Onde comer e o que fazer para se emocionar no Monte Saint-Michel – França

Mistério, história, comida antiga com receitas que são as mesmas há mais de 1000 anos e paisagens de fazer a respiração pausar. O Monte Saint-Michel, uma pequena ilha rochosa com a imponente Abadia e vila medieval, fica situado na região francesa da Normandia. Estar lá é uma experiência misteriosa e profunda que conduz a gente para um estado de espírito diferente – você parece que sai do seu tempo e da sua vida e entra num outro período do mundo – tem ideia do quanto isso é delicioso e impressionante? Vale realmente a pena conhecer esse canto do mundo – durante o dia, mas principalmente, durante a noite – explico porque abaixo!

Primeiro vou te dar 3 dicas de onde comer e se emocionar no Monte Saint-Michel, e depois conto detalhes sobre a história do Monte, onde se hospedar e o que não deixar de fazer por lá!

Onde comer e se emocionar no Monte Saint-Michel:

1) As emblemáticas omeletes no La Mère Poulard

Fachada do La Mère Poulard, à noite.

As omeletes são simbolo absoluto da gastronomia do lugar. La Mère Poulard ficou conhecida na época em que servia omelete para os peregrinos que passavam por lá e ficavam ilhados no local quando a maré subia e isolava o Monte. Por ser uma comida barata e rápida, a omelete era feita em grande quantidade e servida à eles. Outro elemento famoso desse lugar são os biscoitos, que eram distribuídos para as crianças que acompanhavam os peregrinos (lá você encontra os biscoitos também ainda hoje).

A omelete é singular, diferente de qualquer uma que já provei, é gigante e absolutamente fofa, leve mesmo, quase uma espuma. É servida com 1 acompanhamento e se estiver com pouca fome, peça para compartilhar com alguém (com pouca fome serve 2).

Cozinha do La Mère Poulard

Há uma cozinha aberta onde você pode passar e ver os cozinheiros batendo as omeletes à mão – eles fazem a receita da mesma forma como ela é feita há quase 1000 anos na região – e a emoção de comer algo tão ancestral num lugar tão ancestral quanto? Arrepia, sério. Não é tão barato para uma omelete, mas vale a pena. Sinta todo traço da história e tradição do lugar através desse prato simples e tão simbólico. Vemos aqui um traço marcante pra mim da gastronomia francesa, que é fazer de algo tão simples (como uma omelete) uma coisa emocionante e brilhante.

Clique aqui e veja todas informações do La Mère Poulard

Endereço: Grande Rue, 50170 Le Mont-Saint-Michel, França

2) Coma um dia na charmosa vilinha (que fica ainda no continente, antes do Monte)

Sopa de cebola

Na beira da passarela que leva ao Monte, fica uma vilinha charmosa com pouquíssimas construções. Me hospedei lá e na noite que cheguei jantei num restaurante chamado Restaurant La Rôtisserie – A comida é singela e caseira até, nada espetacular, mas gostosa e delicada, principalmente a sopa de cebola e Ilha flutuante (uma sobremesa bem francesa que consiste numa espuma delicada flutuando num creme simples e absolutamente bom).

Ilha flutuante

 Adorei o charme dessa vilinha que parece esquecida e perdia no mundo, comer lá foi aconchegante e curioso. Sinta todo o marasmo poético enquanto come nesse lugar – acho que poético é a palavra pra esse pedacinho do mundo.

Uma casinha encantadora nessa vilinha

Endereço: Route du Mont Saint Michel, 50170 Le Mont-Saint-Michel, França

3) Ostras

O Monte Saint-Michel fica bem entre a região da Normandia e Bretanha – essa última é uma região francesa muito famosa pelas ostras, e no Monte sentimos essa marca – muito famosas na região, as ostras lá são fresquíssimas, vale a pena provar. Eu não consegui comer nenhuma lá e lamento muito, mas amigos que confio super no paladar e opinião comeram e indicam, todo frescor é verídico. Eu acho que o mais bacana quando você viaja é se propor provar a gastronomia mais comum e habitual do lugar, para sentir o lugar através do gosto – como sabemos, a memória que o gosto deixa, é eterna. Coma ostras em Monte Saint-Michel e sinta o terroir puro da região. Quase todo lugar lá vende ostras, não tem erro.

 

O Monte Saint-Michel

Com certeza um dos lugares mais impressionantes que já fui na vida. Uma ilha rochosa onde a construção imponente da Abadia e vilarejo aos seus pés parece ser parte das rochas que constituem a própria ilha. A sensação de caminhar no Monte Saint-Michel é de se deslocar no tempo completamente. As construções conservam tudo que é original, então você se sente mesmo numa vila medieval, não tem quase nenhuma construção moderna lá.

Além da Abadia, construção mais imponente da pequena ilha que lembra um castelo, há uma vilinha aos pés da ilha com hotel, restaurante, lojas e outros estabelecimentos.

Vilarejo no Monte

Detalhe da Abadia

A abadia foi construída no século XIII, em homenagem ao Arcanjo São Miguel, e faz parte de diversos períodos históricos da França (como lugar de refúgio e fortaleza em períodos de guerra). Acredito que pelo aspecto misterioso e um tanto obscuro que o lugar tem, se tornou palco de muitas lendas e contos místicos – caminhando por lá a noite você entende isso melhor, rs, é meio macabro, mas lindo.

Como ir até o Monte

Eu fui de Paris até o Monte Saint-Michel de carro e se você puder, indico demais ir assim, pois as paisagens no caminho são absolutamente lindas, e você pode ir parando nos pontos que quer para olhar, tirar fotos, ou até dar umas voltas nas pequenas e graciosas cidades da Normandia. De Paris até lá de carro dá cerca de 4h de viagem, sem parar, parando leva mais que isso. Sugiro sair de manhã de Paris e dedicar 1 dia para a viagem, se programando para chegar no final da tarde no Monte, assim você tem tempo de parar e apreciar tudo no trajeto – apreciar o caminho vale tanto quanto o destino. Dica: Para viajar de carro na França você pode pegar as auto estradas direto ou, em partes dos trajetos, ir por dentro das cidades – indico, se tiver com tempo, que passe por dentro, será chance de conhecer muitos cantinhos charmosos do interior francês.

Caminhos até o Monte

Onde se hospedar:

Há hotéis na própria ilha (fortificação) do Monte, que são mega interessantes pois são também construções extremamente antigas – a sensação de se hospedar aos pés da Abadia dentro do vilarejo deve ser alucinante, porém, é caro. Para economizar sugiro se hospedar nas redondezas da ilha – ainda na parte do continente tem uma vilinha charmosa onde há alguns hotéis e restaurantes (um deles é onde indiquei comer nas sugestões de gastronomia). Minha dica de hospedagem é o Hôtel Gabriel – Ele é super novo, com instalações ótimas, limpo, fofo, atendimento gentil e o melhor – um café da manhã incrível – cheio dos deliciosos queijos e manteigas da Normandia! E o preço foi o melhor custo benefício que encontrei na época.

Hôtel Gabriel – Route du Mont Saint-Michel, La Caserne, 50170 Le Mont-Saint-Michel, França

O que não deixar de fazer no Mont Saint Michel

O que quero mais ressaltar é que você deve fazer uma caminhada diurna e outra noturna pelo Monte. De dia, visite a Abadia, os restaurantes, lojinhas, e veja todo detalhe da arquitetura impressionante do lugar. A noite, tenha uma experiência misteriosa e um pouco macabra (mas linda) de caminhar por lá e se sentir deslocado no tempo – durante a noite não há dezenas de turistas, então, estando ali com tudo meio vazio, a sensação de ter voltado no tempo é muito intensa! Chega a dar um medo, mas vale demais a pena! A melhor coisa para se fazer no monte é isso: caminhar, olhar e sentir cada encanto da arquitetura e paisagem. E a noite a iluminação é bem baixa no Monte, dando ainda mais sensação de estar em outro tempo da história.

