Como fazer Tikka Masala e viver a intensidade da cozinha indiana. 

O tikka masala é um frango feito em um molho perfumadíssimo, molho esse que hoje na Índia eles chamam de “curry” – lá o curry consiste em misturar especiarias até que virem um pó ou uma pasta para preparar um caldo intenso – o curry para eles é o caldo já pronto. Os ingleses quando chegaram na Índia se encantaram com a mistura de especiarias que os indianos faziam e chamaram essa mistura de “curry”, e isso deu origem ao temperinho de tom amarelo hoje muito popular, que é uma mistura de temperos. Então para nós o curry é aquele tempero amarelinho, para os indianos é o caldo picante e perfumado já pronto que envolve diversos pratos. Curry vem de “kari”, termo da língua tâmil para caldo temperado. Na Índia há muitos tipos de masala (termo que significa mistura de especiarias), cada região e cada família tem seu modo de fazer. A “garam masala” (que significa mistura de especiarias picante) é a base do tikka masala. A minha faço misturando o popular curry com outras coisas. Vem arder na emoção da cozinha indiana comigo, te ensino um tikka masala memorável de pedir socorro de tanto amor e intensidade.

Ingredientes (Serve de 6 à 8 pessoas):

Primeiro, faça seu “garam masala” – a mistura de especiarias que você usará para temperar o frango. Para 1kg de peito de frango, use as quantidades:

  • 1 colher e meia de sopa de curry
  • 1 colher de chá de páprica defumada
  • 1 colher de chá de açúcar mascavo
  • 1 colher de chá de coloral vermelho em pó
  • Meia colher de chá de cominho em pó
  • Meia colher de chá de cravo-da-índia em pó
  • Meia colher de chá de canela em pó
  • Para muita emoção: Meia colher de chá de pimenta caiena. Para média emoção: 1/4 de colher de chá de pimenta caiena. Para leve emoção: Uma pitada de pimenta caiena.

Misture todos os temperos e reserve.

Restante dos ingredientes:

  • 1kg de peito de frango cortado em cubos
  • 340 g de iogurte natural
  • 1 xícara de chá de leite de coco
  • 1 xícara de molho de tomate
  • 2 colheres de sopa de óleo de gergilim
  • 4 colheres de sopa de azeite
  • 1 cebola picada em cubos
  • 3 dentes de alho triturados
  • 1 colher de chá de gengibre ralado
  • Caldo de meio limão
  • Sal à gosto
  • Coentro fresco picado

Modo de preparo:

Em uma tigela, coloque o frango e acrescente a gargam masala – a mistura de temperos que você fez. Acrescente metade do iogurte, o gengibre, o limão, metade do óleo de gergelim e cerca de meia colher de sopa de sal. Misture tudo e deixe marinar por 6 horas ou pelo menos 2.

Leve ao fogo médio uma panela grande para receber todo o frango acrescente a cebola e uma pitada de sal. Refogue ela até ficar transparente e então acrescente o alho, espere ele fritar. Então acrescente o frango que estava marinando. Cozinhe mexendo de vez em quando até o frango ficar totalmente cozido. Então acrescente todos os outros ingredientes (exceto o coentro) e deixe ferver até ficar um caldo com consistência de seu agrado. Se achar necessário coloque água para um caldo mais ralo – se colocar água sempre deixe ela ferver para incorporar totalmente o sabor. Quando desligar o fogo, finalize com coentro. Prontinho. Pra mim, o melhor jeito de comer tikka masala é com um arroz branco fresquinho.

Anúncios

O que você faz acontecer quando você compra de pequenos produtores? Uma memória afetiva da minha infância. 

