Onde comer em Buenos Aires – 5 sugestões para sentir afetivamente o verdadeiro gosto porteño!

Buenos Aires me deu muito mais do que eu esperava. A riqueza de detalhes e o charme sedutor dessa cidade marcou uma experiência sem prazo de validade no meu coração. E a gastronomia dança nesse mesmo tom – lugares lindos apresentando uma comida com força suficiente para deixar a memória do gosto na gente. A experiência gastronômica em uma viagem é afetiva se rodeada de muitos detalhes – passeios, paisagens, hábitos culturais, temos que comer em volta disso tudo. Compartilho aqui uma experiência afetiva em Buenos Aires através da comida, rodeada de outros elementos e sugestões. Espero que sinta uma parcela da emoção que tento conduzir. Do charme europeu dos cafés elegantes cheio de tango, passando pela carne intensa, também pelo rei alfajor e até mesmo por um “fast-food” moderno e interessante, até chegar nas marcas da cozinha latina expressa nas lindas empanadas. Vem comigo! Buenos Aires tem um gosto muito bom.

  • Empanadas no tradicional El Sanjuanino

Empanadas realmente boas, atendimento rápido e direto (estilo argentino) mas você pode ter a sorte de pegar um dos garçons animados que te servem correndo mas com humor. Os recheios são os mais tradicionais, cardápio bem completo. Peça uma empanada frita, vale a pena! O ambiente é aconchegante, sem luxo e muito agradável, bastante móveis e detalhes em madeira, dando uma sensação rústica e despretensiosa. Peça junto uma boa cerveja argentina ou um gostoso vinho malbec. Preço justo! E já adianto que o lugar é cheio, recebeu muitos prêmios e está em muitos guias, mas vale a pena esperar um pouco para conseguir uma mesa. Eles tem 3 unidades, eu fui que fica no bairro Recoleta. Se for nesse aproveite para dar uma volta no bairro elegante da cidade, olhando a arquitetura singular do lugar. O cemitério da Recoleta (onde está sepultada Evita Perón) e os museus mais famosos (como o Museo Nacional de Bellas Artes) são bem perto – se tratando de arte, vale a pena ir lá depois de ir em um dos museus e entender que a empanada é uma arte muito expressiva da cozinha latina e argentina.

Site: www.elsanjuanino.com.ar/

  • Las Cañas: Uma carne à preço justo com um tostado de lembrar pra sempre.

Um lugar maior do que parece (mais de 3 pisos) sempre cheio mas sempre com um lugar sobrando. Massas e carnes são a marca do local. Comi lá o famoso bife de chorizo e um assado de tira que tinha uma crosta tão linda que me conectou fortemente a cozinha de fogo alto, e marcou em mim o gosto da carne e fogo porteño. Muito valeu a pena! Adorei sentar no espaço externo que eles tem, árvores, luzinhas, uma espécie de pracinha com um tom muito latino e fofo. A casa fica na rua Montevideo, quando for lá aproveite para dar ir adiante nessa rua, sentido à esquerda do restaurante, para ir passando pelas avenidas mais famosas da cidade e ver o movimento noturno. Buenos Aires é iluminada e tem uma noite muito agradável.

Onde fica: Rua Montevideo, 350.

  • Alfajor Cachafaz ou Alfajor Terrabusi – 2 dos melhores para sentir o gosto do doce rei da cidade.

Não há como ir a Buenos Aires e não comer um Alfajor. Existem muitos realmente bons, os que mais gostei foram esses dois: o da Cachafaz é mais caro, fácil de encontrar em mercados e quiosques de shoppings, muito acentuado e gostoso, com texturas delicadas e macias, adorei! O Terrabusi é mais em conta mas igualmente bom, talvez até um pouco melhor que o outro – achei ele mais equilibrado no doce. Tirar um alfajor da bolsa/mochila e comer durante um passeio em um dos parques lindos chega a dar um entusiasmo na gente, fiz isso umas 4 vezes.

Onde achar: Quase em todos os mercados e quiosques de shoppings.

