Cinema e Gastronomia – Filme: Sociedade literária e a torta de casca de batata.

A-Sociedade-Literária-e-a-Torta-de-Casca-de-Batata-capa-header-700x361

“Sociedade literária e a torta de casca de batata” não é um filme focado em gastronomia – mas fala de como, em tempos obscuros, o ato de se reunir na mesa para compartilhar uma refeição digna pode promover um encontro que faça as pessoas se lembrarem das coisas mais nobres que compõe a existência humana. O filme fala de várias formas de sofrimento durante a segunda guerra mundial, contando a história de um grupo de pessoas comuns, habitantes da pequena ilha Guernsey (no Canal da Mancha), que encontraram nos livros uma chance de lidar com tempos duros, criando uma sociedade literária. A trama se mescla com a história de uma jovem escritora, que pesquisando sobre esse grupo de pessoas encontra-se com o sentido de sua própria vida, se reconectando consigo mesma. O filme traz delicadamente diversos aspectos da dor e das formas de lidar com ela, e é absolutamente lindo como ele mostra o ato de se reunir em volta de uma mesa como uma chance das pessoas se reconectarem umas com as outras, construindo na hora da refeição um encontro que as alimenta de muitos modos – em tempos onde o terror toma conta da vida e a dignidade das pessoas é ferida a cada instante, sentar com gente querida para ter uma refeição digna mata muitos tipos de fome. A refeição é encontro, a mesa sempre será simbólica. Indico esse filme profundamente.

O filme é original Netflix e está disponível na plataforma! Desfrutem!

Anúncios

Como fazer Crack pie! A torta viciante da Christina Tosi!

Crack pie – Você verdadeiramente não consegue parar de comer, essa torta vicia, e por isso o nome. Feita com ingredientes muitos simples, ela tem um preparo curioso (que envolve assar, depois congelar e então descongelar a torta – para condensar o recheio). Essa receita divertida é marca registrada da cativante @christinatosi – na nova temporada do @chefstablenetflix (que é um especial de confeitaria) o primeiro episódio é sobre a vida e obra de Christina, é absolutamente encantador. O modo alegre e sincero que ela encara um doce me emociona. Assim como Christina, se alguém me perguntar o que eu poderia fazer pra sempre na vida, eu responderia: cookies. Christina é dona do famoso @milkbarstore , e também é a Paola Carosella dos EUA (é jurada do Masterchef de lá) – parece que minha cina é amar juradas do Masterchef. Ela criou essa torta em um dia que tinha pouquíssimos ingredientes, todos muito simples – uma receita despretensiosa e singela que ganhou o mundo, que lindo isso. Compartilho aqui a receita original, divulgada pela própria autora. Fiz, testei e amei sem medidas!

Sobre a receita – ela é dupla:

Essa receita é para fazer 2 tortas (de aproximadamente 22 cm de diâmetro, que serve de 8 à 10 pessoas). Vou compartilhar a receita assim porque é assim que a encontrei, exatamente do modo como Christina ensina. Quando fiz foi assim, 2 tortas, mas creio que se você quiser apenas 1 pode dividir em 2 todas as quantidades que dará certo (mas não posso garantir porque ainda não tentei cortar a receita no meio para apenas uma torta). Sugiro fazer 2, porque 2 é melhor que 1. E como o congelamento é um processo que a torta passa antes de ser servida, você pode manter a segunda congelada por 1 mês ou até um pouco mais, e descongelar apenas quando decidir servir.