Visão da passarela antes de chegar no Monte

Há uma passarela (de uns 2km) para chegar até o monte que fica acessível a noite, porém é um caminho meio escuro – fui com mais 3 pessoas e ficamos com um pouco de medo, mas isso fez parte da emoção e foi tudo muito seguro. Há ônibus que fazem o trajeto, saem de 15 em 15 min e funcionam das 7h à meia noite, mas eu jamais pegaria um ônibus e perderia a chance dessa caminhada – tanto de dia quanto de noite, fomos à pé.

A iluminação noturna do Monte é misteriosa e deixa a experiência linda.

A maré atinge diversos picos ao longo do ano e mesmo em um único dia varia, muita gente busca visitar o Monte em épocas de maré cheia para ter a experiência de ver ele totalmente isolado do continente (mesmo assim ele fica acessível, mas pela passarela). Se quiser checar os períodos de maré, clique aqui.

Aproveite, se emocione e guarde, através de todos seus sentidos, esse lugar dentro de você!

Anúncios

Roteiro gastronômico em uma aventura na Patagônia – como se emocionar comendo no extremo do mundo.

A Patagônia é o lugar mais emocionante que estive nesse mundo quando se trata de contato com a natureza pura. O contato extremo com a força do mundo natural transforma a gente. Fui lá para me casar, sob um dos maiores aglomerados de gelo do mundo. Eu queria celebrar o amor, que é uma força natural gigante, num lugar onde a força natural também fosse gigante. Tinha que ser lá. Eu acho que na Patagônia nos conectamos de uma forma diferente com o mundo. Quando o vento gelado bate no nosso rosto ele nos arrasta junto para a composição do mundo, daí é como se fizéssemos parte de tudo, e tudo vira uma coisa só – nós e o mundo . É lindo e faz a vida vibrar, você precisa ir um dia se conseguir.

Te conto aqui onde comer o clássico e ancestral cordeiro patagônico, mas também conto como comprar, num mercado no fim do mundo, um biscoito folhado barato pra comer com doce de leite local durante um trekking para a montanha que fuma. Também te conto da beleza de levar um sanduíche de “mila” e uma cerveja na mochila pra comer enquanto o vento gelado do Glaciar Perito Moreno bate na sua cara e te conta da profundidade e força do mundo natural. Ah, também tem algo sobre comer uma empanada na beira de uma estrada deserta. Isso e mais. Entende do que se trata esse roteiro? Não são só dicas de restaurantes, se trata de como comer algo em um determinado lugar e criar uma memória eterna. Tem amor pra caramba nesse roteiro, e ainda dicas de hospedagens e como realizar os passeios mais incríveis! Espero que sinta aqui uma parte do que a Patagônia é!

 

1) Comida ancestral – O Famoso cordeiro patagônico: Cozinha antiga de fogo alto.

Um dos sabores mais emblemáticos da Patagônia é o cordeiro patagônico – se tiver que escolher uma única coisa para comer lá, escolha isso. Em diversos restaurantes das pequenas cidades há cordeiro assado em fogo de chão (o jeito mais lindo e antigo de assar). É bem comum os restaurantes terem vitrines onde o fogo de chão fica exposto, para você entender bem a coisa. Tipo essa:

Na cidade de El Calafate eu comi meu cordeiro no restaurante Casimiro Biguá, um local bem tradicional e popular para comer esse prato (chegue lá cedo para conseguir lugar, é cheio). Sugiro que lá coma só o cordeiro, ele é barato e servido no modelo 1 para 2 (um prato farto que serve bem 2 e não custa nada caro para a média da cidade, o preço foi um dos melhores que encontramos). Outros pratos lá são meio caros, não acho que vale a pena, lá é para comer o cordeiro e só. Absolutamente delicioso, uma experiência única de sentir o gosto profundo da cozinha de caça antiga, de fogo alto.

Felizes, mesmo.

Clique aqui e acesse o site para saber tudo da unidade do Casimiro Biguá em EL Calafate. É super bem localizado!

Endereço: Av. Libertador 963, El Calafate, Argentina.

Dica de turismo ao arredores do restaurante: O restaurante fica na rua principal da cidade, a Av. Libertador, aproveite para percorrer ela toda, tem lojas com todo tipo de coisa (lembrancinhas e etc), mercados locais (para quem, como eu, ama mercados locais) e mais pro norte da avenida tem uma praça linda com visão aberta para as montanhas e campos da patagônia, ah, muito amor!

 

2) Uma aventura no Glaciar Perito Moreno – um sanduíche de “mila” e uma cerveja na mochila –  e ainda um whisky especial sob um dos maiores glaciares do mundo.

Bem bobo com as paisagens do Mini trekking – passeio sob o glaciar.

Não há nessa parte uma dica gastronômica de restaurante e melhor prato, mas sim de uma maneira marcante de comer durante uma das maiores aventuras de sua vida. Se você estiver na cidade de El Calafate, não pode deixar de visitar o Glaciar Perito Moreno, um dos maiores glaciares do mundo, que é uma das coisas mais lindas e impressionantes que você verá na vida.

Caminhada até a trilha para subir no glaciar

Há algumas maneiras de visitar o Glaciar. Você pode ir apenas até as passarelas do Parque Nacional Los Glaciares e ver o famoso Glaciar Perito Moreno de muitos ângulos. Mas eu sinceramente te sugiro ir além desse passeio nas passarelas… que é legal, mas chegar mais perto do Glaciar é uma experiência emocionante. Depois de ir andar nele as passarelas parecem até algo menos atraente, juro. A Agência Hielo y Aventura te leva para caminhar sob o Perito Moreno, fui com ela e foi tudo incrível. Há 2 modalidades para esse passeio: O Mini trekking e o Big Ice – Ambos passeios duram o dia todo (considerando ida e volta de El Calafate até o Glaciar, preparações para a caminhada no gelo e todas paradas), a diferença entre um e outro é o tempo que dura – No Mini Trekking a caminhada no gelo dura cerca de 1 hora e meia, e no Big Ice cerca de 3 horas e meia. Eu fiz o Mini trekking e achei o suficiente para me emocionar profundamente. Caminhar acima do Glaciar foi a coisa mais emocionante que fiz na vida, te indico de coração. A única agência que faz esse passeio é a Hielo y Aventura, então compre direto por ela. O pacote para o Mini trekking pode ser comprado com translado incluso (ida e volta do seu hotel em El Calafate), também está incluso no pacote do Mini Trekking um percurso de barco lindo para chegar até o glaciar. E ah, no final da caminhada no gelo, o guia chega numa parte onde desenterra uma garrafa de whisky e serve para todos com gelo do glaciar – a única vez na vida onde você vai tomar um whisky onde o gelo o é mais velho que ele. Vale cada centavo a experiência, você não sentirá falta de nada, passeio muito completo! Fique tranquilo que não é muito complicado a caminhada no gelo (no mini trekking), pessoas idosas fazem e tudo mais, estando com disposição pra subir partes inclinadas e se equilibrar com as botas pesadas de gelo, tá beleza!

Finalmente, sobre o que comer: Não há, durante o passeio ao glaciar, onde comprar o que comer. Você deve levar seu lanche na mochila (há uma cabana onde você pode deixar seu lanche enquanto caminha no gelo, para comer na volta). Eu sugiro que você compre, ainda na cidade, um sanduíche “mila” – como eles chamam um sanduíche de milanesa (que pode ser de carne ou frango). Leve junto uma cerveja argentina boa. Na hora que voltar da caminhada do gelo, você fica um tempo numa região linda, onde há uma pausa para você comer seu lanche. Escolha um lugar emocionante para comer seu mila, eu escolhi esse:

Nunca mais vou esquecer o gosto desse mila junto com o vento gelado do glaciar batendo na minha cara e me contando sobre a força e profundidade do mundo natural.

Clique aqui e acesse o site da Hielo y Aventura e saiba detalhes do Mini trekking e Big Ice. Deu tudo certo, a empresa é super competente.

 

3) Comida aconchegante, cardápio diverso (bom e barato) e atendimento gentil que aquece a gente. Coma no Pietro’s (Em El Calafate).