Durante minha infância, minha mãe sempre fez doces para vender. Esse era um trabalho que nos ajudava muito. Em uma páscoa, quando eu tinha 12 anos, fizemos ovos. Era minha mãe, uma tia e eu, imersos no chocolate, horas e horas fazendo ovos, trufas, bombons e pirulitos. Tivemos mais encomendas do que imaginávamos e ficamos tão felizes – elas trabalhavam muito e muito alegres, pra mim era mágico estar ali, todo aquele trabalho era feito com uma energia profunda, cada pedido importava muito pra gente. Quando entregávamos cada encomenda era com um orgulho gigante, era nossa obra, feita pelas nossas mãos. Naquela páscoa o dinheiro das vendas foi muito importante pra nós. Por conta da ajuda que dei, minha mãe e minha tia me deram um valor – eu fiquei tão feliz, lembro que fui em uma livraria e comprei 3 livros que me fizeram companhia por alguns meses, foi bem especial. Estou falando tudo isso para você entender o que é comprar de pequenos produtores – seu dinheiro promove esse tipo de coisa e incentiva algo muito valioso. Fora que comer o que é feito por pessoas e não por máquinas é sempre outra coisa. Nessa foto eu estou em casa, fazendo “à mão” meus chocolates para presentear quem amo. Vou compartilhar algumas receitas com vocês, mas caso não possam fazer seus próprios ovos, pensem bem onde vocês irão comprá-los. Vou também compartilhar no Instagram essa semana o trabalho de alguns produtores pequenos que conheci, trabalhos  de gente que faz com afeto e verdade o que faz. Enfim. O consumo nessas épocas e o dinheiro que a gente gasta pode alimentar coisas bem boas. Pense bem antes de comprar, pense. Logo logo dicas para uma páscoa artesanal, humana e afetiva.

Muza Restaurante (São Paulo). A tradição italiana com um charme moderno de amar forte. 

Descobri ontem na zona sul de São Paulo um restaurante italiano muito bacana que se destaca da maioria da categoria – ao mesmo tempo que apresenta receitas e conceitos tradicionais da intocável e sagrada gastronomia italiana, aquela da “nona”, também tem uma pegada moderna que você sente desde a decoração até a apresentação e composição dos pratos – adoro quando o tradicional e moderno se encontram e se respeitam bem. O tiramisù (R$ 29,00) é sensacional, onde você sente o café e o cacau em harmonia linda. A burrata para entrada (R$39,00) tem a cremosidade generosa que a gente espera e o linguine al mare, com camarões, tomates, limão siciliano e azeite com ervas (R$72,00) tem um frescor que constrói um sabor memorável . Eles também tem um bar de saladas que é uma ideia bem legal! Você escolhe um grelhado, um acompanhamento e vai ao bar de saladas escolher tudo que quer na sua. Super vale a pena conhecer! Mais um endereço incrível em Sampa para uma refeição de nunca esquecer!


Cozinhei as 94 receitas do livro “Todas as sextas”, de Paola Carosella. Finalização do projeto “Gratidão de todas as sextas”.

wp-image-782519501jpg.jpg

Finalizei o projeto “Gratidão de todas as sextas”. Cozinhei as 94 receitas do livro “Todas as sextas”, de Paola Carosella. Me comprometi, no dia 11/11/2016 (clique aqui e veja como tudo começou) a cozinhar todas as receitas e ir postando (no meu blog e Instagram) toda sexta-feira o resultado daquilo que foi feito na semana, e assim foi.  Estou aqui pensando em como, em um texto de finalização, significar e registrar tudo que esse projeto foi, daí me ocorre que faz sentido começar esse texto falando do fim do projeto, da receita 94/94: O Pão Arturito – Eu levei 15 dias e 17 horas para fazer essa receita (o pão, em muitos sentidos, é o senhor do tempo), e quando acabei consegui firmemente compreender a maior lição do livro: O valor do tempo. É isso. É sobre isso que o livro é: Tempo, vida e cozinha – porque foi uma COZINHEIRA (em caps, para ser verossímel) que escreveu sobre tempo e vida, e ela fez isso através da cozinha.

O livro “Todas as sextas” é o primeiro livro de Paola Carosella. Ele é composto de um relato autobiográfico profundo e de 94 receitas – cada uma delas trazendo uma reflexão e uma conexão com a história da cozinheira. Não é um livro culinário qualquer.  As receitas nos fazem questionar nossas escolhas e hábitos, nos incomodam e nos movimentam. Para prepará-las tudo começava com a busca pelos ingredientes,  e essa era uma etapa muito séria, porque Paola no livro é convicta ao falar da importância dos ingredientes – tinham que ser ovos de galinha de vida digna, carnes de animais que também tiveram vidas dignas, frutas e legumes plantados e cuidados por pessoas que fazem do jeito honesto o que fazem, farinhas vendidas por pessoas que tenham “olhos de pessoas do bem”, confiáveis – e eu não estava afim de contrariar as indicações, eu queria fazer direito para aprender de verdade o que estava ali sendo dito, então foram muitas caminhadas por São Paulo para encontrar os ingredientes certos. Após ter encontrado tudo para cada receita, na hora de cozinhar eu tinha que escolher uma panela que eu tivesse carinho (afeto importa), tinha que tratar os ingredientes respeitando seu tempo de descanso (alguns precisavam de 1 hora, outros de 24 horas, outros de 15 dias). Eu também tinha que entender o valor do fogo baixo e do tempo lento de cozimento, nada de pressa e pressão. Para servir o prato, tinha que ser também numa louça bonita – eu tinha que ser atencioso e gentil com a refeição, a cada instante – e comer tudo isso no final era quase sempre uma oração, uma recompensa e reflexão profunda do que implicava todo o processo – e do que ia sendo transformado em mim enquanto eu transformava ingredientes desse jeito.

