Canjica ou Mungunzá!

Existem tantas receitas dessa por aí que na verdade não sei se vocês precisam de mais uma. Mas aí lembrei da história que essa tem e então achei que fazia sentido compartilhar – porque com a história junto, eu convido vocês a escrever também uma história quando forem cozinhar. Assim tem mais sentido.

Ingredientes:

  • 500g de milho branco para canjica
  • 2 conchas da água do cozimento do milho
  • 1 lata de leite condensado
  • 900 ml de leite integral
  • 300 ml de leite de coco
  • 2 paus de canela
  • Cravo da Índia à gosto
  • 1 xícara de chá de coco fresco ralado
  • 1 xícara de chá de amendoim tostado sem pele (opcional)

Preparo histórico e afetivo:

Era uns 9 anos que eu tinha. Sempre amava quando minha mãe ia cozinhar coisas que o processo começa 1 dia antes – eu adorava a sensação de ir dormir sabendo que já tinha algo que começou a ser feito lá na cozinha. Minha mãe colocava 500g de milho branco para canjica de molho na noite anterior ao preparo. No dia seguinte, com o sol já baixo das 17h batendo na pia, ela escorria a água do milho, lavava, depois colocava na panela de pressão cobrindo eles com água uns 3 dedos de altura. Cozinhava na pressão por 30 minutos. Na hora de abrir a panela eu ia sempre colocar a cara em cima e ela gritava pra eu sair dali que podia explodir tudo, mas eu adorava correr esse perigo. Estando o milho cozido, a água do cozimento é quase toda descartada, deixando ali apenas 2 conchas dessa água. Aí junta na panela: 1 lata de leite condensado, 900ml de leite integral, 300ml de leite de coco, 2 paus de canela, uns cravinhos da Índia e 1 xícara de chá de coco fresco ralado. A panela ia pro fogo médio até ficar tudo cremoso. Às vezes juntávamos 1 xícara de chá de amendoim tostado sem pele uns 5 minutos antes de desligar a panela. Daí perto da hora da novela das 20h que na verdade começava as 21h, eu ia no bar do Zé com 50 centavos comprar paçoca pra esfarelar em cima na hora de comer – era minha finalização do prato e eu me sentia um artista nessa hora. A gente comia no sofá vendo a novela e no dia de canjica nem janta tinha, era disso que toda a noite era feita.

Anúncios

Couscous cítrico e a chance de paz.

Eu realmente acredito que uma receita pode nos conduzir por um estado emocional diferente. E cada tipo de receita pode oferecer um tipo específico de emoção – algumas nos dão energia, entusiasmo e vontade de dançar, outras nos acalmam, outras nos fazem refletir sobre coisas complexas, outras nos inspiram a amar. Essa aqui é uma receita de calma, leveza e paz. Através dela, ouvindo uma música gentil e boa, eu experimento um real sentimento de paz.

Ingredientes:

  • 300g de couscous marroquino
  • Cerca de 10 azeitonas com caroço (porque é bom às vezes usar as coisas como elas realmente são, com caroço e toda verdade delas).
  • 2 colheres de chá de raspas de limão siciliano
  • cerca de 2 latas de atum sólido
  • Meia xícara de chá de ervilhas frescas (ou aquelas congeladas)
  • Cheiro verde picado à gosto
  • 1 tomate picado
  • Meia cebola média picada

Modo de preparo:

Se seu atum vier no azeite, separe ele do azeite e reserve para usar (nunca jogue algo que pode ser usado fora). Coloque para ferver 300 ml de água, acrescente 2 colheres de sopa de azeite e 1 colher e meia de chá de sal. Quando ferver coloque o couscous, misture, desligue o fogo e deixe hidratar por 8 minutos. Depois abra e misture pra soltar o couscous.

Em uma frigideira coloque 2 colheres de sopa de azeite, leve ao fogo médio e refogue a cebola, em seguida coloque o tomate e a ervilha, também refogue. Acrescente as raspas de limão, as azeitonas e o atum. Refogue até tudo misturar bem. Coloque essa mistura no couscous hidratado e misture tudo. Pronto. Coma em paz.

Clique aqui e acesse meu Instagram – lá no meu IGTV tem um vídeo com um passo a passo de toda a receita. 

Como fazer uma clássica farofa de ovo – das memórias da minha infância.

Sempre amei ovos. Quando eu era criança e ia “brincar na cozinha” nas tardes vazias, adorava fazer farofa de ovo, inventava mil tipos – com restinhos de vegetais, pedaços esquecidos de bacon ou sobras de carne seca. Fiz tantas que fiquei bom nelas. Quando tinha uns 11 anos, fiz uma que uma tia provou e ficou impressionada. Me senti mágico nesse dia. Ovos eram pra mim uma chance bonita de criar algo bom, acho que por isso os amo tanto, acho o ingrediente mais incrível que existe (obrigado pra sempre, galinhas). Vira e mexe volto a brincar de farofa de ovos. A cozinha foi um bom lugar para estar na infância. Essa é uma farofa simples, das clássicas que eu criava, que significa muito pra mim!

Ingredientes (para em média 2 porções):

  • Meia cebola picada
  • 1 dente de alho picado
  • Sal e pimenta-do-reino à gosto
  • 3 colheres de sopa de azeite de oliva
  • 1 colher de sopa de manteiga
  • Cerca de 5 tomates-cerejas cortados ao meio
  • Pimentão vermelho picado à gosto
  • Cerca de 3 ovos
  • Zathar à gosto (tempero opcional)
  • Farinha de mandioca (o quanto bastar)
  • Coentro picado para finalizar

Modo de preparo:

Refogue a cebola com uma pitada de sal na manteiga e no azeite , acrescente o alho até ele fritar, então coloquei tomate-cereja cortado ao meio e pimentão vermelho. Refogue. Coloque os ovos e mexa sem parar – para que eles cozinhem se unindo a cremosidade da manteiga. Então, antes do ovo ficar seco, coloque a farinha de mandioca e mexa, torrando sutilmente a farinha. Tempere com sal, pimenta e zathar. Finalize com coentro picado. Pronto. Nas quantidades seja intuitivo, é bom à vezes. Veja se sente vontade de colocar menos ou mais algum elemento. Dá certo. Tem mil jeitos de fazer farofa de ovos. Não precisa fazer exatamente essa, inventa uma e me conta, vai ser legal.

Gratidão de todas as sextas. Cozinhando as 94 receitas do livro “Todas as sextas”, de Paola Carosella. Receita 89/94: Peito de boi braseado da Isabel com farofa do Lucas e taioba.

Sexta-feira, dia do projeto “Gratidão de todas as sextas” – Cozinhar todas as 94 receitas do livro “Todas as sextas”, de @paolacarosella (Esse projeto tem um porque, clique aqui e leia o post que publiquei dia 11/11/16, explico lá tudo com todo meu coração). Receita 89/94: Peito de boi braseado da Isabel com farofa do Lucas e taioba. Esse prato é tão bonito. Primeiro porque ele é indiscutivelmente delicioso. Porque em seu nome e apresentação no livro Paola fala de encontros bons e generosos que a cozinha traz e simboliza, fala generosamente de pessoas que trabalham com ela – essa é uma receita coletiva, e isso é tão significativo. Quando eu comi pensei nas histórias cruzadas e enlaçadas por trás dessa farofa, dessa taioba, dessa carne amorosa feita em panela. Carne na panela. Acho que também vi tanta beleza nessa receita porque ela até agora foi a que mais me lembrou a comida da minha mãe. Minha mãe é uma cozinheira de panelas, pesadas, fundas, com caldos grossos e carnes intensas. É realmente um prato muito bom, muito significativo, muito generoso. Hoje eu só queria agradecer, mesmo.