El Calafate é uma cidade mais ou menos cara, os restaurantes não tem lá preços muitos acessíveis. Uma amiga indicou um lugar de comida boa, simples e barata, e nós fomos e amamos. O Pietro’s fica na avenida principal da cidade de El Calafate. Tem pizzas ótimas e um hamburguer de cordeiro que é farto e delicioso (aliás, no geral os pratos na Patagônia são bem fartos, se não estiver morto de fome, 1 sempre dá pra 2).

Amei comer lá, fui 2 vezes durante minha estadia em El Calafate. O atendimento é sensacional, simples e gentil, o que amo. Dica valiosa para não gastar muito e comer bem. Fora que estar lá da aquela sensação de estar numa lanchonete local, num lugar esquecido no fim do mundo, sabe? Não sei se me entende, mas é muito estranho e lindo esse tipo de sensação.

Endereço: Av. Libertador, 1002, El Calafate, Argentina. 

 

4) Empanadas na estrada para algum lugar – No meu caso foi para El Chaltén.

Empanadas na Argentina são um clássico que todo mundo que vai come. Tem em todo lugar. Pra mim as melhores não são de restaurantes muito grandes ou populares – as caseiras, de lugar pequeno, que provavelmente tem receitas familiares cheia de traços culturais antigos, são as melhores. Durante minha estadia na Patagônia fui passar 1 dia em El Chaltén (fui de ônibus de EL Calafate, fui e voltei no mesmo dia, várias agências vendem esse trajeto/excursão e não é caro, no próprio hotel/hostel que você ficar dará para comprar, provavelmente, por ser uma cidade pequena, todas as agências que fazem os passeios tem contato e conhecem todo hostel e hotel). No caminho para EL Chaltén (leva umas 3 hora para chegar lá partindo de El Calafate) fizemos uma parada num lugar simples, desses de beira de estrada, comprei uma empanada de carne incrível.

Qualquer paisagem na Patagônia é linda, não importa onde, então peguei minha empanada lá dentro do estabelecimento e fui comer do lado de fora, na beira de uma estrada deserta. Enquanto eu comia minha empanada cheia de traço cultural de onde eu estava, olhava exatamente para isso (tirei essa foto com o celular numa mão e a empanada na outra):

Essa dica é apenas uma sugestão para você comer uma empanada na beira de alguma estrada na Patagônia, eu achei emocionante e indico demais. Espero que entenda a delicadeza dessa experiência.

Depois de comer a empanada, volta a estrada.

 

4) Biscoito barato folheado maravilhoso e doce de leite em uma trilha em El Chaltén.

El Chaltén (cidade próxima a El Calafate) é conhecida como a capital mundial do trekking. Existem muitas trilhas lá, de diversos níveis de dificuldade, cada uma mais linda que a outra. As mais famosas são as que levam até alguma visão do Fitz Roy -a montanha mais famosa da região, conhecida como “a montanha que fuma”, devido as constantes nuvens que a circundam. É linda. Para realizar as trilhas mais longas e incríveis você precisam reservar uns 2 dias pra ficar na cidade, para acordar um dia lá bem cedo e começar, pra ter tempo de voltar na luz do dia, ou, acampar e dormir em alguma parte da trilha, caso seja aquelas bem longas que podem levar 1 dia pra ir e outro pra voltar). Eu queria muito ter feito a trilha para a “Laguna de los 3”, todos dizem que é a mais linda, mas não tive tempo hábil para. Então fiz uma menor, até a Laguna Capri.

El Chaltén é uma cidade – na verdade uma vila – minuscula, com poucas casas e estabelecimentos. Um lugarzinho perdido no meio do mundo. Na rua principal da cidade (e quase a única), enquanto estava indo para o fim dela, onde começam as trilhas, parei num mercadinho pequeno e comprei um biscoito folheado quadrado (que não tinha nome da embalagem, era produzido ali, e eu esqueci de perguntar para alguém, mas ele tem em todo lugar em El Chaltén, quando ver um biscoito folheado quadrado, será ele). Comprei junto com os biscoitos um pote de doce de leite colonial da marca La Sereníssima, coloquei na mochila e segui minha trilha até a Laguna Capri. Cada caminhada valeu a pena, paisagens de tirar o fôlego.

Parava em alguns momentos e comia meu folheado com meu doce de leite e pensava em como o mundo podia ser tão impressionante, e que viajar pra esses cantos ensina isso pra gente. Enfim. Eu achei especial comer biscoito folheado barato com doce de leite no meu trekking (infelizmente não fotografei eles, mas você acha fácil, prometo).

 

5) O milanesa gigante e honesto do Vera Cruz, em El Calafate.

Tem milanesa em todo lugar por lá. Comi o meu num restaurante que fica na avenida principal da cidade (Av Libertador), o Vera Cruz. Peça um que dá para 2 comer tranquilamente, sério. É farto e delicioso. Comi com uma cerveja argentina popular (Quilmes), sentei perto da janela para a rua e enquanto comia via o movimento da cidade pequena e encantadora. Foi marcante e bom.

Endereço: Av. Libertador, 1150, El Calafate, Argentina.

 

6) Se der, fique em um lugar em que você possa cozinhar algo.

Eu sempre amo me hospedar em lugares em que eu possa cozinhar algo. Ir num mercado regional, comprar coisas regionais e fazer você mesmo uma refeição regional – entende a beleza disso? Eu acho maravilhoso. Me hospedei no Calafate Hostel , um lugar encantador todo feito de madeira, com atendimento impecável, limpo, gentil e bom. Lá tem quartos privados e compartilhados, e uma cozinha grande que você pode usar. Foi perfeito pra mim, então queria deixar essa dica. Se der, sempre cozinhe por onde vai. Bem perto desse hostel mara, fica o Lago Argentino, lindo e imenso, vá caminhar ao redor dele (mas leve toca, venta absolutamente demais).

Endereço Calafate Hostel: Rua Gobernador Moyano, 1226, El Calafate, Argentina.

 

Espero que você, quando for a Patagônia, também se emocione, várias vezes. Que seja delicioso e marcante!

Onde comer e se emocionar em Londres – Uma autêntica experiência londrina em 6 atos.

Como sempre digo: Quando viajar, “coma o lugar”. A comida é sempre uma forte marca cultural que conta muita coisa de onde você está. O gosto de algo marca uma cena, e a memória que o gosto deixa é eterna. E ao contrário do que muitos pensam, Londres tem uma gastronomia forte e interessante, cheia de influências de diversas culturas. Quero compartilhar com vocês uma verdadeira experiência gastronômica londrina em 6 atos – Não apenas 6 locais para comer, mas 6 momentos e maneiras de comer que te farão tocar Londres intensamente. Começando por um café da manhã inglês forte e curioso, passando por um almoço simples ao ar livre em um dos parques lindos da cidade, seguindo por um tradicional chá da tarde inglês e finalizando com 3 opções para comer a noite: um restaurante inglês típico, um restaurante para provar o famoso curry inglês – a famosa comida indiana de Londres – e um autêntico e bom pub. Vem ver o que tem de bom na incrível cidade da Beth, que é muito mais que só fish and chips!

 

  • Primeiro ato: O grandioso e farto café da manhã inglês na Patisserie Valerie.

Really English Breakfeast.

Esse lugar é famoso pelos seus lindos bolos (o item mais apreciado da confeitaria inglesa), porém lá você consegue fazer qualquer refeição. Eles tem um cardápio super amplo a preços acessíveis, e tomar seu café da manhã lá te trará uma experiência extremamente inglesa para começar o dia – Peça o English Breakfeast – vem com ovos pochés, tomates assados, feijão, linguiça, presunto, cogumelos, manteiga e torradas – (um prato serve 2). É uma delícia, alimenta você bastante e permite que depois você faça um almoço mais leve no parque (que é o segundo ato). Enquanto come sinta o contraste desse café da manhã com aquilo que você está acostumado na sua cultura, sinta a diferença e pense no quanto ela é interessante, no quanto o mundo é grande e diverso… E ah, sempre dê uma volta nas redondezas de onde for comer, vale sempre a pena curiar os cantos de um jeito livre sem saber o que vai achar também. 

Há diversas unidades na cidade, clique aqui e veja o site da Patisserie Valerie para mais informações. 

 

  • Segundo ato: Comprar um “Meal Deal” (refeição pronta) em uma das unidades da rede Tesco ou da Pret A Manger.

Vista no lindo Primrose Hill.

Na hora do almoço uma das coisas mais comuns em Londres é ver os parques e alguns outros locais públicos cheios de pessoas com seus “meal deals” almoçando ao ar livre. Isso é muito londrino, principalmente no verão e primavera, quando eles querem aproveitar cada gota de sol. O meal deal é uma refeição completa vendida em muitos lugares (mercados, lanchonetes e até farmácias), é composto de um prato principal, um snack e uma bebida por um preço fixo (normalmente £3). Comprar sua comida e ir comer no parque te faz experimentar uma comum atmosfera da cidade, muita gente lá faz isso. Você pode comprar sua refeição na famosa rede Tesco (uma loja que tem de tudo) ou na Pret A Manger (gosto mais dessa, ela só trabalha com produtos frescos e suas refeições são feitas artesanalmente, custa um pouco mais mas acho que compensa). Depois é só escolher um dos parques lindos da cidade e fazer sua refeição – meu preferido é o Primrose Hill – Onde você consegue ter uma das melhores vistas de Londres. Também adoro o St James Park e o Hyde Park. Amoce na grama, olhe em volta, sinta-se tocando um hábito cultural de onde você está.

Uma salada fresquinha do meu meal deal.

Clique aqui para ver as unidades do Tesco ou aqui para ver unidades do Pret A Manger . 

 

  • Terceiro ato: O tradicional chá da tarde inglês, novamente no Patisserie Valerie.

Os famosos bolos da Patisserie Valerie.

Não faz muito sentido ir à Inglaterra e não tomar um chá. O tradicional chá da tarde é uma refeição muito famosa na cidade, e todo mundo quer provar – por isso os preços são altos – existem locais que oferecem a famosa refeição por preços absurdos (em combos que vem até champagne) e locais mais simples. Normalmente oferecem a refeição em um combo, um valor que vem o chá e diversas especialidades, docinhos, sanduichinhos, etc. Para seu tradicional chá da tarde inglês indico novamente a Patisserie Valerie, o preço é um dos melhores e as coisas são gostosas, considero que vale a pena para provar o tradicional chá sem pesar muito no bolso! Também aproveite para prestar atenção no detalhe das vitrines de doces das lojas das unidades. Olhe como eles destacam os bolos. É uma experiência legal olhar a vitrine de doces e em seguida olhar para o ritmo nas ruas londrinas, gosto de relacionar os detalhes da cidade, é algo poético e sensível, faz a gente sentir algo bom, se estivermos dispostos. Se puder escolher ir em alguma unidade perto de algum parque vá, saindo do seu chá veja o entardecer em algum canto bonito verde da cidade. É bom.

Clique aqui e veja mais informações sobre a Patisserie Valerie.

 

  • Quarto ato: Opção de jantar: um prato completamente inglês no agradável Garfunkel’s Restaurant.

Proper pie.

Um das coisas mais gostosas que comi em Londres foi a famosa “Proper pie” – um bolo de carne  – algo que está mais para uma torta de carne. É vendida em muitos lugares (inclusive você pode encontrar ela em um dos famosos pubs da cidade), mas a que mais gostei foi uma que comi em um restaurante da rede Garfunkel’s – o recheio era extremamente suculento e marcante. Normalmente ela é servida com um purê de batatas e legumes. No Garfunkel’s tem um Fish and Chips (o famoso peixe frito com batatas fritas) bem gostoso também, mas essa torta é maravilhosa e você precisa provar, sério. Esse prato é aconchegante e da a sensação de uma comida inglesa caseira, de mãe. Sinta esse aconchego, é bom. Também se puder sente perto de alguma janela do restaurante e enquanto come olhe as luzes de Londres do lado de fora, o ritmo das pessoas, e coma junto com essa sensação.

O Garfunkel’s tem diversas unidades espalhadas pela cidade, clique aqui e veja mais informações. 

 

  • Quinto ato: Opção de jantar: Sentir o ardor emocionante da popular comida indiana em Londres – o curry inglês!

20180910_082007

Os londrinos amam a potente e apimentada comida indiana, então existe uma infinidade de restaurantes da categoria por lá, eu escolhi ir em um da popular rede Masala Zone.  O curry é um prato indiano tipicamente inglês, que designa um preparo de carne, frango ou peixe feito num molho apimentado e muito bem temperado. Cada restaurante faz o seu “curry” misturando as especiarias de sua preferência (cominho, gengibre e cardamomo costumam ser bem presentes). Aquele temperinho amarelo que conhecemos como curry aqui no Brasil é chamado pelos ingleses de “curry powder” ou “curry paste”. Nos cardápios dos restaurantes indianos por lá você pode não achar um prato descrito como “curry”, porque curry é o termo para o tipo de preparo da carne em determinado molho, os pratos feitos no estilo “curry” tem nomes próprios. Um dos favoritos dos ingleses é o Chicken Tikka Masala – um frango no estilo mais autêntico do curry. Quando fui em uma das unidades do Masala Zone (a do bairro Soho) já perguntei por algo que tinha o famoso Tikka. O garçon me sugeriu esse prato da foto, o Grand Thali – que vem com o chicken tikka masala, arroz e pão típicos da culinária indiana, 2 sabores de chutneys e dois molhos feitos com legumes – segundo o garçon o prato diverso com pequenas porções é um bom jeito de provar o sabor da comida indiana. Não sei toda composição dos pratos porque francamente não consegui entender tudo do inglês rápido do garçon, mas é tudo absolutamente forte, temperado e bom – mas só vá se você amar pimenta. Arde mesmo. Indico também lá uma bebida que é feita com coca-cola e cominho, surprendentemente boa. Adorei provar a intensidade da comida indiana, sai ardendo de felicidade. Se for na unidade do Soho, não deixe de passear pelo bairro, charmoso que só ele!

Clique aqui e acesse o site da rede Masala Zone para ver o endereço das unidades. 

  • Sexto ato: Opção de jantar e bar para curtir a noite londrina – Pride of Paddington, um autêntico pub inglês! 

20180910_082102

Ir num pub em Londres é absolutamente típico – um lindo jeito de ver de pertinho o estilo de vida londrino – vá numa hora cheia, tipo entre 18:00 e 21:00, é mais legal pra ver o movimento da cidade e entendê-lo. Adorei ter minha experiência de pub inglês no Pride of Paddington, atendimento entusiasmado, cerveja boa e um fish and chips muito gostosinho pra acompanhar a situação! – Sim, foi lá que comi pela primeira vez o famoso fish and chips. Além de um filé grosso e suculento de peixe vem peixinhos pequenos inteiros também, adorei isso! A música é animada, as pessoas parecem estar numa festa onde todos se conhecem (apesar de não socializarem muito com estranhos, numa situação em pub todo mundo parece ficar mais a vontade e “solto”, gostei disso).

Endereço: 1-3 Crave Road Paddington, Londres. W2 3BP.

Clique aqui e acesse o site do Pride of Paddington

Essas experiências gastronômicas são uma forma de ir além do comum e entrar em contato com a cultura do local de diversos jeitos. Mas ela precisa ser feita com sensibilidade  – coma os pratos, olhe em volta, observe as pessoas, sinta toda a atmosfera enquanto o gosto da comida acontece. A experiência será plena. Isso é emocionante. Londres é linda e tem um gosto muito bom! Aproveite!

Onde comer e se emocionar em Paris – Um roteiro gastronômico e afetivo.

