Onde comer e o que fazer para se emocionar no Monte Saint-Michel – França

Mistério, história, comida antiga com receitas que são as mesmas há mais de 1000 anos e paisagens de fazer a respiração pausar. O Monte Saint-Michel, uma pequena ilha rochosa com a imponente Abadia e vila medieval, fica situado na região francesa da Normandia. Estar lá é uma experiência misteriosa e profunda que conduz a gente para um estado de espírito diferente – você parece que sai do seu tempo e da sua vida e entra num outro período do mundo – tem ideia do quanto isso é delicioso e impressionante? Vale realmente a pena conhecer esse canto do mundo – durante o dia, mas principalmente, durante a noite – explico porque abaixo!

Primeiro vou te dar 3 dicas de onde comer e se emocionar no Monte Saint-Michel, e depois conto detalhes sobre a história do Monte, onde se hospedar e o que não deixar de fazer por lá!

Onde comer e se emocionar no Monte Saint-Michel:

1) As emblemáticas omeletes no La Mère Poulard

Fachada do La Mère Poulard, à noite.

As omeletes são simbolo absoluto da gastronomia do lugar. La Mère Poulard ficou conhecida na época em que servia omelete para os peregrinos que passavam por lá e ficavam ilhados no local quando a maré subia e isolava o Monte. Por ser uma comida barata e rápida, a omelete era feita em grande quantidade e servida à eles. Outro elemento famoso desse lugar são os biscoitos, que eram distribuídos para as crianças que acompanhavam os peregrinos (lá você encontra os biscoitos também ainda hoje).

A omelete é singular, diferente de qualquer uma que já provei, é gigante e absolutamente fofa, leve mesmo, quase uma espuma. É servida com 1 acompanhamento e se estiver com pouca fome, peça para compartilhar com alguém (com pouca fome serve 2).

Cozinha do La Mère Poulard

Há uma cozinha aberta onde você pode passar e ver os cozinheiros batendo as omeletes à mão – eles fazem a receita da mesma forma como ela é feita há quase 1000 anos na região – e a emoção de comer algo tão ancestral num lugar tão ancestral quanto? Arrepia, sério. Não é tão barato para uma omelete, mas vale a pena. Sinta todo traço da história e tradição do lugar através desse prato simples e tão simbólico. Vemos aqui um traço marcante pra mim da gastronomia francesa, que é fazer de algo tão simples (como uma omelete) uma coisa emocionante e brilhante.

Clique aqui e veja todas informações do La Mère Poulard

Endereço: Grande Rue, 50170 Le Mont-Saint-Michel, França

2) Coma um dia na charmosa vilinha (que fica ainda no continente, antes do Monte)

Sopa de cebola

Na beira da passarela que leva ao Monte, fica uma vilinha charmosa com pouquíssimas construções. Me hospedei lá e na noite que cheguei jantei num restaurante chamado Restaurant La Rôtisserie – A comida é singela e caseira até, nada espetacular, mas gostosa e delicada, principalmente a sopa de cebola e Ilha flutuante (uma sobremesa bem francesa que consiste numa espuma delicada flutuando num creme simples e absolutamente bom).

Ilha flutuante

 Adorei o charme dessa vilinha que parece esquecida e perdia no mundo, comer lá foi aconchegante e curioso. Sinta todo o marasmo poético enquanto come nesse lugar – acho que poético é a palavra pra esse pedacinho do mundo.

Uma casinha encantadora nessa vilinha

Endereço: Route du Mont Saint Michel, 50170 Le Mont-Saint-Michel, França

3) Ostras

O Monte Saint-Michel fica bem entre a região da Normandia e Bretanha – essa última é uma região francesa muito famosa pelas ostras, e no Monte sentimos essa marca – muito famosas na região, as ostras lá são fresquíssimas, vale a pena provar. Eu não consegui comer nenhuma lá e lamento muito, mas amigos que confio super no paladar e opinião comeram e indicam, todo frescor é verídico. Eu acho que o mais bacana quando você viaja é se propor provar a gastronomia mais comum e habitual do lugar, para sentir o lugar através do gosto – como sabemos, a memória que o gosto deixa, é eterna. Coma ostras em Monte Saint-Michel e sinta o terroir puro da região. Quase todo lugar lá vende ostras, não tem erro.

 

O Monte Saint-Michel

Com certeza um dos lugares mais impressionantes que já fui na vida. Uma ilha rochosa onde a construção imponente da Abadia e vilarejo aos seus pés parece ser parte das rochas que constituem a própria ilha. A sensação de caminhar no Monte Saint-Michel é de se deslocar no tempo completamente. As construções conservam tudo que é original, então você se sente mesmo numa vila medieval, não tem quase nenhuma construção moderna lá.