Ingredientes (para 2 Crack pies – cada uma serve cerca de 8 pessoas):

Para a massa da torta (o biscoito de aveia):

  • 115 g de manteiga em temperatura ambiente
  • 75 g de açúcar mascavo claro
  • 40 g de açúcar granulado
  • 1 gema
  • 80 g de farinha de trigo
  • 120 g de flocos de aveia
  • 0.5 g de fermento em pó (aproximadamente meia colher de chá)
  • Uma pitada de bicarbonato de sódio
  • 2 g de sal (aproximadamente meia colher de chá)

Para o recheio da Crack pie:

  • 300 g de açúcar granulado
  • 180 g de açúcar mascavo claro
  • 20 g de leite em pó desnatado
  • 24 g de farinha de milho (fubá)
  • 6 g de sal (aproximadamente 1 colher e meia de chá rasa de sal)
  • 225 g de manteiga derretida
  • 160 g de creme de leite
  • 1 colher de sobremesa de extrato (ou essência) de baunilha
  • 8 gemas*

*É muito importante nessa receita não deixar nem um pouco de clara ficar com as gemas, se as gemas forem junto com vestígios de clara irá alterar muito o resultado da receita. O melhor jeito de separar gemas de claras é com as suas mãos (nela você consegue sentir quando exatamente toda clara foi retirada e só ficou a gema). Não esqueça de lavar a sua mão com água morna por 30 segundos antes e depois de manusear ovos diretamente nelas).

Para montagem e finalização das tortas:

  • 1 receita do biscoito de aveia já frio
  • 1 receita do recheio de Crack pie
  • 15 g de açúcar mascavo claro
  • 1 g (aproximadamente meia colher de chá) de sal
  • 55 g de manteiga derretida, ou o quanto bastar
  • Açúcar de confeiteiro, para finalizar

Modo de preparo:

1) Massa da torta (Biscoito de aveia):

Pré-aqueça seu forno à 180 graus. Bata (preferencialmente em uma batedeira) os açúcares com a manteiga até obter um creme fofo e claro. Raspe as laterais para garantir que tudo se misturou bem, continue batendo e acrescente a gema – bata até que os granulados de açúcar se dissolvam por completo e a mistura fique uma cor pálida. Continuando a bater em velocidade baixa, acrescente a farinha, a aveia, o sal, o fermento em pó e o bicarbonato. Misture até tudo se incorporar muito bem – fica uma massa densa e gordurosa, com aspecto de massa de cookie. Coloque a massa em uma fôrma larga untada ou antiaderente, espalhe ela pela fôrma para que fica em uma altura de 7 milímetros. Asse por aproximadamente 15 minutos (ou até dourar levemente, com cor e cara de cookie). Retire e deixe esfriar completamente. Dica: Se você fizer apenas uma torta e sobrar esse biscoito, em um pote bem fechado ele fica fresco por mais de 1 semana, é uma delícia com café.

2) Recheio da Crack pie:

Dica valiosa: Usar uma batedeira faz muita diferença no resultado final, se a sua tiver um acessório de remo para bater, melhor ainda – se você bater à mão com fouet não alcançará o resultado perfeito – que é um recheio denso e pegajoso. A velocidade também é importante, sempre bater em velocidade baixa – muito alta incorpora muito ar, e isso também afetará na densidade da Crack pie.

Misture o açúcar, o açúcar mascavo, o leite em pó, a farinha de milho e o sal na tigela da batedeira, até tudo ficar uma coisa só. Batendo em velocidade baixa, acrescente a manteiga, bata por cerca de 1 minuto, até todos ingredientes secos estarem úmidos e envolvidos na manteiga. Adicione o creme de leite e a baunilha e continue batendo em velocidade baixa, até que o creme de leite tenha incorporado completamente. Raspe as laterais da tigela para garantir uma mistura total. Adicione as gemas, uma a uma, batendo em velocidade super baixa, apenas o suficiente para incorporar – não queremos que seja incorporado ar aqui – quando todas as gemas estiverem incorporadas o creme deve ser brilhante e homogêneo. Prontinho! O recheio está pronto para ser usado. Se não for usar imediatamente, guarde em um porte hermético na geladeira por até uma semana.