  • O traço europeu de Buenos Aires e toda elegância do tradicional Café Tortoni

Buenos Aires tem uma forte marca francesa – na arquitetura, em alguns hábitos e no estilo dos restaurantes. É a capital latina mais européia que existe. Tem todo um contexto histórico que explica o esforço dos argentinos para “apagar” a marca da colonização espanhola, e você vê Paris em muitas coisas lá. O Café Tortoni é muito elegante e parisiense – a decoração, a luz, os detalhes. Um lugar muito charmoso para um sensacional café da tarde. Peça os churros da casa e o chocolate quente, divino é pouco! O preço é bem mais barato do que parece, fique tranquilo. Também um bom lugar para comer a famosa medialuna (o croissant argentino). Enquanto come no Café Tortoni pense sobre a América e como é interessante ver um lugar no mundo que traz em si a identidade de outros lugares do mundo que mesmo separados por um oceano tem conexões fortes entre si. A avenida em que o café fica é uma das mais famosas e históricas da cidade, o final dela dá na Casa Rosada, uma delicia de caminhar! E a noite a casa te apresentações de tango, num palco elegante e muito tradicional.

Site: www.cafetortoni.com.ar/br/

  • Um Fast-food charmosinho e moderno no Puerto Madero: Dandy Deli

Puerto Madero tem restaurantes extremamente caros e charmosos. Fui lá no dia em que estava afim de comer um hamburguer bom. Não comi em nenhum restaurante mega caro lá, o que me chamou atenção foi um charmoso fast-food, o Dandy Deli – obviamente sou muito desconfiado com fast-food, mas esse soou diferente, e depois de provar vi que era mesmo. É uma casa completa com várias opções de pratos bem frescos e com doces lindos! A casa faz parte de uma rede grande que tem diversas categorias de restaurantes. Nesse comi um hamburguer de salmão de chorar de bom! Tomei também lá um sorvete de doce de leite memorável. Uma ótima opção para fugir dos preços caríssimos de Puerto Madero. Adorei comer nas mesinhas externas e olhar a paisagem aberta do porto, sentindo o vento que naquele dia estava forte, e bom.

Site: somosdandy.com.ar/

Enfim, Buenos Aires é um mundo de possibilidades, obviamente tem muito mais que essas. Ouse e descubra um lugar novo também, seguindo sua intuição. Isso também é bom. Boa viagem!

 

Anúncios

Gratidão de todas as sextas. Cozinhando as 94 receitas do livro “Todas as sextas”, de Paola Carosella. Receita 9/94: Massa para empanadas. Receita 10/94: Empanadas salteñas. Receita 11/94: Empanadas de humita.

Sexta-feira, dia do projeto “Gratidão de todas as sextas” – Cozinhar todas as 94 receitas do livro “Todas as sextas”, de @paolacarosella (Esse projeto tem um porque, clique aqui e leia o post que publiquei dia 11/11/16, explico lá tudo com todo meu coração). Receita 9/94: Massa para empanadas. Receita 10/94: Empanadas salteñas. Receita 11/94: Empanadas de humita. Essas três receitas foram muito especiais de fazer. As outras também foram, mas essas tiveram algo especial – um pouco porque a primeira vez que “comi” a arte de Paola foram essas empanadas. Um pouco pelo que ela fala no livro sobre a história dela com as empanadas, mais daquilo emocionante que cria lampejos e ativa umas coisas importantes na gente. Um pouco porque empanadas, seus recheios, formas, detalhes, contam histórias lindas da América Latina. Um pouco porque não tem como uma receita que vai milho-verde fresco e manjericão não ser perdidamente apaixonante (as empanadas humita estão por isso pra sempre no meu coração). Eu fiquei em casa a semana toda, tive tempo. Foi mais de um dia para fazer essas 3 receitas. Foi poético, sensível e empolgante ficar mais de um dia fazendo elas, pensando em todos os elementos que as envolvem. Que bom foi ter tempo, respeitar o tempo das coisas e pensar em como tenho me relacionado com ele, o tempo. Eu me senti em paz e calmo fazendo empanadas. Minha massa não ficou perfeita, mas ficou gostosa. Um dia acerto mais no que faltou acertar. Mas ficou bom. Eu fiquei feliz. Obrigado novamente Paola, pela receita, pelo gosto das empanadas e pela chance de pensar no tempo – que é o tecido de nossas vidas. Hoje eu só queria agradecer.

La Guapa – Empanadas Artesanais & Café – Lugar para sentir-se abraçado em São Paulo.