Cozinhar desse jeito muda a gente, não tem como sair igualzinho. Para fazer tudo isso antes de qualquer coisa eu tive que “parar” – frear a velocidade desse mundo rápido e agressivo que vivemos para experimentar, através das receitas, uma outra experiência de tempo – um tempo lento, que corre diferente, que precisa respeitar o tempo dos processos naturais, um tempo que me fez pensar em como eu estava usando e experimentando o próprio tempo da minha existência. A verdade é que eu entendi mais do que nunca o quanto perdemos por causa da nossa pressa, da nossa incompreensão das coisas e do tempo que elas precisam levar para ficarem prontas. Cozinhando assim, eu tive então “tempo” de pensar na minha relação com a natureza quando escolhia ingredientes e quando os tratava de determinado modo, tive tempo de compreender o que de bonito acontece quando esperamos, tive tempo de me acalmar depois de dias complicados enquanto estava ali, cortando uma cebola, por exemplo.  Tive tempo de pensar no quanto minhas escolhas impactam o mundo que eu habito. Tive tempo de pensar nos meus afetos e elaborá-los, enquanto construía uma refeição com minhas mãos. Tive tempo, inclusive, de me lembrar do quanto a cozinha é simbólica na minha vida e é, há tantos anos, o meu divã – lugar onde eu sempre pude me encontrar em paz comigo mesmo.

O livro fala muitas vezes da importância de fazer artesanalmente – com as nossas mãos – aquilo que vamos comer. Eu acredito de verdade que existe uma via terapêutica em fazer artesanalmente algo que normalmente compramos pronto no mercado. É uma via que te permite autonomia e apropriação de um processo que normalmente você deixa que façam por você. Isso também é transformador, existe uma auto-realização grande em terminar uma refeição e falar no final: Eu que fiz, cada detalhe, do inicio ao fim, eu construí e transformei isso, estou implicado na coisa. A gente registra no nosso psiquismo coisas muito importantes quando nos vemos implicados nas coisas.

Fazer as receitas do modo como Paola conta também me permitiu pensar em tantos aspectos sociais, no modo como temos tratado o mundo e como temos nos relacionado com as pessoas. Quando escolho comprar de um pequeno produtor o que meu dinheiro incentiva? Quando escolho alimentos orgânicos o que ajudo a manter com meu ato? Há muito a se pensar, comer é um ato político e nossas escolhas conduzem o lugar social das coisas. Temos mais poder do que pensamos. O livro “Todas as sextas” também é um alerta, sutil e gentil, mas um alerta.

Quando comecei o projeto, estava envolvido por um sentimento muito forte de gratidão. Ao ler o inicio do livro, que é composto de um relato autobiográfico de Paola, muitas coisas na minha história foram tocadas. O mais legal de admirar pessoas é em algum momento notar o que essas pessoas que admiramos podem nos revelar de nós a nós mesmos – se conduzirmos de uma forma boa, admirar alguém é algo que revela algo muito importante sobre nós,  algo que muitas vezes não reconhecemos como nosso, mas que é. O outro ajuda a gente a notar. No meio desse insight e gratidão por Paola ter feito uma obra tão generosa e honesta, eu quis cozinhar o livro inteiro. Era para agradecer, para aprender, para ter um propósito novo. Hoje sei que era mesmo preciso cozinhar o livro todo, porque era preciso que eu me encontrasse com tudo isso. Me sinto mais convicto em relação ao modo como escrevo, com cozinho e até como faço meu trabalho como psicólogo – pude pensar em tudo que a cozinha, de um jeito metafórico e profundo, me faz pensar – porque quando a gente entende melhor o valor do tempo, tudo muda.

O projeto “Gratidão de todas as sextas” nasceu de um encontro – do meu com o livro. Mas ele gerou muitos outros encontros. Através do meu Instagram, milhares de pessoas acompanharam as postagens e compartilharam comigo o que sentiam com elas. A troca de narrativas que o projeto gerou e o alcance que ele teve me surpreendeu e me emocionou muito. Então tudo começou a ser algo maior e com mais sentido, onde quem ia acompanhando ia se transformando junto comigo, repensando sua relação com a comida e com o tempo. O projeto foi feito de encontros que deixaram muitas marcas. Pensar nisso me emociona muito, vai pra sempre emocionar.

Existe sim uma semelhança nesse projeto com o que Julie Powell fez com o livro de receitas de Julia Child – Vemos essa história no livro e filme Julie & Julia, que conta como Julie decidiu cozinhar as 524 receitas do livro de Julia em 365 dias. Essa história também me inspira, porque assim como Julie eu também fui salvo de uma vida um pouco triste e sem cor quando decidi que precisava cozinhar e escrever (quando o blog nasceu, aliás). Mas aqui, Paola foi minha Julia e “Todas as sextas” foi meu “Mastering the Art of French Cooking”.

Enfim, é isso. Acabou as 94. Algumas acertei muito que pulei de emoção, outras errei bastante. Todas me ensinaram muito. Eu tenho tanta coisa ainda pra dizer desse projeto, mas acho que isso não se encerra nunca, não cabe num texto, cabe dentro de mim e da bagagem que levo agora. Eu tive sucesso no projeto – mas um conceito diferente de sucesso. No mundo onde tempo é dinheiro, sucesso tem a ver com velocidade, rapidez, lucro em menos tempo e etc – e esse tipo de “sucesso” pode ser um slogan aniquilador e vazio. O sucesso que eu tive no projeto veio da calma e do tempo que corre diferente, veio das caminhadas longas por São Paulo buscando ingredientes, veio das tardes calmas esperando a panela cozinhar durante horas, do tempo que eu tinha enquanto esperava perto da panela e podia pensar nas coisas da vida, veio da emoção de compartilhar, veio da alegria de sentar e comer na mesa todas as receitas com alguém que eu amava. O sucesso veio de parar, respirar fundo, fazer, depois apreciar, e guardar pra sempre. O nome dessa história é gratidão. Como em todos os dias em que cozinhei cada uma das receitas, hoje eu só queria agradecer.

IMG_20171126_160859_205.jpg

Olhando na categoria do blog chamada “Gratidão de todas as sextas” você encontra todas as postagens, de cada uma das receitas. No meu Instagram também (@rodrigo.vilasboas) tem tudo lá. Também é possível encontrar os posts na hashtag #gratidaodetodasassextas .

 

Receita de Strogonoff de camarão! 

Acordei hoje muito marítimo querendo cozinhar coisas de mar. A luz do dia hoje às 9:14 (quando acordei) tava linda, olhei pra minha cozinha e já coloquei uma música nela e ali fiquei, com uma energia muito generosa e boa – que às vezes só acho na cozinha. Enfim, era um clima perfeito para um strogonoff de camarão, e eu tinha esses da DellMare , uma empresa com produtos muito bacanas, bem cuidados e práticos. Eles também tem embalagens super modernas, transparentes (você consegue ver o produto que vai comprar) e com zip (você usa e se sobrar fecha direitinho e guarda de novo). Além de camarões, eles tem kit para preparo de paella (em breve faço esse ❤), anéis de lula, Saint-Peter e outros. Esse strogonoff é super simples! Dá uma olhada:

Ingredientes:

  • 400g de camarão limpo, sem casca e sem cabeça.
  • Meia cebola média picada em cubos
  • 2 dentes de alho picados
  • 1 colher de sopa de manteiga
  • 4 colheres de sopa de azeite
  • 4 colheres de sopa de molho de tomate ou ketchup
  • 1 colher de sobremesa de mostarda
  • 1 colher de sopa de molho inglês
  • 200g de creme de leite
  • Sal à gosto
  • Pimenta-do-reino à gosto
  • 3 colheres de sopa de conhaque

Modo de preparo:

Aqueça uma panela, coloque a manteiga e o azeite. Quando derreter, coloque a cebola, um pouco de sal e pimenta e refogue por 2 minutos. Em seguida coloque o alho e refoque por no máximo 1 minuto. Então coloque o camarão e cozinhe ele até a água que ele solta começar a secar (não cozinhe demais, o camarão cozinha rápido e se cozinhar muito fica meio borrachudo). Coloque o conhaque e misture, até ele evaporar. Na sequência coloque o molho de tomate, a mostarda e o molho inglês, misture bem. Por fim, acrescente o creme de leite e misture. Acerte o sal e desligue o fogo (não deixe o creme de leite ferver). Prontinho! Simples e memorável. Com arroz fica ótimo, não consigo pensar em um jeito melhor de comer. Bon appétit!

Onde comer e se emocionar em Paris – Um roteiro gastronômico e afetivo.

Comer em Paris não é uma coisa qualquer. A França toda trata o ato de comer com muita importância, é incrível a variedade de produtos e restaurantes de altíssima qualidade que você encontra lá, muitos por preços bem baixos (comer bem é tão importante que qualquer um deve conseguir, não importa quanto de dinheiro se tenha – isso é lindo). Paris é uma joia antiga e forte da gastronomia mundial, comer lá nos sensibiliza e nos transforma. Quero compartilhar com vocês um roteiro gastronômico afetivo, onde todo detalhe em volta da refeição seja capaz de te fazer sentir o gosto de Paris. O roteiro contém 5 sugestões – 2 restaurantes para uma refeição plenamente francesa, 2 lugares para comer as estrelas da confeitaria (um é onde você encontra a melhor éclair da França, o outro é um lugar incrível que faz alguns dos doces seguindo receitas muito antigas) e um café carinhoso e simbólico (o café da Amèlie Poulain). Vem comigo, Paris é exatamente o lugar certo para nos lembrar que “até mesmo as alcachofras tem coração”, que comida é afeto e arte do inicio ao fim.

  • Le Valentin  – Os doces mais emocionantes de Paris. 

Quem nos indicou esse lugar foi uma francesa, ela contou que a casa segue receitas muito antigas, fazendo doces como eram feitos há muitos anos. Tudo é lindo e absolutamente bom (veja na foto acima o que comi). o lugar é uma graça, tem um salão de chá sensacional no primeiro andar. O chá é servido em um bule de ferro que te dá a sensação de tradição e tempo. O chá de jasmim é divino, eles dão para adoçar o chá um palito com caramelo cristalizado – o calor do chá vai derretendo o caramelo, é uma riqueza de detalhes que emociona, mesmo. Comer aqui foi delicado do inicio ao fim. Observando o modo como servem, o ambiente em volta e o que servem entendemos o quanto a cozinha francesa é carregada de tempo, marcas e histórias.

Endereço: 30 passage Joufroy – 75009 Paris Tél +33 (0) 1 47 70 88 50 (ela fica dentro de uma espécie de galeria).

  • L’Éclair de Génie – A melhor Éclair da França! 

Uma rede que faz total jus a sua fama. A Éclair deles (que no Brasil chamamos de bomba de chocolate) tem algo de divino e maravilhoso, não dá para explicar. Eles tem diversos sabores e dá vontade de comer todos, prove a de pistache e a de caramelo salgado, eu chorei forte. A rede tem diversas lojas em Paris, eu fui na que se chama “La Fabrique” (fica na 32 rue Notre Dame des Victoires 75002 Paris), adorei essa porque é onde fabricam as belezinhas, dá para ver algumas partes do processo, indico ir nessa. Eu gosto de pedir uma éclair para viagem e ir procurar um parque bonito, sentar e comer a éclair, pensando nela como um tesouro, olhando alguma das mil paisagens lindas de Paris – Comer ela assim cria uma memória sem prazo de validade no seu coração. Já comi éclair duas vezes no jardim que tem atrás da catedral de Notre-Dame. Foi mais que bom.

20180303_204511.jpg

Endereço: Tem vários, clique aqui e confira no site deles

  • Le Relais de L’Entrecôte – Uma refeição tradicional francesa farta e incrível!
20180303_202907.jpg

A conta por pessoa, com vinho, saí em média 35 euros.

O famoso e nobre corte de carne (entrecôte – filé de costela) servido com um molho sensacional e batatas fritas, só – mas é um só suficiente para te deixar maluco de tão bom. A casa serve seguindo a tradição: Restaurante de um prato só, você escolhe só o ponto da sua carne. A batata frita é a vontade, eles vão te oferecendo como em um rodizio, e a carne é reposta 1 vez (diferente do Brasil onde só as batatas são repostas), você sai super cheio de lá, mas sai muito feliz! E ah, tem uma salada de entrada já inclusa no valor do prato principal. Um lugar incrível para comer carne em Paris. As sobremesas são muito boas também! Lugar charmoso e popular, sempre cheio, é normal ter uma filinha na porta para entrar mas ela é bem rápida. Aproveite o charme francês desse ambiente e observe em volta, a maioria dos frequentadores são franceses, é interessante observar os hábitos. Divirta-se.

Endereço: Tem vários, clique aqui e confira no site deles

  • Cafe Med – Um singelo endereço escondidinho na Île de Saint-Louis

Com os queridos no fofo Cafe Med. Menu completo (entrada, prato principal e sobremesa) custa em média 14 euros.

Adoro esse lugar. Ele é um singelo restaurante que está quase sempre aberto, o espaço é minúsculo e aconchegante, fica na charmosa Île de Saint-Louis (a ilhazinha que fica atrás da Catedral de Notre-Dame). Aqui a comida é simples, boa e bem feita. Comer lá me da quase a sensação de estar comendo na casa de uma mãe francesa que cozinha muito bem. O local tem preços ótimos, menus completos (entrada, prato principal e sobremesa) por cerca de 14 euros. A rua onde fica o restaurante é pequena e cheia de lojinhas interessantes, não deixa de olhar as vitrines incríveis (amo as vitrines de comida de Paris, passo horas observando). Sugiro que vá jantar lá, é mais calmo que no almoço. Dê um passeio em um fim de tarde nas margens da Île de Saint-Louis (que tem menos turistas que os outros lugares nas margens do Sena, é lindo e calmo), então siga para jantar no Cafe Med. Após isso você terminará seu dia com uma sensação muito boa, mesmo.

As vitrines de Paris (suspiros de amor).

Endereço: 77 rue Saint Louis-en-l’Île, 75004, Paris – Tél: 01 43 29 73 17

  • Café Des Deux Moulins – O lendário café do filme “O fabuloso destino de Amèlie Poulain”. 

Crème brûlée da Amèlie Poulain.

Esse lugar é muito simbólico pra mim. Amo profundamente o filme da Amèlie e estar lá sempre é mágico. Além de ser o café da Amèlie e de ter o crème brûlée mais gostoso que já comi, o café fica no bairro de Montmarte, um dos meus bairros preferidos, cheio de coisas legais para ver. Gosto tanto dessa sugestão que tem um artigo falando exclusivamente dela, clique aqui e veja tudo sobre o Des Deux Moulins e sobre uma tarde inteira em Montmarte!

 

Paris tem um gosto muito bom, espero que sinta ele da melhor maneira possível. Além de seguir dicas, sempre também explore lugares seguindo sua intuição, também é muito bom. Bon appétit!

 

Como fazer o tradicional ceviche!

Ceviche. Consumido há mais de dois mil anos pelos povos Incas, esse prato peruano tem ganhado fama mundial, sendo um representante do atual brilho e expansão da gastronomia peruana (que hoje já está presente nas listas dos melhores restaurantes do mundo) – quando a cozinha (e seu poder) eleva a cultura de um país e confere à ele novos lugares (isso é lindo). O preparo do ceviche consiste em um processo químico que acontece quando o suco do limão, ácido e cítrico, entra em contato com a carne do animal e a cozinha de um modo diferente, a carne se desnatura e muda de textura, e de sabor. É absurdamente simples e rápido fazer um ceviche emocionante – você só precisa ter um peixe fresco de verdade, honestamente fresco, escandalosamente fresco, aí tudo vai dar certo. Veja receita abaixo!

Ingredientes (para 2 porções como entrada):

  • 300g de filé de peixe branco muito fresco (pode ser filé de tilápia, robalo, namorado, etc)
  • 200 ml de suco de limão
  • Meia colher de chá de gengibre picadinho
  • Pimenta à gosto (dedo de moça, ou algum molho de pimenta também serve, mas a fresca é legal).
  • Azeite de oliva extra virgem à gosto
  • Cebola roxa à gosto
  • Coentro à gosto
  • Sal à gosto
  • Pimenta-do-reino à gosto

Modo de preparo:

Depois do peixe limpo, corte ele em pedaços (tentando a forma de cubos), cuide para que o tamanho dos pedaços sejam similares. Após cortar o peixe, se estiver um dia quente coloque ele na geladeira enquanto prepara o resto (é importante que ele se mantenha frio).

Corte o gengibre em pedcinhos minúsculos. Pique o coentro. Se usar pimenta fresca, tire as sementes e pique em pedaços bem pequenos também (se for usar molho é só substituir pelas gotas do molho, quantidade à gosto). Corte a cebola em juliana (tiras finas).

Feito isso, coloque o peixe em um bowl e acrescente todos os igredientes. Misture tudo muito bem, vá colocando sal aos poucos e provando para ver se atingiu seu gosto. Pronto. O peixe, cozido pelo ácido do limão, irá mudar de cor e textura, ficando mais esbranquiçado. É lindo, e bom. Sirva imediatamente, é bom gelado.

Como fazer biscoitos de manteiga de amendoim com recheio de chocolate.

Essa é uma receita gentil e alegre, para fazer em uma tarde sutil, mas também serve para outros horários do dia. Aprendi ela em um livro canadense incrível que tem receitas emocionantes dos mais lindos cookies norte-americanos. Essa receita é realmente simples e boa, a magia dela está na massa do biscoito ser feita com manteiga de amendoim (fica uma coisa linda e boa de Deus). Esse biscoitinho com um recheio úmido de chocolate é tão envolvente que chega a ser quase sensual, socorro. Tenho um carinho por qualquer receita de cookie, sempre os faço muito feliz e calmo, então compartilho a receita carinhosamente com vocês. E ah, essa é uma opção maravilhosa, viva e honesta para você substituir por aqueles biscoitos recheados que vendem por aí, aqueles que 99% é elemento industrial estranho e só aquele 1% é biscoito mesmo. Fazer em casa é glorioso e libertador, tenta. Não esqueça de se divertir enquanto faz, é importante.

 

Ingredientes (Rende aproximadamente 2 dúzias de biscoitos):

  • 1 xícara e 1/4 de farinha de trigo
  • 1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio
  • 1/2 colher de chá de fermento em pó
  • 1/4 de colher de chá de sal
  • 1/2 xícara de açúcar cristal
  • 1/2 xícara de açúcar mascavo
  • 1/2 xícara de manteiga em temperatura ambiente
  • 1/2 xícara de manteiga (ou pasta, ou creme) de amendoim
  • 1 ovo
  • 1 colher de chá de essência de baunilha
  • 1 xícara de chá de chocolate meio amargo
  • 1/2 xícara de creme de leite

Obs: As medidas em “xícara” são em xícara de chá.

Modo de preparo:

Pré-aqueça seu forno à 190 graus. Em uma tigela, coloque a farinha, o fermento, o bicarbonato e o sal, misture tudo e reserve. Bata (com um fouet, com um mixer elétrico ou em uma batederia) o açúcar mascavo, o açúcar granulado e a manteiga, até ficar uma mistura mais clara e mais fofa. Então acrescente o ovo, a manteiga de amendoim e a baunilha, bata até tudo ficar bem misturado. Em seguida acrescente a mistura de ingredientes secos e misture até ficar uma massa com textura de massa de cookie (que é mole e grudentinha, para ser manuseada apenas com colher e não com as mãos).

Em uma fôrma untada, antiaderente ou coberta com papel manteiga faça bolinhas com a ajuda de uma colherzinha e vá colocando na fôrma, ajeitando para ficar redondinda. Deixe espaço de cerca de 2 dedos entre um biscoito e outro (eles crescem). A quantidade de cada bolinha depende do tamanho que você irá querer seus biscoitos. Eu gosto menores e coloco meia colher de chá para fazer cada bolinha. Após ajeitar as bolinhas, pressione levemente com um garfo, para deixar uma marquinha e também dar uma achatada no biscoito.

Asse no forno pré-aquecido por 6 minutos (ou até dourar à seu agrado), tire a fôrma do forno, espere descansar por 4 minutos e então desenforme.

Para fazer o recheio, é só fazer uma ganache: Pique o chocolate em pedaços pequenos e coloque em um recipiente. Aqueça o creme de leite até levantar fervura e então derrame sob o chocolate. Espere 2 minutos e então misture, está pronto.

Antes de rechear, deixe a ganache esfriar para endurecer um pouco. Daí é só rechear à gosto e ser muito feliz comendo.

Gatidão de todas as sextas. Cozinhando as 94 receitas do livro “Todas as sextas”, de Paola Carosella. Receita 94/94: Pão Arturito. Finalizando com ele, o senhor do tempo.

​Emoção profunda. A última receita pronta do projeto “Gratidão de todas as sextas” – Cozinhar todas as 94 receitas do livro “Todas as sextas”, de @paolacarosella . Receita 94/94: Pão Arturito. Eu poderia te dizer que o pão começou quando eu fui atrás de uma maçã orgânica para fermentar, em uma caminhada bonita por São Paulo, mas não. Na verdade o pão começou a ser feito na receita 1/94, quando eu comecei a compreender a coisa mais importante do livro “Todas as sextas”: Uma lição profunda sobre o valor do tempo e sobre nossa relação com a generosa força natural do mundo. As 93 receitas anteriores me capacitaram para entender a beleza profunda de ver uma maçã sendo transformada em pão pela força natural da fermentação. Fazer o pão foi simbólico, foi apreciar a riqueza do tempo que corre lento. É absolutamente lindo ver o que acontece quando respeitamos o tempo que as coisas precisam durar. Você entende? Isso é um bálsamo diante de um mundo de velocidade tão violenta onde ninguém tem mais tempo de parar, notar, sentir e compreender nada. Fazer pão de fermentação natural é uma chance de sair dessa violência. Foram 7 dias esperando a fruta fermentar, depois 7 dias alimentando a massa madre, depois mais 17 horas para fazer o pão. O Pão Arturito é a alma do livro, que revela uma verdade profunda, aquela que te esconderam quando te contaram que “tempo é dinheiro”, porque na real, o tempo é o tecido de nossas vidas – Fazer algo que leva tanto tempo te faz entender isso. E ah, o pão não ficou perfeito, mas ficou muito bom. Farei mais imperfeitos até chegar no perfeito. Esse projeto teve um porque inicial (clique aqui e leia o post feito dia 11/11/16, expliquei lá), mas esse porque cresceu e me transformou. Também atingiu tanta gente que o acompanhou por aqui e somou sua emoção dando mais sentido a tudo. Vou escrever um texto de finalização e postar em breve para pensar, significar tudo, e é claro, agradecer. Em breve posto. Será o último post do projeto. Se quiser ver todas as receitas, só ir na #gratidaodetodasassextas no Instagram ou na categoria aqui do blog chamada “Gratidão de todas as sextas” ,tem uma história profunda lá. Hoje eu só queria agradecer. #paoarturito

Gratidão de todas as sextas. Cozinhando as 94 receitas do livro “Todas as sextas”, de Paola Carosella. Mais um capítulo do Pão Arturito.

​A massa madre para o Pão Arturito está pronta. Agora farei o levain e então, finalmente, o pão. Após fermentar uma fruta orgânica e bonita por 7 dias eu alimentei a massa madre durante mais 7 dias, 3 vezes por dia, em horários iguais. Não existe um jeito de fazer isso sem pegar um amor profundo pelo processo. Cheguei alguns dias em casa cansado, outros correndo quase atrasado para alimentar no horário certo, alguns dias morto e cheio de glitter depois de algum bloco de carnaval, mas alimentar a massa era um compromisso sério e bom, alimentei ela muitas vezes antes de me alimentar (quando cheguei com fome em casa). É uma dedicação grande. Mas o que eu digo para vocês, senhores, é que alimentar a massa na verdade me alimentou – de um tipo de alimento que tem a ver com coisas da existência, entendem? Isso é um grande presente que eu não tenho como retribuir, por isso eu agradeço. Eu to bem emocionado, às vezes com medo do pão dar errado, mas aí penso que se der errado, coisas muito bonitas durante o processo de fazer já deram certo (aprender e sentir algo enquanto faz é tão importante quanto o resultado, se não mais). Mas enfim, vamos ver, e esperar. Se quiser ver mais sobre as etapas anteriores do pão e do projeto gratidão de todas as sextas, só olhar na hashtag no Instagram #gratidaodetodasassextas , tem tudo lá. Também na categoria do blog chamada “Gratidão de todas as sextas”, tem tudo. #paoarturito