3) Montando a torta e finalizando:

Pré-aqueça seu forno à 180 graus. Coloque o biscoito de aveia, o açúcar mascavo e o sal em um processador e triture tudo, até ficar com aspecto de areia molhada. Se não tiver um processador, pode fazer na mão, esmigalhando tudo muito bem. Transfira o biscoito triturado para uma tigela e acrescente a manteiga e misture até ficar úmido o suficiente para fazer uma bola (se não for suficiente, acrescente mais manteiga).

Feito isso, divida a massa em 2 partes – cada uma será a base de uma torta. Use cada uma das partes para cobrir s uma fôrma de aproximadamente 22 cm de diâmetro, untada ou que seja antiaderente, ou também pode forrar o fundo da fôrma com papel manteiga. As fôrmas devem ficar completamente cobertas, uniformemente, vá ajeitando e pressionando a massa com seus dedos para garantir isso.

Coloque então o recheio nas tortas, dividindo ele por igual entre as duas – o recheio deve encher cerca de 3/4 do espaço, não chegando assim até o topo (as tortas são bem baixas mesmo). Leve então as tortas para assar (sugiro uma de cada vez se seu forno não for muito grande) por aproximadamente 15 minutos – o topo deve ser dourado, mas o recheio ainda mole e instável. Abra então a porta do seu forno e diminua a temperatura para 165 graus – enquanto a temperatura diminui, deixe a porta do forno aberta (as tortas ficam lá dentro do forno durante esse processo todo). Quando a temperatura chegar em 165 graus feche o forno e deixe as tortas lá por mais 5 minutos. Após esse tempo verifique: O recheio deve estar ainda meio mole no centro mas as bordas devem estar mais rígidas. Se o recheio ainda estiver muito mole também nas bordas deixe por mais 5 minutos ou mais, até atingir o estado ideal: Mole no centro e mais rígido nas bordas.

Retire então a torta do forno e deixe esfriar em temperatura ambiente (se estiver com pressa pode por na geladeira ou freezer). Em seguida vem um passo importante que é a marca registrada da Crack pie: Congele a torta por pelo menos 3 horas ou por uma noite para condensar o recheio – isso é muito importante.

Retire as tortas do freezer e coloque na geladeira para descongelar 1 hora antes de servir. As tortas duram congeladas mais de 1 mês, e na geladeira ficam boas por cerca de 1 semana. Prontinho! A incrível Crack pie está pronta! Sirva ela fria! Decore com açúcar de confeiteiro peneirado por cima. Seja feliz, ela é emocionante.

Cinema e Gastronomia – Filme: “Okja” – Precisamos falar sobre.

2d3f5b62910e6925cc56ad24acb3a925

Falam muito sobre a crueldade do sistema industrial de carne, como os animais nascem, crescem, morrem e são considerados.  Mas ainda há um abismo entre o consumidor de carne e seu contato com o bicho – o bicho, não proteína (odeio esse termo que reduz o animal e tira a coisa “viva” e sagrada que ele é). Acho que é preciso visitar o bicho e sua vida para relembrar que o bicho existe, que o colocamos em um lugar quando escolhemos o que comprar e que assim, temos uma relação com esse bicho e somos responsáveis pelo seu destino. O filme Okja (Netflix, 2017) nos faz visitar o bicho, nos faz encontrar a conexão que temos com os seres vivos que dividem o planeta conosco. O preço de uma vida – Quando entramos em contato real com o animal fica ridículo dizer que o valor de sua vida se reduz ao preço do seu quilo no mercado. O filme Okja é delicado, sensível, parece um filme infantil, mas está longe de ser – aliás, o tom infantil que ele confere aos empresários da industria de carne talvez seja um convite à reflexão sobre a imaturidade e irresponsabilidade de um grupo de pessoas que constroem um desgaste e desequilíbrio da vida de um planeta que também são parte, aniquilando a relação genuína de coexistência que as espécies poderiam ter. Eu não sou vegetariano, não aponto maneiras únicas de viver em paz com o planeta e consigo mesmo, mas você não precisa ser vegetariano para achar assombroso como um bicho é tratado no confinamento. Se um dia eu deixar de comer carne, não será porque acho exatamente sujo comer um animal, mas talvez porque eu ache sujo o que a indústria fez com o animal, tirando qualquer chance dele ter uma vida digna e chegar até nós na cadeia de uma forma que não tira sua dignidade e valor – porque ele não é proteína, é uma vida, e nunca deveria ter deixado de ser visto como tal.