Paris – pra mim, a cidade mais linda do mundo. Por motivos muito antigos em mim amo esse lugar e essa cultura – com 11 anos eu escrevia poemas sobre a cidade luz e alimentava em mim um sonho que realizei com 23 anos, quando visitei Paris pela primeira vez. Acho que desde a infância sonhar com Paris era uma saída boa para dar conta das complexidades da vida, enfim. E esse amor se estendeu, óbvio, para a comida francesa. Comer em Paris não é uma coisa qualquer. A França toda trata o ato de comer com muita importância, é incrível a variedade de produtos e restaurantes de altíssima qualidade que você encontra lá, muitos por preços bem baixos (comer bem é tão importante que qualquer um deve conseguir, não importa quanto de dinheiro se tenha – isso é lindo). Paris é uma joia antiga e forte da gastronomia mundial, comer lá nos sensibiliza e nos transforma. Por isso quero compartilhar com vocês um roteiro gastronômico afetivo, onde todo detalhe em volta da refeição seja capaz de te fazer sentir o gosto de Paris. O roteiro contém 5 sugestões – 2 restaurantes para uma refeição plenamente francesa, 2 lugares para comer as estrelas da confeitaria (um é onde você encontra a melhor éclair da França, o outro é um lugar incrível que faz alguns dos doces seguindo receitas muito antigas) e um café carinhoso e simbólico (o café da Amèlie Poulain). E junto com isso, dicas de passeios e hábitos culturais! Vem comigo, Paris é exatamente o lugar certo para nos lembrar que “até mesmo as alcachofras tem coração”, que comida é afeto e arte do inicio ao fim.

  • Le Valentin  – Os doces mais emocionantes de Paris. 

Quem nos indicou esse lugar foi uma francesa, ela contou que a casa segue receitas muito antigas, fazendo doces como eram feitos há muitos anos. Tudo é lindo e absolutamente bom (veja na foto acima o que comi). o lugar é uma graça, tem um salão de chá sensacional no primeiro andar. O chá é servido em um bule de ferro que te dá a sensação de tradição e tempo. O chá de jasmim é divino, eles dão para adoçar o chá um palito com caramelo cristalizado – o calor do chá vai derretendo o caramelo, é uma riqueza de detalhes que emociona, mesmo. Comer aqui foi delicado do inicio ao fim. Observando o modo como servem, o ambiente em volta e o que servem entendemos o quanto a cozinha francesa é carregada de tempo, marcas e histórias. Quando estiver nesse lugar, observe o culto em volta da confeitaria francesa… os doces em vitrines como obras de arte sendo apreciadas, as pessoas comendo delicadamente seus doces como se estivessem num momento importante e sagrado… é lindo.

Endereço: 30 passage Joufroy – 75009 Paris Tél +33 (0) 1 47 70 88 50 (ela fica dentro de uma espécie de galeria).

  • L’Éclair de Génie – A melhor Éclair da França! 

Uma rede que faz total jus a sua fama. A Éclair deles (que no Brasil chamamos de bomba de chocolate) tem algo de divino e maravilhoso, nem Gal Gosta explica. Eles tem diversos sabores e dá vontade de comer todos, prove a de pistache e a de caramelo salgado, eu chorei forte. A rede tem diversas lojas em Paris, eu fui na que se chama “La Fabrique” (fica na 32 rue Notre Dame des Victoires 75002 Paris), adorei essa porque é onde fabricam as belezinhas, dá para ver algumas partes do processo, indico ir nessa. Eu gosto de pedir uma éclair para viagem e ir procurar um parque bonito, sentar e comer a éclair, pensando nela como um tesouro, olhando alguma das mil paisagens lindas de Paris – Comer ela assim cria uma memória sem prazo de validade no seu coração. Já comi éclair duas vezes no jardim que tem atrás da catedral de Notre-Dame. Foi mais que bom.

20180303_204511.jpg

Endereço: Tem vários, clique aqui e confira no site deles

  • Le Relais de L’Entrecôte – Uma refeição tradicional francesa farta e incrível!
20180303_202907.jpg

A conta por pessoa, com vinho, saí em média 35 euros.

O famoso e nobre corte de carne (entrecôte – filé de costela) servido com um molho sensacional e batatas fritas, só – mas é um só suficiente para te deixar maluco de tão bom. A casa serve seguindo a tradição: Restaurante de um prato só, você escolhe só o ponto da sua carne. A batata frita é a vontade, eles vão te oferecendo como em um rodizio, e a carne é reposta 1 vez (diferente do Brasil onde só as batatas são repostas), você sai super cheio de lá, mas sai muito feliz! E ah, tem uma salada de entrada já inclusa no valor do prato principal. Um lugar incrível para comer carne em Paris. As sobremesas são muito boas também! Lugar charmoso e popular, sempre cheio, é normal ter uma filinha na porta para entrar mas ela é bem rápida. Aproveite o charme francês desse ambiente e observe em volta, a maioria dos frequentadores são franceses, é interessante observar os hábitos. Divirta-se.

Endereço: Tem vários, clique aqui e confira no site deles

  • Cafe Med – Um singelo endereço escondidinho na Île de Saint-Louis

Com os queridos no fofo Cafe Med. Menu completo (entrada, prato principal e sobremesa) custa em média 14 euros.

Adoro esse lugar. Ele é um singelo restaurante que está quase sempre aberto, o espaço é minúsculo e aconchegante, fica na charmosa Île de Saint-Louis (a ilhazinha que fica atrás da Catedral de Notre-Dame). Aqui a comida é simples, boa e bem feita. Comer lá me da quase a sensação de estar comendo na casa de uma mãe francesa que cozinha muito bem. O local tem preços ótimos, menus completos (entrada, prato principal e sobremesa) por cerca de 14 euros. A rua onde fica o restaurante é pequena e cheia de lojinhas interessantes, não deixa de olhar as vitrines incríveis (amo as vitrines de comida de Paris, passo horas observando, e nessa rua a maior parte das vitrines são de comida). Sugiro que vá jantar lá, é mais calmo que no almoço. Dê um passeio em um fim de tarde nas margens da Île de Saint-Louis (que tem menos turistas que os outros lugares nas margens do Sena, é lindo e calmo), então siga para jantar no Cafe Med. Após isso você terminará seu dia com uma sensação muito boa, mesmo.

As vitrines de Paris (suspiros de amor).

Endereço: 77 rue Saint Louis-en-l’Île, 75004, Paris – Tél: 01 43 29 73 17

  • Café Des Deux Moulins – O lendário café do filme “O fabuloso destino de Amèlie Poulain”. 

Crème brûlée da Amèlie Poulain.

Esse lugar é muito simbólico pra mim. Amo profundamente o filme da Amèlie e estar lá sempre é mágico. Além de ser o café da Amèlie e de ter o crème brûlée mais gostoso que já comi, o café fica no bairro de Montmarte, um dos meus bairros preferidos, cheio de coisas legais para ver. Gosto tanto dessa sugestão que tem um artigo falando exclusivamente dela, clique aqui e veja tudo sobre o Des Deux Moulins e sobre uma tarde inteira em Montmarte!

 

Paris tem um gosto muito bom, além da arte, da poesia, da arquitetura, do luxo e da simplicidade, temos a comida, que é um elementos histórico profundo na cultura francesa. Espero que sinta Paris da melhor maneira possível. Além de seguir dicas, sempre também explore lugares seguindo sua intuição, também é muito bom. Bon appétit!

 

Onde comer em Buenos Aires – 5 sugestões para sentir afetivamente o verdadeiro gosto porteño!

Buenos Aires me deu muito mais do que eu esperava. A riqueza de detalhes e o charme sedutor dessa cidade marcou uma experiência sem prazo de validade no meu coração. E a gastronomia dança nesse mesmo tom – lugares lindos apresentando uma comida com força suficiente para deixar a memória do gosto na gente. A experiência gastronômica em uma viagem é afetiva se rodeada de muitos detalhes – passeios, paisagens, hábitos culturais, temos que comer em volta disso tudo. Compartilho aqui uma experiência afetiva em Buenos Aires através da comida, rodeada de outros elementos e sugestões. Espero que sinta uma parcela da emoção que tento conduzir. Do charme estilo europeu dos cafés elegantes cheio de tango, passando pela carne intensa, também pelo rei alfajor e até mesmo por um “fast-food” moderno e interessante, até chegar nas marcas da cozinha latina expressa nas lindas empanadas. Vem comigo! Buenos Aires tem um gosto muito bom e vale a pena!