Além da Abadia, construção mais imponente da pequena ilha que lembra um castelo, há uma vilinha aos pés da ilha com hotel, restaurante, lojas e outros estabelecimentos.

Vilarejo no Monte

Detalhe da Abadia

A abadia foi construída no século XIII, em homenagem ao Arcanjo São Miguel, e faz parte de diversos períodos históricos da França (como lugar de refúgio e fortaleza em períodos de guerra). Acredito que pelo aspecto misterioso e um tanto obscuro que o lugar tem, se tornou palco de muitas lendas e contos místicos – caminhando por lá a noite você entende isso melhor, rs, é meio macabro, mas lindo.

Como ir até o Monte

Eu fui de Paris até o Monte Saint-Michel de carro e se você puder, indico demais ir assim, pois as paisagens no caminho são absolutamente lindas, e você pode ir parando nos pontos que quer para olhar, tirar fotos, ou até dar umas voltas nas pequenas e graciosas cidades da Normandia. De Paris até lá de carro dá cerca de 4h de viagem, sem parar, parando leva mais que isso. Sugiro sair de manhã de Paris e dedicar 1 dia para a viagem, se programando para chegar no final da tarde no Monte, assim você tem tempo de parar e apreciar tudo no trajeto – apreciar o caminho vale tanto quanto o destino. Dica: Para viajar de carro na França você pode pegar as auto estradas direto ou, em partes dos trajetos, ir por dentro das cidades – indico, se tiver com tempo, que passe por dentro, será chance de conhecer muitos cantinhos charmosos do interior francês.

Caminhos até o Monte

Onde se hospedar:

Há hotéis na própria ilha (fortificação) do Monte, que são mega interessantes pois são também construções extremamente antigas – a sensação de se hospedar aos pés da Abadia dentro do vilarejo deve ser alucinante, porém, é caro. Para economizar sugiro se hospedar nas redondezas da ilha – ainda na parte do continente tem uma vilinha charmosa onde há alguns hotéis e restaurantes (um deles é onde indiquei comer nas sugestões de gastronomia). Minha dica de hospedagem é o Hôtel Gabriel – Ele é super novo, com instalações ótimas, limpo, fofo, atendimento gentil e o melhor – um café da manhã incrível – cheio dos deliciosos queijos e manteigas da Normandia! E o preço foi o melhor custo benefício que encontrei na época.

Hôtel Gabriel – Route du Mont Saint-Michel, La Caserne, 50170 Le Mont-Saint-Michel, França

O que não deixar de fazer no Mont Saint Michel

O que quero mais ressaltar é que você deve fazer uma caminhada diurna e outra noturna pelo Monte. De dia, visite a Abadia, os restaurantes, lojinhas, e veja todo detalhe da arquitetura impressionante do lugar. A noite, tenha uma experiência misteriosa e um pouco macabra (mas linda) de caminhar por lá e se sentir deslocado no tempo – durante a noite não há dezenas de turistas, então, estando ali com tudo meio vazio, a sensação de ter voltado no tempo é muito intensa! Chega a dar um medo, mas vale demais a pena! A melhor coisa para se fazer no monte é isso: caminhar, olhar e sentir cada encanto da arquitetura e paisagem. E a noite a iluminação é bem baixa no Monte, dando ainda mais sensação de estar em outro tempo da história.

Visão da passarela antes de chegar no Monte

Há uma passarela (de uns 2km) para chegar até o monte que fica acessível a noite, porém é um caminho meio escuro – fui com mais 3 pessoas e ficamos com um pouco de medo, mas isso fez parte da emoção e foi tudo muito seguro. Há ônibus que fazem o trajeto, saem de 15 em 15 min e funcionam das 7h à meia noite, mas eu jamais pegaria um ônibus e perderia a chance dessa caminhada – tanto de dia quanto de noite, fomos à pé.

A iluminação noturna do Monte é misteriosa e deixa a experiência linda.

A maré atinge diversos picos ao longo do ano e mesmo em um único dia varia, muita gente busca visitar o Monte em épocas de maré cheia para ter a experiência de ver ele totalmente isolado do continente (mesmo assim ele fica acessível, mas pela passarela). Se quiser checar os períodos de maré, clique aqui.

Aproveite, se emocione e guarde, através de todos seus sentidos, esse lugar dentro de você!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s