No filme, a confusa CEO de uma poderosa empresa apresenta ao mundo uma nova espécie animal que supostamente foi descoberta no Chile. Apelidada de “super porco”, ela é cuidada em laboratório e tem 26 animais enviados para países distintos, onde cada criador a receberia e cuidaria de acordo com a cultura local. Os animais espalhados pelo planeta seriam, após 10 anos, concorrentes de um concurso que elegeria o melhor “super porco”.  Depois dos 10 anos, o filme conta a história da jovem coreana Mija (Seo-Hyun Ahn), que convive desde a infância com um dos animais espalhados pelo mundo, a Okja, o super porco fêmea criado pelo seu avô. Ela cria um vínculo com o animal e quando está prestes a perdê-la devido à proximidade do concurso, Mija decide lutar para ficar ao lado dela, e acaba entrando em contato com a cruel realidade do sistema industrial de carne. Entre pessoas que alimentam esse sistema e pessoas que tentam trazer lucidez para esse trágico cenário, o filme nos emociona e nos incomoda – nos intima a pensar sobre.

A relação afetiva que Mija tem com o animal é uma maneira genial de nos sensibilizar, nos lembrando de que a carne vendida por aí é um bicho – e que os bichos podem se relacionar com nós humanos de maneiras intensas. Essa conexão afetiva constrói ao longo no filme um repúdio em nós ao modo como a indústria vê, considera e classifica os animais. Aquela estranha vergonha de fazer parte da sujeira que acontece no confinamento nasce na gente durante o filme – um sentimento importante de ser elucidado, que pode ganhar destinos importantes. E isso faz do filme um serviço ao planeta – porque sair do mecânico e pensar é sempre o mais difícil, mas quando as pessoas singelamente são convidadas a fazer isso, transformações importantes podem acontecer.

E um aspecto ainda mais genial do filme é o tom infantil que ele confere principalmente aos personagens que representam os empresários da indústria da carne – é possível ler nisso um recado nas entrelinhas – afinal, o modo como as indústrias tem se relacionado com o planeta, com foco sempre na produção capital, pode, de certa ótica, ser visto como infantil (busca de desejos cegos sem medir consequências), imatura e extremamente irresponsável, pois na real, isso tem levado à uma gradual doença dos ecossistemas que todos somos parte – é uma negligência que cava a própria cova, pois nós também somos o planeta. E é engraçado ver no filme os empresários com características de imaturidade, infantilidade, pessoas mimadas ou com dificuldades emocionais que dificultam sua consciência saudável das coisas – mesmo o filme sendo uma ficção, não é muito difícil conectar esse cenário ao nosso, em outros termos.

Precisamos assistir Okja de coração aberto, sem medo de encarar suas próprias responsabilidades – se não a gente fecha o olho e não vê direito o que o filme quer dizer. É importante saber aquilo que você escreve quando escolhe o que consumir. As coisas podem ser diferentes e suas escolhas são importantes. Existem muitos jeitos de comer um animal, existem muitos jeitos também de comer, há alternativas e muita gente séria enxergando coisas sérias. Okja é um presente, bem feito e talentoso, para nos alertar.

O filme é uma produção da Netflix e está até a data desse post disponível no seu catálogo.

Cinema e gastronomia – Filme: Le Chef (Comme un chef).