  • Empanadas no tradicional El Sanjuanino

Empanadas realmente boas, atendimento rápido e direto (estilo argentino) mas você pode ter a sorte de pegar um dos garçons animados que te servem correndo mas com humor. Os recheios são os mais tradicionais, cardápio bem completo. Peça uma empanada frita, vale a pena! O ambiente é aconchegante, sem luxo e muito agradável, bastante móveis e detalhes em madeira, dando uma sensação rústica e despretensiosa. Peça junto uma boa cerveja argentina ou um gostoso vinho malbec. Preço justo! E já adianto que o lugar é cheio, recebeu muitos prêmios e está em muitos guias, mas vale a pena esperar um pouco para conseguir uma mesa. Eles tem 3 unidades, eu fui que fica no bairro Recoleta. Se for nesse aproveite para dar uma volta no bairro elegante da cidade, olhando a arquitetura singular do lugar (que tem muita influência francesa). O cemitério da Recoleta (onde está sepultada Evita Perón) e os museus mais famosos (como o Museo Nacional de Bellas Artes) são bem perto – se tratando de arte, vale a pena ir lá depois de ir em um dos museus e entender que a empanada é uma arte muito expressiva da cozinha latina e argentina.

Site: www.elsanjuanino.com.ar/

  • Las Cañas: Uma carne à preço justo com um tostado de lembrar pra sempre.

Um lugar maior do que parece (mais de 3 pisos) sempre cheio mas sempre com um lugar sobrando. Massas e carnes são a marca do local. Comi lá o famoso bife de chorizo e um assado de tira que tinha uma crosta tão linda que me conectou fortemente a cozinha de fogo alto, e marcou em mim o gosto da carne e fogo porteño. Muito valeu a pena! Adorei sentar no espaço externo que eles tem, árvores, luzinhas, uma espécie de pracinha com um tom muito latino e fofo. A casa fica na rua Montevideo, quando for lá aproveite para dar um passeio nas redondezas, indo adiante nessa rua, sentido à esquerda do restaurante, chegará em avenidas muito famosas da cidade, ótimo para ver o movimento noturno. Seguindo direto para a direita, depois de alguns quarteirões você chega numa praça muito linda onde fica a também linda construção que abriga o senado argentino. Buenos Aires é iluminada e tem uma noite muito agradável, e essa região mostra isso.

Onde fica: Rua Montevideo, 350.

  • Alfajor Cachafaz ou Alfajor Terrabusi – 2 dos melhores para sentir o gosto do doce rei da cidade.

Não há como ir a Buenos Aires e não comer um Alfajor. Existem muitos realmente bons, os que mais gostei foram esses dois: o da Cachafaz é mais caro, fácil de encontrar em mercados e quiosques de shoppings, muito acentuado e gostoso, com texturas delicadas e macias, adorei! O Terrabusi é mais em conta mas igualmente bom, talvez até um pouco melhor que o outro – achei ele mais equilibrado no doce. Tirar um alfajor da bolsa/mochila e comer durante um passeio em um dos parques lindos chega a dar um entusiasmo na gente, fiz isso umas 4 vezes.

Onde achar: Quase em todos os mercados e quiosques de shoppings.

  • O traço europeu de Buenos Aires e toda elegância do tradicional Café Tortoni

Buenos Aires tem uma forte marca francesa – na arquitetura, em alguns hábitos e no estilo dos restaurantes. É a capital latina mais européia que existe. Tem todo um contexto histórico que explica o esforço dos argentinos para “apagar” a marca da colonização espanhola, e você vê Paris em muitas coisas lá. O Café Tortoni é muito elegante e parisiense – a decoração, a luz, os detalhes. Um lugar muito charmoso para um sensacional café da tarde. Peça os churros da casa e o chocolate quente, divino é pouco! O preço é bem mais barato do que parece, fique tranquilo. Também um bom lugar para comer a famosa medialuna (o croissant argentino). Enquanto come no Café Tortoni pense sobre a América e como é interessante ver um lugar no mundo que traz em si a identidade de outros lugares do mundo que mesmo separados por um oceano tem conexões fortes entre si. A avenida em que o café fica é uma das mais famosas e históricas da cidade, o final dela dá na Casa Rosada, uma delicia de caminhar! E a noite a casa te apresentações de tango, num palco elegante e muito tradicional.

Site: www.cafetortoni.com.ar/br/

  • Um Fast-food charmosinho e moderno no Puerto Madero: Dandy Deli

Puerto Madero tem restaurantes extremamente caros e charmosos. Fui lá no dia em que estava afim de comer um hamburguer bom. Não comi em nenhum restaurante mega caro lá, o que me chamou atenção foi um charmoso fast-food, o Dandy Deli – obviamente sou muito desconfiado com fast-food, mas esse soou diferente, e depois de provar vi que era mesmo. É uma casa completa com várias opções de pratos bem frescos e com doces lindos! A casa faz parte de uma rede grande que tem diversas categorias de restaurantes. Nesse comi um hamburguer de salmão de chorar de bom! Tomei também lá um sorvete de doce de leite memorável. Uma ótima opção para fugir dos preços caríssimos de Puerto Madero. Adorei comer nas mesinhas externas e olhar a paisagem aberta do porto, sentindo o vento que naquele dia estava forte, e bom.

Site: somosdandy.com.ar/

Enfim, Buenos Aires é um mundo de possibilidades, obviamente tem muito mais que essas. Ouse e descubra um lugar novo também, seguindo sua intuição. Isso também é bom. Boa viagem!

 

Onde comer e se emocionar em Toronto (Canadá) – 4 lugares imperdíveis para você sentir a típica gastronomia, 1 lugar para um piquenique emocionante e detalhes dos hábitos apimentados da cidade!

“Comer o lugar” é sempre muito importante – a marca que o gosto deixa é eterna. Através do sabor da comida de um local você navega por traços culturais diversos que compõe aquele espaço. Toronto é uma cidade cheia de possibilidades gastronômicas incríveis, separei 4 sugestões de locais para comer que nos fazem sentir a alma dessa cidade, no gosto da comida e também no entorno do bairro ou atração onde você irá comer. Também vou te contar sobre os hábitos “apimentados” da cidade e ainda indico um lugar para fazer o piquenique mais emocionante da sua vida. Toronto é uma cidade muito gelada no inverno mas que é tão “doce” e acolhedora que você se sente aquecido – doce através da gentileza das pessoas, do aconchego, da confort food que você encontra em todo canto e das paisagens lindas. A comida de lá é tão gentil quanto o povo canadense é. É interessante como a comida sempre nos conta algo sobre o lugar onde estamos, tão lindo isso. Enfim, vamos às dicas.

1) Eggsmart – O autêntico brunch canadense!

img-20140403-wa0012

Brunch: Breakfast + Lunch  – Refeição de origem britânica muito comum na América do Norte, que é café da manhã e almoço em uma refeição só, muito comum de acontecer em domingos e feriados (que é quando se acorda mais tarde).  A comida típica de um local traz o gosto autêntico de sua história e costumes. O café da manhã canadense é uma marca intensa do país. Pesado, intenso, mas delicioso. Comi as 9:00 e só senti fome as 15:00, e não era nada que se diga nossa, como ele está com fome, meu Deus! E o melhor lugar para experimentar um café típico do Canadá é a Eggsmart – uma rede muito legal com diversas opções e combinações de refeições, vai lá amar gente! Tem unidades espalhadas por Toronto! Experimente e, enquanto comer, observe os detalhes, as mesas à sua volta, e note como as pessoas começam seu dia nesse canto do mundo. É uma ótima pedida para começar o dia e carregar bem suas energias para turistar pela cidade num longo dia – muito provavelmente você nem precisará interromper seus roteiros para almoçar. As unidades são charmosinhas e lembrar aquelas lanchonetes dos filmes norte-americanos.

Onde: Existem várias unidades espalhadas por Toronto. Confira no site deles!

Clique aqui e acesso o site do Eggsmart e veja todas informações.

E se quiser fazer em casa as pancakes tradicionais do Brunch canadense, clica aqui e veja receita. 

 

2) Wanda’s Pie In The Sky – As melhores tortas de Toronto! 

img-20140408-wa0003

O Kensington Market é um bairro maior gracinha de Toronto! Lá você encontra ingredientes frescos e de excelente qualidade! Tem de tudo lá! Brasileiros com saudade de comidinhas da terra tropical podem achar um monte de produtos made in Brazil lá – como paçoca, guaraná e pão de queijo! O bairro também é conhecido por ter um mundarel de brechós – que tem muito coisa boa e legal gente! Agora o melhor desse bairro pra mim são as apaixonantes tortas da Wanda’s Pie In The Sky! Misericórdia, é muito bom! Caso de amor-real-eterno com essas delícias! Vale muitíssimo a pena dar uma parada lá e provar! Meu amor maior do cardápio deles é a de banana (essa da foto)! Aí meu coração. É um dos melhores lugares para provar as tão famosas tortas canadenses – marca cultural fortíssima, e um pedaço dessa torta é um abraço canadense forte em você. As tortas norte-americanas são marca forte da gastronomia deles, simbolizam muitas coisas, como por exemplo o ato de dar um torta à alguém – que significa gentileza, gesto de paz, pedido de desculpas ou reconciliação.

Onde: 287 Augusta Avenue, Toronto, ON M5T 2M2 (416-236-7585).

Clique aqui e acesse o site do Wanda’s Pie In the Sky e veja todas informações!

Se você não está em Toronto e quer comer uma tradicional torta norte-americana, clique aqui e veja minha emocionante receita de cheesecake! 

 

3) Soma Chocolatemaker – O melhor chocolate quente do mundo está em Toronto! 

 

Um chocolate quente deixa qualquer inverno mágico. Na verdade que só no inverno o que! Em qualquer momento um chocolate quente bem feito, com ingredientes bons e bem usados, proporcionam experiências tão boas que quase nos fazem voltar a acreditar em fadas. Mas no inverno de fato isso fica bem melhor. Quem visitar Toronto não pode deixar de experimentar o Hot Chocolate da Soma Chocolatemaker! Encantador! Eles tem uma opção que é o Hot Chocolate Spicy – Um chocolate quente com especiarias picantes, incrível! Nunca provei um tão harmônico!

A unidade que visitei do Soma Chocolatemaker fica num lugar lindíssimo, numa área histórica de Toronto chamada  Distillery District, um lugar fofo com restaurantes, galerias de arte, local muito frequentado por artistas. Vale apena o passeio por lá! Ainda contando que indo lá você encontra a delícia do Hot Chocolate da Soma, vale mais a pena ainda! Eles tem diversos produtos derivados de chocolate por lá, e lá mesmo fabricam o que vendem, podemos ver por um vidro alguns passos da produção, é bem legal! os preços não são os mais em conta mas não são absurdos, com $5 dólares você toma o famoso Hot Chocolate. Visite e seja feliz!

Onde: 32 Tank House Lane, Toronto, Ontario, Canada, M5A3C4

Clique aqui e acesse o site da Soma Chocolatemaker e veja todas informações!

 

4) 360 Restaurant – Alta gastronomia no topo da CN Tower!

IMG-20140215-WA0024

Uma das mais incríveis experiências gastronômicas da minha vida foi almoçar no 360 Restaurant –  um restaurante de Toronto que fica no alto da famosa CN Tower. Ele tem esse nome porque é um restaurante giratório que da uma volta de 360º no período de 1 hora. O restaurante é lindo, a comida é sensacional e a vista que você tem de toda a Grande Toronto de lá de cima é um espetáculo, sem contar a sensação gostosa de ir girando (numa velocidade muito tranquila que quase não se sente) e vendo a paisagem mudar, podendo ver Toronto de todos os ângulos e a mais de 350 metros de altura! Quem visita Toronto normalmente já visita a CN Tower, então super vale a pena conhecer o restaurante!

Algo bacana é que se você faz uma refeição no restaurante (uma refeição completa com entrada, prato principal e sobremesa fica em torno de 55 dólares – é o preço fixo para um menu completo) você não paga ingresso para acessar a CN Tower (que custa cerca de 30 dólares), acaba que super compensa em questão de valores, pois você gasta cerca de 30 dólares a mais e tem a experiência incrível de comer no 360 Restaurant!

 

O restaurante é elegante, muito bem servido e o menu é incrível! Quando fui, comi de entrada um foie gras servido com uma geleia de frutas vermelhas e torradas (adorei o sabor, só não gostei muito da consistência que estava meu foie gras), de prato principal escolhi o Pan Seared Atlantic Salmon & PEI Mussels – Um salmão servido com mexilhões acompanhados de um molho muito bom! Prato divino! E de sobremesa pedi a famosinha do restaurante: Dark Chocolate Tower – Uma torre feita de uma espécie de creme de chocolate e baunilha, servida com frutas azedinhas e um molho de vinho do porto, é maravilhosa também!

O restaurante é impecável e vale super a pena! E após almoçar no restaurante você pode aproveitar as outras atrações da CN Tower (andar no chão de vidro e ter a sensação de estar voando e apreciar a paisagem de Toronto no outro salão da Torre). Esse almoço e tudo que está em volta dele é uma das mais lindas lembranças que guardarei de Toronto, muito especial e diferente, marca e vale a pena! E ah, o lindíssimo aquário de Toronto, o Ripley’s Aquarium of Canada fica ali do lado da torre, aproveite para emendar a visita, ele é lindo e impressionante! Vale super a pena!

20140215_112413

Onde: 301 Front St. West (&John St.), fica do lado do Ripley’s Aquarium of Canada.

Clique aqui e acesse o site do 360 Restaurante e veja todas informações!

Além dessas 4 sugestões de lugares para comer, tenho um artigo-poético sobre um lugar em Toronto para fazer o piquenique mais emocionante da sua vida. Clique aqui e veja tudo sobre como fazer um Piquenique gelado no Bluffer’s Park em Toronto!

Também tenho um artigo que te conta detalhes dos hábitos apimentados de Toronto, e sobre a pimenta que reina lá em vários pratos, clique aqui e veja tudo sobre a pimenta de Toronto! 

Enfim, espero que tenham sentido o quanto essa cidade é diversa e incrível! Esses 4 lugares e outras 2 sugestões são só uma amostra, ela tem uma gastronomia rica, aconchegante e cheia de graça! Um charme a parte! Desfrute!

IMG-20140406-WA0036

A pimenta em Toronto – Sobre os hábitos alimentares da cidade.

20140402_195402

Dundas Square – A esquina mais movimentada de Toronto.

Na foto acima, eu encontrando mais uma vez, na comida de rua, a pimenta de Toronto. Hot Dog, Dundas Square, luzes, muita gente, de vez em quando um herói da Marvel, agitação, esquina que da para encontrar o mundo – A pimenta quase constante dessa cidade combina com o movimento quase constante dessa esquina agitada e picante – que não para e insiste, que nem o ardor da pimenta. Mas enfim, pimenta pra mim é amor intenso, ardente e sensual, mas para alguns pode ser terror total (até rimou, vejam vocês), então quem viaja para Toronto e não está acostumado com os hábitos alimentares da cidade, deve tomar alguns cuidados!

Canadenses apimentam quase tudo, e o nível é hard! Pimenta-do-reino nem é considerada “ardida”, é acrescida em muitos pratos que não são considerados apimentados, estando presente inclusive no McChicken de lá, eles a consideram um condimento suave, a usam em uma quantidade grande que promove um bom nível de ardor, mesmo assim não consideram ela capaz de fazer arder – mas que coisa, não? Mesmo a comida no geral não levando muitos condimentos diversos (como aqui no Brasil), a pimenta está sempre disponível e presente.

Andando pela cidade você já nota o gosto local por comida “hot”, tem muitos restaurantes indianos e mexicanos, pimenta brilha muito lá! Talvez a sensação térmica que eles experimentam na cidade a maior parte do ano, onde as temperaturas bem negativas predominam, ajude na construção cultural desse apreço todo por pimenta.

Eu adoro pimenta em tudo e não ligo nem um pouco, mas quem tem intolerância ou sensibilidade deve ficar atento, e questionar que condimentos vão em um prato antes de pedir ele, pois se não pode ter uma surpresa, como vi muita gente que não é da cidade ter. E não adianta perguntar apenas se o prato é “spicy”, pois o que é apimentado para eles talvez não seja para você, seja mais especifico e pergunte dos condimentos que podem arder, como pimenta calabresa e pimenta-do-reino.

Se você ama pimenta que nem eu, não deixe de provar uma poutine (prato tradicional canadense, clique aqui e veja mais sobre, até já ensinei ela) apimentada. Também indico um frango em algum dos restaurantes asiáticos, um taco ou burrito e uma costela de porco! Aff, que ardidinhos lindos que os canadenses fazem nesses pratos, eu amo!

Des Deux Moulins – O Café da Amélie Poulain e um passeio por Montmartre (Paris).

20140503_155937

Fachada do Des Deux Moulins

Parada obrigatória em Paris para quem, assim como eu, ama o filme O Fabuloso Destino de Amélie Poulain (Le Fabuleux Destin d’Amélie Poulain), pois trata-se justamente do café em que Amélie trabalha no filme:  Des Deux Moulins (Sim, ele existe!). Para quem se encantou com a poesia desse filme (que ficou bem famoso mundo a fora) é uma experiência que agita o coração entrar no lugar e conseguir identificar todo o cenário daquela história carregada de poesia e detalhes “doces”. Eu adoro o filme e toda a “poesia do simples” que ele evoca, e estar lá foi sensacional. É um lugar indispensável de visitar para aqueles que sabem “que até mesmo as alcachofras tem coração…”

O Café fica bem perto de dois moinhos: O Famoso Moulin Rouge e o Moulin de la Galette, daí o nome: Des Deux Moulins (Os dois moinhos). É um lugar na maioria das vezes cheio, pois é bem famoso e muitos turistas de todo canto se espremem nas pequenas mesas do café. Mas o lugar, além de todo o encanto que traz do filme, é agradável e fofo, os garçons são gentis (e lindos, diga-se de passagem), fui atendido por um que falava português (sorrindo, vejam vocês), o que facilitou o pedido.

Interior do Café, onde se pode ver Amélie sorrindo ali atrás...

Interior do Café.

Há objetos usados no filme que ficam expostos no café. Quanto ao cardápio, eu fui direto em um “combo” que é um café (ou um chocolate quente) que acompanha o famoso Crème Brûlée, pois eu jamais poderia perder a experiência de quebrar a casquinha dessa linda e simbólica sobremesa e sentir a felicidade discreta que tal ato produz. E isso tudo custou cerca de 14 euros (preços em 2017). O preço lá não é muito barato, mas com 14 euros você já sente a magia da Amélie, e tá bom).

20180303_193518.jpg

Não comi outras coisas, mas dizem que há lugares melhores ali por perto mesmo em Montmartre, onde se pode experimentar melhores e tradicionais pratos franceses. Mas o que me interessava lá era Amélie, a magia conectada à essa obra e o Crème Brûlée, e foi isso que fiz, e saí bem feliz! AH, perto do banheiro há uma mini exposição (na verdade, um balcão) com objetos originais usados no filme, veja e chore de emoção, que nem eu!

Endereço: 15 Rue Lepic, 75018 Paris, França – Site: http://cafedesdeuxmoulins.fr/pt

Dicas: Aproveite para visitar outros endereços ilustres que também ficam em Montmartre, nas redondezas do café da Amélie: A Basílica de Sacré Coeur (também cenário do filme) é linda e gigante, o gramado nos entornos das escadarias são perfeitos para sentar, comer algo e ver a vista linda de Paris (fica numa região alta então a vista é emocionante). Dica: Cuidado com os vendedores ambulantes, eles podem ser meio agressivos, digo, insistentes, colocam as pulseirinhas no seu braço como se fossem presentes e daí cobram, então a dica é: se não estiver afim de comprar, feche a cara um pouco e siga dizendo um “merci” sem parar para dar atenção. O Moulin Rouge também está ali pertinho, a noite ele é muito mais lindo que de dia (com as luzes vermelhas deslumbrantes). Por ali você também pode ver a fachada da casa onde morou o pintor Vicent Van Gogh, fica bem perto do Moulin Rouge. A Place Du Tertre fica quase ao lado da Basílica, uma praça famosa pelos artistas pintando a céu aberto e restaurantes fofos ao redor, e lá também é um ótimo endereço para comprar aqueles famosos pôsteres da Belle Époque de Paris! Olhem só:

20140503_153748

A Place Du Tertre – Com seus charmosos restaurantes e artistas pintando à céu aberto.

20140503_144349

A incrível Basílica de Sacré Coeur, também bastante presente nos cenários do filme.

20140503_170433-1

o Simbólico Moulin Rouge! Fica bem pertinho do Café.

20140503_155222

A fachada da casa onde morou o famoso artista Vincent Van Gogh, 54 Rue Lepic.

20140503_151738

Uma charmosa rua perto da Basílica de Sacré Coeur, onde se pode encontrar os famosos posteres da Belle Époque e uma série de artigos para lembrancinhas.

Montmartre é um bairro lindo e cheio de história, todos os movimentos artísticos históricos que tiveram Paris como palco ocuparam muito esse bairro, então a marca artística e boêmia da região perdura até hoje. Aproveite!

Piquenique gelado no Bluffer’s Park, Toronto.

20140311_154021

O encontro entre algo de comer e um lugar. Toda vez que eu comer de novo folhado de chocolate eu vou lembrar que o mundo pode ser surpreendente e que o vazio e silêncio dizem bastante coisa quando estamos dispostos a ouvir. Tudo aquilo que uma refeição pode gravar em nossa vida é algo sensacional, é por isso que acredito que o ato de alimentar-se ou preparar alimentos tem algo de “divã”. Texto sobre um piquenique, praia congelada, amor, folhado de chocolate, nozes, punch de 99 centavos e pássaros dançando. Algo de poesia bem bonita, que agora tem o gosto de folhado de chocolate. Porque o gosto de alguma coisa às vezes é o gosto sensacional da própria vida.

Em meados de fevereiro Toronto é gelo puro. Existem alguns parques mais próximos do centro de Toronto que mesmo no frio você encontra bastante gente (como o High Park). Já o Bluffer’s Park é mais distante do centro, o que o faz bem vazio no inverno.  Fazer um piquenique gelado lá, em pleno rigoroso inverno canadense, foi uma das experiências mais sensacionais que já tive – porque piquenique não tem só a ver com dia de sol e verde intenso.

20140311_153339

 O Bluffer’s Park é uma mistura de parque, marina, praia, e um monte de penhascos rochosos (que são chamados de Bluffers). No inverno ele soa como um pedaço esquecido de alguma coisa. Acho que por isso que foi tão significativo. Lugares que parecem pedaços esquecidos tendem a nos fazer lembrar de pedaços nossos fundamentais, mais ou menos esquecidos. Todo mundo que vai para Toronto no inverno devia fazer um piquenique lá. Todo mundo devia lembrar dos seus pedaços fundamentais quase esquecidos.

Esse post é mais sobre amor. O Bluffer’s Park naquele dia foi amor, foi contato autêntico. Um dia inteligente e cheio de possibilidades, onde deu pra entender algo sobre “Anything could happen”. E tudo teve gosto de algo.

20140311_153105

O Bluffer’s Park fica em Scarborough, distrito da Grande Toronto. Não paga nada para acessar. Não é um local muito famoso. Fica mais cheio no verão (há churrasqueiras públicas e muitas famílias as usam em dias mais quentes). É um lugar lindíssimo de se visitar também no outono canadense. O melhor jeito de chegar lá é de carro, porém você pode ir de TTC (como é chamado o transporte público de Toronto). Para essa opção você deve pegar o metro até chegar na Kennedy Station (Linha 2 Verde), e dentro dessa estação pegar o ônibus 12A (Linha 12A em direção a West – 12A Kingston Rd Towards Victoria Park Station Via Brimley and Variety Village). Você deve descer no cruzamento da Kingston Rd com a Brimley Rd, e de lá ir andando até o parque (é uma caminhada boa, mas vale a pena!). O Google maps faz certinho esse trajeto por transporte público.

IMG-20140311-WA0037

20140311_162244

Acho muito interessante, durante as viagens, que você procure por lugares não tão populares, costumam ter jóias escondidas por aí. Toronto é muito mais do que a CN Tower ou que a Dundas Square.