendo.