O que fazer no Vale do Loire (França) – a experiência nos castelos mais fascinantes da Europa e 2 dicas valiosas para os amantes da gastronomia!

Quando pensar na França, vá além de Paris. (pra mim ela é a cidade mais linda do mundo, mas a França é muito que ela). Há regiões que preservam os tempos antigos de um modo tão profundo que você de fato se sente numa outra época da história. É o caso do Vale do Loire – uma região que fica quase no centro da França. Lá estão, em vilas e pequenas cidades, uns dos castelos medievais e renascentistas mais lindos e conservados da Europa. A região é um conto de fadas vivo diante dos seus olhos que pela sua riqueza arquitetônica foi considerado patrimônio mundial pela Unesco.

O traçado histórico dos reis e rainhas da França estão em cada parede desses castelos. Quartos, jardins, móveis, vilas ao redor, obras de arte – um mergulho na história deslumbrante francesa.

Vou compartilhar com vocês a experiência em cada um dos castelos que visitei, e além disso, darei aqui 2 dicas imperdíveis para quem quer se emocionar um pouco através da gastronomia por lá: 1) A visita “doce” ao Château d’Amboise – onde veremos: uma vila encantadora aos pés do castelo, as marcas de Leonardo Da Vinci (que inclusive está enterrado lá) e uma confeitaria tradicional muito antiga onde você provará o melhor chocolate quente e macaron da sua vida! 2) Conhecer a cozinha do Château de Chenonceau – uma das cozinhas antigas de castelo mais preservadas da França (emociona demais qualquer um que gosta de gastronomia), além do castelo inteiro em si ser lindo!

Os Castelos e a experiência em cada um deles:

  • Château d’Amboise – A vila encantadora, Leonardo Da Vinci e o melhor chocolate quente e macaron que você provará na vida!

Parte lateral do Château d’Amboise

Talvez o maior charme do Château d’Amboise é ter bem aos seus pés uma vila antiga muito charmosa e preservada (muitos outros castelos de lá ficam em regiões de grandes campos, sem muita coisa por perto). Após visitar o castelo você pode caminhar por uma vila com estruturas medievais até hoje preservadas, e isso não tem preço.

O Castelo é lindo, tem marcas de sua época medieval mas também do traçado renascentista, mostrando a transição do tempo em sua arquitetura. Hoje o castelo tem apenas um quinto de sua construção original (o restante foi destruído nos períodos de guerra), mas se mantém fascinante.

Amboise e Leonardo da Vinci : O Rei Francisco I foi um grande ocupante desse castelo – rei que foi muito amigo e admirador de Leonardo Da Vinci, daí que vem uma das maiores famas da cidade de Amboise – ter sido onde Da Vinci passou os últimos anos de sua vida. Ele foi convidado pelo rei para sair de Roma e ir morar em Amboise, trabalhando e produzindo sua arte e engenharia a serviço do rei. Da Vinci ganhou um castelo só para si ( o Château du Clos Lucé – a casa de Leonardo da Vinci que hoje está aberta a visitação e é um museu em homenagem ao artista, mais um motivo para você não deixar de visitar Amboise). Leonardo da Vinci está enterrado na Capela Saint Hubert, que fica em um dos jardins externos no Château d’Amboise. Para quem admira esse gênio, é bem emocionante ver seu túmulo.

O túmulo de Leonardo Da Vinci

Pâtisserie Bigot em Amboise – O melhor chocolate quente e macaron da sua vida: Tem algo especial pra mim sobre viagens: além dos atos mais populares e turísticos (que sim, muitas vezes também são legais) gosto de me conectar com detalhes do lugar, aqueles que na euforia turística de fotos nos monumentos a gente acaba não se permitindo notar. Me conecto com esses detalhes principalmente nos lugares que como: Os hábitos das pessoas locais no lugar, o modo como é servido um prato, apresentado, as louças, o perfume do lugar junto com o perfume da comida que servem, e a delicadeza dos sabores e texturas – observar tudo isso e fechar os olhos é gravar pra sempre em você uma memória sensorial delicada. A Pâtisserie Bigot me proporcionou tudo isso – um ambiente com perfume de chocolate, num lugar notavelmente antigo (desses que a gente entra e sabe que as paredes e móveis contam histórias) e doces dispostos de um jeito lindo, como obras delicadas ao mesmo tempo que tem tom de “receitas de família”. Saindo da sua visita ao Château d’Amboise, essa confeitaria fica logo em frente, aos pés do castelo. Vá lá e peça – pelo menos – um macaron e um chocolate quente. Coma fazendo essas observações e grave na sua memória esse momento. Vale a pena.

O macaron e chocolate quente mais emocionante da minha vida – Pâtisserie Bigot

Pâtisserie Bigot

Amboise – vila aos pés do Château (no catinho dá para ver a entrada da Pâtisserie Bigot)

Clique aqui e acesse o site da Pâtisserie Bigot para saber mais sobre eles e sua história.

Clique aqui para acessar o site oficial do Château d’Amboise e verificar todas informações para sua visita.

Endereço da Pâtisserie Bigot: 2 Rue nationale, 37400 Amboise, França.

Endereço do Château d’Amboise: 37400, Amboise, França.

  • O Château de Chenonceau e a cozinha antiga mais impecável que vi na vida!

A beleza desse Château pra mim está na sua localização – que é no meio do rio Cher – sua construção se estende como uma ponte sobre o rio (foi inspirado na Ponte Vecchio de Florença), é lindo isso, no meio da natureza e da correnteza do rio um castelo se estende. Outro ponto interessante sobre ele é que foi um castelo ocupado e administrado por mulheres – desde a rainha Catherine de Médicis (mulher do rei Henri II) até Diane de Poitiers (amante do mesmo rei).

Esse château ficou protegido durante os períodos das guerras e por isso é um dos mais mobiliados e inteiros – e isso é um ponto alto sobre ele, porque ver toda mobília original te conecta muito com toda história do lugar. E daí que vem um dos pontos mais espetaculares pra mim: a cozinha antiga mais completa que já vi!

A cozinha do Château de Chenonceau: Panelas exuberantes de bronze, cestos antigos de pão, fornos de pedra, facas gigantes, pilões… enfim, você verá uma cozinha antiga completíssima! Algumas peças são originais, outras postas pra completar o cenário, o conjunto de tudo te faz entender perfeitamente o funcionamento majestoso da cozinha ancestral de um castelo antigo, onde eram preparados os imensos banquetes reais. Vale muito a pena, só pela cozinha, visitar esse Château!

A cozinha do castelo

O castelo possui três restaurantes. Um gastronômico chamado Orangerie (que é um self agradável) e uma creperie. Os visitantes também podem fazer piquenique no parque do castelo. Duas áreas para piquenique estão à disposição de todos, sendo uma delas coberta.

Clique aqui para acessar o site oficial do Château de Chenonceau e verificar todas informações para sua visita.

Endereço: 37150 Chenonceaux, França.

O Château d’Amboise e o Château de Chenonceau foram meus favoritos, mas indo ao Vale do Loire, não deixe de visitar também:

  • O Château de Chambord

Esse aqui encanta de cara pelo tamanho – é imenso, o maior de todos os castelos do Vale do Loire. Seu aspecto marca muito bem o período do renascimento francês. As inúmeras torres, escadarias e salões gigantes te conectam com toda majestade francesa. Gostei dele ter uma sala exclusiva onde há carruagens expostas (é difícil ver uma original). Outro ponto lindo é a escada central projetada por Leonardo da Vinci – duas escadas que se entrelaçam mas que nunca se cruzam – quem sobe uma das escadas não cruza nunca com quem sobe a outra (e isso é engraçado porque a impressão é de que é uma escada só, mas são duas “enroladas” – coisas de Da Vinci).

A escadas do Château de Chambord – projeto de Leonardo da Vinci

Clique aqui e acesse o site oficial do Château de Chambord e saiba tudo para sua visita.

Endereço: Château, 41250 Chambord, França

  • Château de Villandry

Um dos menores que tem, mas absolutamente lindo, principalmente por 2 motivos: É quase que 100% mobiliado – tem até louças e mesa de jantar posta, é bem impressionante o detalhe decorativo dele. E outro ponto que encanta são os jardins planejados – um dos mais lindos de toda França (eu fui no outono, então não vi a beleza toda dos jardins, mas quem viu se apaixonou muito).

Clique aqui e acesse o site oficial do Château de Villandry e saiba tudo para sua visita.

Endereço: 3 Rue Principale, 37510 Villandry, França.

Qual melhor cidade para se hospedar perto de todos os castelos?

Pra mim, a melhor opção de cidade para se hospedar em Vale do Loire é Tours – primeiro porque é perto e tem localização legal para ir até qualquer um dos castelos. Segundo porque é uma cidade mais movimentada, e tem coisas legais para se fazer a noite (conta com uma vida noturna gostosa – com bares e animação típica bôemia francesa) e restaurantes bons, além de ter hospedagens (como bastante Airbnb) a preços bem legais.

Estrada próxima já da cidade de Tours

Como chegar até o Vale do Loire de Paris?

Eu acho que a melhor opção é alugar um carro – em no máximo 3 horas dirigindo por estradas ótimas vocês chega ao Vale do Loire, partindo de Paris. As vantagens são: Viajar podendo parar nas cidadezinhas do caminho, parar para apreciar os tantos cantos lindos do interior da França… aí, isso não tem preço, te juro. E outra coisa: Para fazer as visitas aos castelos tem opções de ônibus, mas ter um carro facilita muito e faz você ganhar muito tempo. Realmente considere alugar um carro para essa viagem. Mas se não der, fique em paz, tem trem de Paris para diversas cidades da região, e aí para os trajetos entre castelo há ônibus.

É isso, há mais castelos que esses por lá, mas esses são os destaques! Quando for, crie as suas memórias e referências pessoais – porque pegar dicas é importante, mas criar as suas próprias, é fundamental!

Onde comer e o que fazer para se emocionar no Monte Saint-Michel – França

Mistério, história, comida antiga com receitas que são as mesmas há mais de 1000 anos e paisagens de fazer a respiração pausar. O Monte Saint-Michel, uma pequena ilha rochosa com a imponente Abadia e vila medieval, fica situado na região francesa da Normandia. Estar lá é uma experiência misteriosa e profunda que conduz a gente para um estado de espírito diferente – você parece que sai do seu tempo e da sua vida e entra num outro período do mundo – tem ideia do quanto isso é delicioso e impressionante? Vale realmente a pena conhecer esse canto do mundo – durante o dia, mas principalmente, durante a noite – explico porque abaixo!

Primeiro vou te dar 3 dicas de onde comer e se emocionar no Monte Saint-Michel, e depois conto detalhes sobre a história do Monte, onde se hospedar e o que não deixar de fazer por lá!

Onde comer e se emocionar no Monte Saint-Michel:

1) As emblemáticas omeletes no La Mère Poulard

Fachada do La Mère Poulard, à noite.

As omeletes são simbolo absoluto da gastronomia do lugar. La Mère Poulard ficou conhecida na época em que servia omelete para os peregrinos que passavam por lá e ficavam ilhados no local quando a maré subia e isolava o Monte. Por ser uma comida barata e rápida, a omelete era feita em grande quantidade e servida à eles. Outro elemento famoso desse lugar são os biscoitos, que eram distribuídos para as crianças que acompanhavam os peregrinos (lá você encontra os biscoitos também ainda hoje).

A omelete é singular, diferente de qualquer uma que já provei, é gigante e absolutamente fofa, leve mesmo, quase uma espuma. É servida com 1 acompanhamento e se estiver com pouca fome, peça para compartilhar com alguém (com pouca fome serve 2).

Cozinha do La Mère Poulard

Há uma cozinha aberta onde você pode passar e ver os cozinheiros batendo as omeletes à mão – eles fazem a receita da mesma forma como ela é feita há quase 1000 anos na região – e a emoção de comer algo tão ancestral num lugar tão ancestral quanto? Arrepia, sério. Não é tão barato para uma omelete, mas vale a pena. Sinta todo traço da história e tradição do lugar através desse prato simples e tão simbólico. Vemos aqui um traço marcante pra mim da gastronomia francesa, que é fazer de algo tão simples (como uma omelete) uma coisa emocionante e brilhante.

Clique aqui e veja todas informações do La Mère Poulard

Endereço: Grande Rue, 50170 Le Mont-Saint-Michel, França

2) Coma um dia na charmosa vilinha (que fica ainda no continente, antes do Monte)

Sopa de cebola

Na beira da passarela que leva ao Monte, fica uma vilinha charmosa com pouquíssimas construções. Me hospedei lá e na noite que cheguei jantei num restaurante chamado Restaurant La Rôtisserie – A comida é singela e caseira até, nada espetacular, mas gostosa e delicada, principalmente a sopa de cebola e Ilha flutuante (uma sobremesa bem francesa que consiste numa espuma delicada flutuando num creme simples e absolutamente bom).

Ilha flutuante

 Adorei o charme dessa vilinha que parece esquecida e perdia no mundo, comer lá foi aconchegante e curioso. Sinta todo o marasmo poético enquanto come nesse lugar – acho que poético é a palavra pra esse pedacinho do mundo.

Uma casinha encantadora nessa vilinha

Endereço: Route du Mont Saint Michel, 50170 Le Mont-Saint-Michel, França

3) Ostras

O Monte Saint-Michel fica bem entre a região da Normandia e Bretanha – essa última é uma região francesa muito famosa pelas ostras, e no Monte sentimos essa marca – muito famosas na região, as ostras lá são fresquíssimas, vale a pena provar. Eu não consegui comer nenhuma lá e lamento muito, mas amigos que confio super no paladar e opinião comeram e indicam, todo frescor é verídico. Eu acho que o mais bacana quando você viaja é se propor provar a gastronomia mais comum e habitual do lugar, para sentir o lugar através do gosto – como sabemos, a memória que o gosto deixa, é eterna. Coma ostras em Monte Saint-Michel e sinta o terroir puro da região. Quase todo lugar lá vende ostras, não tem erro.

 

O Monte Saint-Michel

Com certeza um dos lugares mais impressionantes que já fui na vida. Uma ilha rochosa onde a construção imponente da Abadia e vilarejo aos seus pés parece ser parte das rochas que constituem a própria ilha. A sensação de caminhar no Monte Saint-Michel é de se deslocar no tempo completamente. As construções conservam tudo que é original, então você se sente mesmo numa vila medieval, não tem quase nenhuma construção moderna lá.

Além da Abadia, construção mais imponente da pequena ilha que lembra um castelo, há uma vilinha aos pés da ilha com hotel, restaurante, lojas e outros estabelecimentos.

Vilarejo no Monte

Detalhe da Abadia

A abadia foi construída no século XIII, em homenagem ao Arcanjo São Miguel, e faz parte de diversos períodos históricos da França (como lugar de refúgio e fortaleza em períodos de guerra). Acredito que pelo aspecto misterioso e um tanto obscuro que o lugar tem, se tornou palco de muitas lendas e contos místicos – caminhando por lá a noite você entende isso melhor, rs, é meio macabro, mas lindo.

Como ir até o Monte

Eu fui de Paris até o Monte Saint-Michel de carro e se você puder, indico demais ir assim, pois as paisagens no caminho são absolutamente lindas, e você pode ir parando nos pontos que quer para olhar, tirar fotos, ou até dar umas voltas nas pequenas e graciosas cidades da Normandia. De Paris até lá de carro dá cerca de 4h de viagem, sem parar, parando leva mais que isso. Sugiro sair de manhã de Paris e dedicar 1 dia para a viagem, se programando para chegar no final da tarde no Monte, assim você tem tempo de parar e apreciar tudo no trajeto – apreciar o caminho vale tanto quanto o destino. Dica: Para viajar de carro na França você pode pegar as auto estradas direto ou, em partes dos trajetos, ir por dentro das cidades – indico, se tiver com tempo, que passe por dentro, será chance de conhecer muitos cantinhos charmosos do interior francês.

Caminhos até o Monte

Onde se hospedar:

Há hotéis na própria ilha (fortificação) do Monte, que são mega interessantes pois são também construções extremamente antigas – a sensação de se hospedar aos pés da Abadia dentro do vilarejo deve ser alucinante, porém, é caro. Para economizar sugiro se hospedar nas redondezas da ilha – ainda na parte do continente tem uma vilinha charmosa onde há alguns hotéis e restaurantes (um deles é onde indiquei comer nas sugestões de gastronomia). Minha dica de hospedagem é o Hôtel Gabriel – Ele é super novo, com instalações ótimas, limpo, fofo, atendimento gentil e o melhor – um café da manhã incrível – cheio dos deliciosos queijos e manteigas da Normandia! E o preço foi o melhor custo benefício que encontrei na época.

Hôtel Gabriel – Route du Mont Saint-Michel, La Caserne, 50170 Le Mont-Saint-Michel, França

O que não deixar de fazer no Mont Saint Michel

O que quero mais ressaltar é que você deve fazer uma caminhada diurna e outra noturna pelo Monte. De dia, visite a Abadia, os restaurantes, lojinhas, e veja todo detalhe da arquitetura impressionante do lugar. A noite, tenha uma experiência misteriosa e um pouco macabra (mas linda) de caminhar por lá e se sentir deslocado no tempo – durante a noite não há dezenas de turistas, então, estando ali com tudo meio vazio, a sensação de ter voltado no tempo é muito intensa! Chega a dar um medo, mas vale demais a pena! A melhor coisa para se fazer no monte é isso: caminhar, olhar e sentir cada encanto da arquitetura e paisagem. E a noite a iluminação é bem baixa no Monte, dando ainda mais sensação de estar em outro tempo da história.

Visão da passarela antes de chegar no Monte

Há uma passarela (de uns 2km) para chegar até o monte que fica acessível a noite, porém é um caminho meio escuro – fui com mais 3 pessoas e ficamos com um pouco de medo, mas isso fez parte da emoção e foi tudo muito seguro. Há ônibus que fazem o trajeto, saem de 15 em 15 min e funcionam das 7h à meia noite, mas eu jamais pegaria um ônibus e perderia a chance dessa caminhada – tanto de dia quanto de noite, fomos à pé.

A iluminação noturna do Monte é misteriosa e deixa a experiência linda.

A maré atinge diversos picos ao longo do ano e mesmo em um único dia varia, muita gente busca visitar o Monte em épocas de maré cheia para ter a experiência de ver ele totalmente isolado do continente (mesmo assim ele fica acessível, mas pela passarela). Se quiser checar os períodos de maré, clique aqui.

Aproveite, se emocione e guarde, através de todos seus sentidos, esse lugar dentro de você!

Roteiro gastronômico em uma aventura na Patagônia – como se emocionar comendo no extremo do mundo.

A Patagônia é o lugar mais emocionante que estive nesse mundo quando se trata de contato com a natureza pura. O contato extremo com a força do mundo natural transforma a gente. Fui lá para me casar, sob um dos maiores aglomerados de gelo do mundo. Eu queria celebrar o amor, que é uma força natural gigante, num lugar onde a força natural também fosse gigante. Tinha que ser lá. Eu acho que na Patagônia nos conectamos de uma forma diferente com o mundo. Quando o vento gelado bate no nosso rosto ele nos arrasta junto para a composição do mundo, daí é como se fizéssemos parte de tudo, e tudo vira uma coisa só – nós e o mundo . É lindo e faz a vida vibrar, você precisa ir um dia se conseguir.

Te conto aqui onde comer o clássico e ancestral cordeiro patagônico, mas também conto como comprar, num mercado no fim do mundo, um biscoito folhado barato pra comer com doce de leite local durante um trekking para a montanha que fuma. Também te conto da beleza de levar um sanduíche de “mila” e uma cerveja na mochila pra comer enquanto o vento gelado do Glaciar Perito Moreno bate na sua cara e te conta da profundidade e força do mundo natural. Ah, também tem algo sobre comer uma empanada na beira de uma estrada deserta. Isso e mais. Entende do que se trata esse roteiro? Não são só dicas de restaurantes, se trata de como comer algo em um determinado lugar e criar uma memória eterna. Tem amor pra caramba nesse roteiro, e ainda dicas de hospedagens e como realizar os passeios mais incríveis! Espero que sinta aqui uma parte do que a Patagônia é!

 

1) Comida ancestral – O Famoso cordeiro patagônico: Cozinha antiga de fogo alto.

Um dos sabores mais emblemáticos da Patagônia é o cordeiro patagônico – se tiver que escolher uma única coisa para comer lá, escolha isso. Em diversos restaurantes das pequenas cidades há cordeiro assado em fogo de chão (o jeito mais lindo e antigo de assar). É bem comum os restaurantes terem vitrines onde o fogo de chão fica exposto, para você entender bem a coisa. Tipo essa:

Na cidade de El Calafate eu comi meu cordeiro no restaurante Casimiro Biguá, um local bem tradicional e popular para comer esse prato (chegue lá cedo para conseguir lugar, é cheio). Sugiro que lá coma só o cordeiro, ele é barato e servido no modelo 1 para 2 (um prato farto que serve bem 2 e não custa nada caro para a média da cidade, o preço foi um dos melhores que encontramos). Outros pratos lá são meio caros, não acho que vale a pena, lá é para comer o cordeiro e só. Absolutamente delicioso, uma experiência única de sentir o gosto profundo da cozinha de caça antiga, de fogo alto.

Felizes, mesmo.

Clique aqui e acesse o site para saber tudo da unidade do Casimiro Biguá em EL Calafate. É super bem localizado!

Endereço: Av. Libertador 963, El Calafate, Argentina.

Dica de turismo ao arredores do restaurante: O restaurante fica na rua principal da cidade, a Av. Libertador, aproveite para percorrer ela toda, tem lojas com todo tipo de coisa (lembrancinhas e etc), mercados locais (para quem, como eu, ama mercados locais) e mais pro norte da avenida tem uma praça linda com visão aberta para as montanhas e campos da patagônia, ah, muito amor!

 

2) Uma aventura no Glaciar Perito Moreno – um sanduíche de “mila” e uma cerveja na mochila –  e ainda um whisky especial sob um dos maiores glaciares do mundo.