Trinta-e-Poucos-filmes-para-os-amantes-de-gastronomia-le-chef

A gastronomia tem se tornado cada vez mais objeto de desejo e consumo. O glamour, chefs estrelados, restaurantes badalados e todo viés econômico em volta disso tem construído uma ideia de exuberância em volta da gastronomia. Entretanto, há algumas coisas que precisam ser lembradas sobre o que significa cozinhar – para além de todo esse glamour, existe algo muito importante nesse ato que nos acompanha desde a origem das civilizações. Cozinhar é uma entrega que fazemos ao outro, é uma construção que nos conecta as pessoas, contorna inúmeras relações e mostra o valor do coletivo. O filme francês Le Chef é divertido, traz toda a riqueza da cozinha francesa e também traz recados muito importantes.

Ele conta 2 histórias: a de um cozinheiro amador buscando um lugar profissional e a de um chef francês estrelado. Contornando a história desses dois o filme mostra o quanto o espetáculo e glamour pode distanciar cozinheiros de coisas valiosas que a cozinha oferece. Quando um chef estrelado se lembra de ser cozinheiro e se conecta com a verdadeira essência da cozinha, algo especial acontece. O filme nos lembra do ato de amor, doação e generosidade que envolve a cozinha quando cozinhamos para o outro e com o outro, e não apenas para nosso prazer pessoal e vaidade – tanto na cozinha caseira, quando cozinhamos para quem amamos lhes oferecemos algo construído pelas nossas mãos, quanto na cozinha profissional, quando cozinhamos ao lado de uma equipe, fazendo no coletivo um trabalho que afeta a vida de todos ali, do local onde o restaurante está, dos fornecedores de ingredientes e das pessoas que irão comer. Há uma conexão gigante na cozinha entre muitas pessoas. Estão todos juntos.

A cozinha é um ato coletivo e generoso se assim a enxergamos e nela atuarmos. Talvez o mais tocante do filme seja como ele mostra um chef estrelado saindo de sua individualidade e compreendendo que a essência real da cozinha não é apenas cozinhar para nosso prazer e vaidade, mas sim lembrar de todo esse coletivo que ela é e o tanto de gente que ela afeta, se reconectando assim com a via mais genuína desse trabalho.

Contando as aventuras do cozinheiro amador Jacky Bonnot para conseguir um lugar profissional, onde pudesse dar vazão a sua via criativa, o filme traz todo esse tema importante, de forma divertida e deliciosa – nos fazendo navegar no mundo gastronômico fascinante que a França tem. Quando a história de Jacky topa com a história do estrelado chef Alexandre Lagarde, ambos começam uma relação que transforma suas vidas para sempre, os fazendo repensar suas práticas e o sentido que a cozinha tem para ambos. Super indicado! O filme até a data de hoje (02/07/2017) está disponível na Netflix! Vale muito apena. Aproveite e bon appétit!

Le Chef  – Como um chef! 

Título original: Comme un chef (California filmes, 2011). 

Cinema e Gastronomia – Filme “Toast: A História de uma criança com fome”.

merengue-de-limc3a3o

“É impossível não amar alguém que fez torradas para você”. Cozinhar é uma forma de entregar amor – nunca isso foi tão evidente em um filme. A comovente história de um cozinheiro contada a partir da perspectiva de sua infância, mostrando como cozinhar está conectado com suas possibilidades de oferecer amor e sentir-se amado. O filme traz encantos para os amantes da gastronomia, com a sensível e poética percepção de Nigel (personagem principal) das receitas, desvendando ingredientes e construindo talentosas produções culinárias. Mas o ápice do filme é sua emocionante história, sua busca de um lugar de amor no mundo, onde em meio a tantas tragédias ele transforma o ato de cozinhar em um sentido existencial lindo.