IMG-20160409-WA0021

Simplicidade, empanadas honestamente boas e traços culturais da américa latina.  Uma visita ao La Guapa na Alameda Lorena, em São Paulo (comandado pela intensa e delicada chef Paola Carosella) é para um café agradável ou almoço diferente. As cozinheiras (que trabalham na visão do público) e as atendentes nos recebem de uma forma próxima, nos chamam pelo nome – acho isso um diferencial que causa um conforto bom. As empanadas saborosas, úmidas, recheadas de verdade, contando a história da América Latina. O sorvete  de doce de leite artesanal de verdade – o mais emocionante que comi na vida.  O ambiente aconchegante que lembra o quintal de casa.

IMG-20160409-WA0024

Minhas preferidas foram a Salteña e a Cremosa de Espinafres – de chorar de alegria! As empanadas custam R$7,50, há combinados interessantes que valem a pena – como um combo com 1 empanada, 1 sorvete ou 1 alfajor e 1 café, que sai por R$15,00.

IMG-20160419-WA0020

Existem 2 unidades do La Guapa em São Paulo, confira detalhes no site:

Clique aqui e acesse o site do La Guapa

Quer aprender a fazer Empanadas e se aventurar no sabor da América Latina? Clique aqui e veja receita! 

IMG-20160409-WA0028

Com fazer Empanadas! – O sabor autêntico de toda América espanhola!

IMG-20160403-WA0039

Empanadas, In-panis, in-panata –  “encerrar um alimento em massa ou pão para depois ser assado”. Arte espanhola que atravessou o oceano junto com os conquistadores, e hoje é marco cultural de toda América espanhola – cada país da América Latina desenvolveu sua empanada característica, por isso há uma diversidade imensa nos modos de rechear, montar, etc. Assim como tantos outros pratos, comer uma empanada é comer história, herança, resquícios das aventuras humanas no mundo, das miscigenações e encontros. Aprenda a fazer a melhor massa que conheço de empanadas (inspirada na receita da chef argentina Paola Carosella). Arriba los latinos!

Ingredientes (Para cerca de 35 empanadas):

  • 500g de farinha de trigo
  • 150g de banha de porco.
  •  1 xícara de chá de água morna não muito cheia.
  • 1 pitada de sal
  • Para pincelar: 1 gema, 2 colheres de sopa de leite e açúcar para polvilhar

Modo de preparo:

Coloque a farinha e o sal em um recipiente, acrescente a banha e misture. Vá acrescentando a água aos poucos o suficiente para obter uma massa lisa e macia (se for o caso pode usar mais que uma xícara de água para chegar no ponto), misture até dar o ponto e então enrole a massa em um papel filme e deixe na geladeira por 1 hora (ou por 1 dia) – essa etapa é bem importante para obter uma massa crocante.

IMG-20151030-WA0030

Depois dessa etapa sua massa está pronta! Ao tirar da geladeira você já pode trabalhá-la! Polvilhe um pouco de farinha de trigo na superfície que for abrir a massa, abra a massa até ficar bem fina e use um cortador ou improvise um. Importante: A massa precisa ser bem fina (não é massa de esfirra!), para que fique bem crocante!

IMG-20151030-WA0031

Recheie com o recheio de sua preferência e inicie a parte mais divertida: Fazer o “repulgue” – o fechamento das empanadas! Molhe o dedo na água e passe nas bordas do disco, e então dobre-o – e aí é só fazer o fechamento final. Há diversos modos de fechar a empanada, achei um vídeo (segue abaixo) que ilustra certinho o processo! Dá uma olhada nele e você entenderá fácil! (Ignore o áudio esquisito! #risos).

Repulgue sucesso! Eeee!

Repulgue sucesso! Eeee!

Após montar as empanadas pincele com a mistura feita com gema e leite, depois polvilhe um pouco de açúcar por cima, e por último fure delicadamente a superfície da empanada com um garfo (para escapar o vapor necessário). Leve ao forno pré-aquecido à 225 graus (A temperatura do forno precisa ser bem alta mesmo, para proporcionar um dourado mais característico) e asse até ficarem bem douradas por cima! – eu gosto bem douradas, o dourado transforma completamente o sabor delas, intensifica, eu amo! Para atingir o dourado que gosto leva cerca de 15 minutos, porém vá verificando e deixe as suas na cor que preferir. E prontinho! Sinta o sabor autêntico da América espanhola!

IMG-20160403-WA0030

Mais dourada – como gosto!

IMG-20151030-WA0033

Menos douradas.