Bem bobo com as paisagens do Mini trekking – passeio sob o glaciar.

Não há nessa parte uma dica gastronômica de restaurante e melhor prato, mas sim de uma maneira marcante de comer durante uma das maiores aventuras de sua vida. Se você estiver na cidade de El Calafate, não pode deixar de visitar o Glaciar Perito Moreno, um dos maiores glaciares do mundo, que é uma das coisas mais lindas e impressionantes que você verá na vida.

Caminhada até a trilha para subir no glaciar

Há algumas maneiras de visitar o Glaciar. Você pode ir apenas até as passarelas do Parque Nacional Los Glaciares e ver o famoso Glaciar Perito Moreno de muitos ângulos. Mas eu sinceramente te sugiro ir além desse passeio nas passarelas… que é legal, mas chegar mais perto do Glaciar é uma experiência emocionante. Depois de ir andar nele as passarelas parecem até algo menos atraente, juro. A Agência Hielo y Aventura te leva para caminhar sob o Perito Moreno, fui com ela e foi tudo incrível. Há 2 modalidades para esse passeio: O Mini trekking e o Big Ice – Ambos passeios duram o dia todo (considerando ida e volta de El Calafate até o Glaciar, preparações para a caminhada no gelo e todas paradas), a diferença entre um e outro é o tempo que dura – No Mini Trekking a caminhada no gelo dura cerca de 1 hora e meia, e no Big Ice cerca de 3 horas e meia. Eu fiz o Mini trekking e achei o suficiente para me emocionar profundamente. Caminhar acima do Glaciar foi a coisa mais emocionante que fiz na vida, te indico de coração. A única agência que faz esse passeio é a Hielo y Aventura, então compre direto por ela. O pacote para o Mini trekking pode ser comprado com translado incluso (ida e volta do seu hotel em El Calafate), também está incluso no pacote do Mini Trekking um percurso de barco lindo para chegar até o glaciar. E ah, no final da caminhada no gelo, o guia chega numa parte onde desenterra uma garrafa de whisky e serve para todos com gelo do glaciar – a única vez na vida onde você vai tomar um whisky onde o gelo o é mais velho que ele. Vale cada centavo a experiência, você não sentirá falta de nada, passeio muito completo! Fique tranquilo que não é muito complicado a caminhada no gelo (no mini trekking), pessoas idosas fazem e tudo mais, estando com disposição pra subir partes inclinadas e se equilibrar com as botas pesadas de gelo, tá beleza!

Finalmente, sobre o que comer: Não há, durante o passeio ao glaciar, onde comprar o que comer. Você deve levar seu lanche na mochila (há uma cabana onde você pode deixar seu lanche enquanto caminha no gelo, para comer na volta). Eu sugiro que você compre, ainda na cidade, um sanduíche “mila” – como eles chamam um sanduíche de milanesa (que pode ser de carne ou frango). Leve junto uma cerveja argentina boa. Na hora que voltar da caminhada do gelo, você fica um tempo numa região linda, onde há uma pausa para você comer seu lanche. Escolha um lugar emocionante para comer seu mila, eu escolhi esse:

Nunca mais vou esquecer o gosto desse mila junto com o vento gelado do glaciar batendo na minha cara e me contando sobre a força e profundidade do mundo natural.

Clique aqui e acesse o site da Hielo y Aventura e saiba detalhes do Mini trekking e Big Ice. Deu tudo certo, a empresa é super competente.

 

3) Comida aconchegante, cardápio diverso (bom e barato) e atendimento gentil que aquece a gente. Coma no Pietro’s (Em El Calafate).

El Calafate é uma cidade mais ou menos cara, os restaurantes não tem lá preços muitos acessíveis. Uma amiga indicou um lugar de comida boa, simples e barata, e nós fomos e amamos. O Pietro’s fica na avenida principal da cidade de El Calafate. Tem pizzas ótimas e um hamburguer de cordeiro que é farto e delicioso (aliás, no geral os pratos na Patagônia são bem fartos, se não estiver morto de fome, 1 sempre dá pra 2).

Amei comer lá, fui 2 vezes durante minha estadia em El Calafate. O atendimento é sensacional, simples e gentil, o que amo. Dica valiosa para não gastar muito e comer bem. Fora que estar lá da aquela sensação de estar numa lanchonete local, num lugar esquecido no fim do mundo, sabe? Não sei se me entende, mas é muito estranho e lindo esse tipo de sensação.

Endereço: Av. Libertador, 1002, El Calafate, Argentina. 

 

4) Empanadas na estrada para algum lugar – No meu caso foi para El Chaltén.

Empanadas na Argentina são um clássico que todo mundo que vai come. Tem em todo lugar. Pra mim as melhores não são de restaurantes muito grandes ou populares – as caseiras, de lugar pequeno, que provavelmente tem receitas familiares cheia de traços culturais antigos, são as melhores. Durante minha estadia na Patagônia fui passar 1 dia em El Chaltén (fui de ônibus de EL Calafate, fui e voltei no mesmo dia, várias agências vendem esse trajeto/excursão e não é caro, no próprio hotel/hostel que você ficar dará para comprar, provavelmente, por ser uma cidade pequena, todas as agências que fazem os passeios tem contato e conhecem todo hostel e hotel). No caminho para EL Chaltén (leva umas 3 hora para chegar lá partindo de El Calafate) fizemos uma parada num lugar simples, desses de beira de estrada, comprei uma empanada de carne incrível.

Qualquer paisagem na Patagônia é linda, não importa onde, então peguei minha empanada lá dentro do estabelecimento e fui comer do lado de fora, na beira de uma estrada deserta. Enquanto eu comia minha empanada cheia de traço cultural de onde eu estava, olhava exatamente para isso (tirei essa foto com o celular numa mão e a empanada na outra):

Essa dica é apenas uma sugestão para você comer uma empanada na beira de alguma estrada na Patagônia, eu achei emocionante e indico demais. Espero que entenda a delicadeza dessa experiência.

Depois de comer a empanada, volta a estrada.

 

4) Biscoito barato folheado maravilhoso e doce de leite em uma trilha em El Chaltén.

El Chaltén (cidade próxima a El Calafate) é conhecida como a capital mundial do trekking. Existem muitas trilhas lá, de diversos níveis de dificuldade, cada uma mais linda que a outra. As mais famosas são as que levam até alguma visão do Fitz Roy -a montanha mais famosa da região, conhecida como “a montanha que fuma”, devido as constantes nuvens que a circundam. É linda. Para realizar as trilhas mais longas e incríveis você precisam reservar uns 2 dias pra ficar na cidade, para acordar um dia lá bem cedo e começar, pra ter tempo de voltar na luz do dia, ou, acampar e dormir em alguma parte da trilha, caso seja aquelas bem longas que podem levar 1 dia pra ir e outro pra voltar). Eu queria muito ter feito a trilha para a “Laguna de los 3”, todos dizem que é a mais linda, mas não tive tempo hábil para. Então fiz uma menor, até a Laguna Capri.

El Chaltén é uma cidade – na verdade uma vila – minuscula, com poucas casas e estabelecimentos. Um lugarzinho perdido no meio do mundo. Na rua principal da cidade (e quase a única), enquanto estava indo para o fim dela, onde começam as trilhas, parei num mercadinho pequeno e comprei um biscoito folheado quadrado (que não tinha nome da embalagem, era produzido ali, e eu esqueci de perguntar para alguém, mas ele tem em todo lugar em El Chaltén, quando ver um biscoito folheado quadrado, será ele). Comprei junto com os biscoitos um pote de doce de leite colonial da marca La Sereníssima, coloquei na mochila e segui minha trilha até a Laguna Capri. Cada caminhada valeu a pena, paisagens de tirar o fôlego.

Parava em alguns momentos e comia meu folheado com meu doce de leite e pensava em como o mundo podia ser tão impressionante, e que viajar pra esses cantos ensina isso pra gente. Enfim. Eu achei especial comer biscoito folheado barato com doce de leite no meu trekking (infelizmente não fotografei eles, mas você acha fácil, prometo).

 

5) O milanesa gigante e honesto do Vera Cruz, em El Calafate.

Tem milanesa em todo lugar por lá. Comi o meu num restaurante que fica na avenida principal da cidade (Av Libertador), o Vera Cruz. Peça um que dá para 2 comer tranquilamente, sério. É farto e delicioso. Comi com uma cerveja argentina popular (Quilmes), sentei perto da janela para a rua e enquanto comia via o movimento da cidade pequena e encantadora. Foi marcante e bom.

Endereço: Av. Libertador, 1150, El Calafate, Argentina.

 

6) Se der, fique em um lugar em que você possa cozinhar algo.

Eu sempre amo me hospedar em lugares em que eu possa cozinhar algo. Ir num mercado regional, comprar coisas regionais e fazer você mesmo uma refeição regional – entende a beleza disso? Eu acho maravilhoso. Me hospedei no Calafate Hostel , um lugar encantador todo feito de madeira, com atendimento impecável, limpo, gentil e bom. Lá tem quartos privados e compartilhados, e uma cozinha grande que você pode usar. Foi perfeito pra mim, então queria deixar essa dica. Se der, sempre cozinhe por onde vai. Bem perto desse hostel mara, fica o Lago Argentino, lindo e imenso, vá caminhar ao redor dele (mas leve toca, venta absolutamente demais).

Endereço Calafate Hostel: Rua Gobernador Moyano, 1226, El Calafate, Argentina.

 

Espero que você, quando for a Patagônia, também se emocione, várias vezes. Que seja delicioso e marcante!

Restaurante Amazônia – o sabor amazônico profundo e sincero em São Paulo.

O que você precisa para ter uma experiência afetiva em um restaurante? Me conta aqui. Eu preciso de uma comida sincera, temperada com traços culturais, servida num ambiente que faça sentido e por pessoas gentis que tenham orgulho da comida bonita que servem. Num salão muito tupi-guarani, comi um tacacá (foto acima) de lembrar pra sempre (uma porção de entrada custa cerca de R$20,00), um pirarucu com arroz de jambu de amar sem medidas (R$ o prato para 2 custa cerca de R$ 80,00) e um pudim de tapioca que fez minha existência ter mais sentido (custa R$14,00) – fotos abaixo. O atendimento feito por gente boa, que aperta sua mão, que te conta da comida amazônica com carinho e que se diverte com você ali, naquele encontro (tudo é encontro). O serviço sempre importa muito pra mim. Acho que comer com gente boa a sua volta é outra coisa. Prefiro comer comida ruim do lado de gente boa do que comer comida boa do lado de gente chata – Só que no Amazônia Restaurante temos os dois – a comida e a gente é boa! Feliz por achar lugares tão sinceros assim em São Paulo. #existeamoremsp

Endereço:

Rua Rui Barbosa, 206, Bixiga, São Paulo -SP.

Castro Burger (São Paulo) – Um lugar que conta uma história e a serve junto com comida boa. 

 

Market Street.

 

Uma experiência gastronômica é sempre influenciada por muita coisa que está no entorno da refeição. Claro que o sabor do prato é sempre o mais importante. Mas tem mais. Quando vou à um restaurante sempre me pergunto: O que eles fazem e o que querem mostrar? Como eles querem que eu me sinta aqui e que tipo de experiência querem construir? Se essas perguntas ganham resposta, há uma identidade para provar no lugar, e isso é incrível.

O Castro Burger tem uma identidade. Há uma ideia muito completa e importante que a casa representa. Isso transforma o que poderia ser uma simples visita a uma hamburgueria qualquer em uma experiência leve, gostosa e afetiva. O nome “Castro” faz referência ao bairro gay de São Francisco (EUA), onde muitas lutas pela igualdade e diversidade foram travadas. Eles partem daí para apresentar a ideia principal da casa: Um lugar onde a diversidade é celebrada e onde qualquer um pode se sentir bem, respeitado e alegre comendo uma comida boa. E eles tratam esse ideal de forma ampla e séria – possuem projetos que envolvem doações de fundos arrecadados no local para instituições que acolhem pessoas LGBT em situação de vulnerabilidade. Também há um encanto na decoração do local que celebra a diversidade artística (alguns itens usados, como porta copos por exemplo, exibem periodicamente obras de diversos artistas da cidade). Os objetos espalhados pelo local trazem marcas sutis da alegria e humor espontâneo difundidos através da cultura LGBT. Legal é ver o local sendo frequentado por um público muito diverso, criando na gente ainda mais forte a marca do local: a beleza do diverso.

E a comida é boa – o que claro, é muito importante, não vamos esquecer que é um restaurante. Com várias opções de hamburger (inclusive  para vegetarianos), o cardápio divertido (com pratos e drinks que fazem referência a famosos memes) tem construções muito agradáveis. Eu comi o Market Street e adorei – Hamburger ao ponto e um bacon crocante memorável (R$28,00). A maionese da casa é apaixonante. A sobremesa que experimentei foi a “Nhaí” – torta de maçã com sorvete (R$16,10), também gostosa, só senti falta de mais maçã e menos açúcar.

Um lugar que conta uma história e nos faz experimentá-la junto com uma comida boa. Perfeito.

Castro Burger – Rua Joaquim Távora, 1517, Vila Mariana, São Paulo – SP.

www.castroburger.com.br

Nhaí – Torta de maçã com sorvete.