Toast3

O filme gira em torno da história de Nigel, um garoto britânico que sempre quis explorar a culinária, porém não encontrava muito essa possibilidade pelos hábitos alimentares de sua família – sua mãe não tinha talento algum para cozinhar, e basicamente viviam a base de produtos industrializados. Após a morte da mãe, Nigel começa a aventurar-se mais a fundo no mundo da culinária, ao mesmo tempo que seu pai contrata uma nova faxineira, que viria a se tornar sua madrasta, e que de alguma forma iria modificar sua vida – ela é uma cozinheira extremamente talentosa e inicia uma disputa com Nigel pela atenção do pai, ambos tentando conquistá-lo cozinhando coisas boas – a busca do amor através da cozinha. Uma história comovente onde Nigel constrói através da culinária uma identidade pessoal e profissional, escrevendo sua própria história em meio a receitas, ingredientes e afetos. Tudo que a gente ama tem nesse filme.

O filme está disponível na Netflix! Corre lá e assista!

MV5BMTQxMDQyMDQ0N15BMl5BanBnXkFtZTcwMzE4Njg3Ng@@._V1__SX640_SY720_

Confira trailer clicando aqui!

Cinema e Gastronomia – Documentário “Chef’s Table” (Netflix)

17481620554_1570f42f25_o

Assistir a relação intensa de amor entre o homem e a gastronomia é algo emocionante. É mais que encantador ver uma história de sentido existencial traçada através das possibilidades criativas da arte gastronômica. Esse documentário americano produzido pela Netflix traz a história da vida e obra de 6 dos mais renomados chefs da atualidade. O modo como a série mostra a trajetória e características do trabalho dos chefs é comovente, nos envolve e nos convida a experimentar o sabor da alma das pessoas que vivem de gastronomia. Imperdível!

A série, criada por David Gelb, conta a história de 6 renomados chefs, de sua trajetória profissional e da identidade de seu trabalho, ilustrando de um modo lindo como a comida que alguém produz é uma foto da alma do cozinheiro. A série está dividida em 6 episódios, cada um dedicado a um dos chefs, confira quem são eles:

Episódio 1) Massimo Bottura, chef do Osteria Francescana (Modena, Itália). A incrível identidade e desafio de um chef que casa a tradicional e intocável culinária italiana com técnicas modernas, levando o Osteria Francescana ao posto de um dos mais famosos restaurantes do mundo.

Massimo Bottura

Massimo Bottura

Episódio 2) Dan Barber, chef do Blue Hill Restaurant (Stone Barns e New York City, EUA). Chef renomado, agricultor revolucionário que trava uma batalha para inaugurar novos modos de lidar com a comida.

wastED-kitchen_Dan-Barbe-Daniel-Krieger-Photographer

Dan Barber

Episódio 3) Francis Mallmann, chef do El Restaurante Patagonia Sur (Buenos Aires, Argentina). Contato com o universo através do ato de cozinhar – das ilhas remotas da Patagônia aos melhores restaurantes franceses, um chef aventureiro que traça na gastronomia sua identidade e estilo de vida.

Francis Mallmann

Francis Mallmann

Episódio 4) Niki Nakayama, chef do N/Naka Restaurant (Los Angeles, CA, EUA). A história da sensível e guerreira chef, repleta de desafios e encontros com a criatividade marcante que a culinária pode oferecer, uma possibilidade linda da culinária tradicional japonesa.

Niki Nakayama

Niki Nakayama

Episódio 5) Ben Shewry, chef do Attica Restaurant (Melbourne, Austrália). Um chef conectado com a natureza e a invenção de novos sabores, ousadia e inovação construindo identidade culinária.

Ben Shewry

Ben Shewry

Episódio 6) Magnus Nilsson, chef do Fäviken (Järpen, Suécia). O mais sensacional do trabalho desse chef é sua localização geográfica, e sua dificuldade com a escassez de recursos naturais, e como mesmo com tudo isso ele consegue fazer um trabalho com muita identidade, extremamente único e encantador.

Magnus Nilsson

Magnus Nilsson

Vale super a pena assistir a série! Um encontro legítimo com aquilo de afetivo, criativo e sensacional que a gastronomia pode escrever na história de alguém! De arrepiar! Confira o trailer: