Como fazer Clafoutis! Sobremesa de casa de vó francesa!

Clafoutis – Uma sobremesa típica da região de Limousin, na França! Esse é o tipo de doce que uma avó francesa faz para seus netinhos – absolutamente aconchegante! Consiste em frutas assadas em uma massa simples de ovos – originalmente ele é feito com cerejas, mas qualquer fruta madura e emocionante te dá um clafoutis lindão! Fazendo essa coisa fofa vamos nos sentir numa casa de vó francesa – porque como sabemos, a cozinha pode nos transportar para qualquer lugar do mundo!

Clique aqui e veja o vídeo completo da receita de clafoutis no IGTV no meu Instagram.  Lá tem um passo a passo bem detalhado que te ajudará muito! E aproveita e me segue por lá, sempre tem receita nova!

Ingredientes (rende 6 porções):

  • 4 ovos
  • 150g de açúcar
  • 2 colheres de sopa de farinha de trigo
  • 250g de morangos ou cerejas, ou que fruta você quiser.
  • 20g de farinha de amêndoas
  • 100 ml de leite
  • 100g de creme de leite (de preferência fresco)
  • Uma pitada de sal

Você vai precisar de 6 ou 7 ramequins untados (com manteiga e farinha) ou uma forma grande de mais ou menos 19×20.

Modo de preparo:

Pré-aqueça o forno à 190 graus. Em um bowl, misture os ovos com o açúcar e a pitada de sal e bata até esbranquiçar. Acrescente a farinha de trigo e a farinha de amêndoas e incorpore na mistura. Em seguida acrescente o leite e o creme de leite e incorpore, reserve. Distribua os morangos nos ramequins (ou na fôrma única, se for usar) – gosto de deixar eles inteiros. Em seguida distribua a massa pelos ramequins, deixando uma pontinha dos morangos para fora. Leve ao forno e asse por 30/40 minutos, até firmar e dourar. Pronto! Sirva quente ou frio – eu amo morno. Seja feliz comendo!

Obs: Ao assar eles crescem, mas quando tira do forno murcha, é assim mesmo, fique em paz.

Anúncios

Como fazer uma clássica farofa de ovo – das memórias da minha infância.

Sempre amei ovos. Quando eu era criança e ia “brincar na cozinha” nas tardes vazias, adorava fazer farofa de ovo, inventava mil tipos – com restinhos de vegetais, pedaços esquecidos de bacon ou sobras de carne seca. Fiz tantas que fiquei bom nelas. Quando tinha uns 11 anos, fiz uma que uma tia provou e ficou impressionada. Me senti mágico nesse dia. Ovos eram pra mim uma chance bonita de criar algo bom, acho que por isso os amo tanto, acho o ingrediente mais incrível que existe (obrigado pra sempre, galinhas). Vira e mexe volto a brincar de farofa de ovos. A cozinha foi um bom lugar para estar na infância. Essa é uma farofa simples, das clássicas que eu criava, que significa muito pra mim!

Ingredientes (para em média 2 porções):

  • Meia cebola picada
  • 1 dente de alho picado
  • Sal e pimenta-do-reino à gosto
  • 3 colheres de sopa de azeite de oliva
  • 1 colher de sopa de manteiga
  • Cerca de 5 tomates-cerejas cortados ao meio
  • Pimentão vermelho picado à gosto
  • Cerca de 3 ovos
  • Zathar à gosto (tempero opcional)
  • Farinha de mandioca (o quanto bastar)
  • Coentro picado para finalizar

Modo de preparo:

Refogue a cebola com uma pitada de sal na manteiga e no azeite , acrescente o alho até ele fritar, então coloquei tomate-cereja cortado ao meio e pimentão vermelho. Refogue. Coloque os ovos e mexa sem parar – para que eles cozinhem se unindo a cremosidade da manteiga. Então, antes do ovo ficar seco, coloque a farinha de mandioca e mexa, torrando sutilmente a farinha. Tempere com sal, pimenta e zathar. Finalize com coentro picado. Pronto. Nas quantidades seja intuitivo, é bom à vezes. Veja se sente vontade de colocar menos ou mais algum elemento. Dá certo. Tem mil jeitos de fazer farofa de ovos. Não precisa fazer exatamente essa, inventa uma e me conta, vai ser legal.

Como fazer tartine de pera com presunto cru!

A palavra “tartine” vem do verbo francês “tartiner”, que significa “espalhar no pão”. É o termo que designa os famosos sanduíches abertos franceses, que consistem numa fatia de pão maravilhoso coberto com algo que combine bem e faça sentido! Essa combinação é uma das minhas preferidas – a pera casa muito bem com um queijo, e o presunto com toque de mel faz tudo ficar absolutamente emocionante! Super simples e muito bacana para um aperitivo, lanche da tarde ou para surpreender seus convidados com uma entrada muito boa!

Clique aqui e confira no IGTV do meu Instagram video completo com passo a passo dessa tartine! Aproveita e me segue por lá! Sempre saí receita nova! 

Ingredientes (para cada porção):

  • 1 fatia de pão (uso baguete, mas pode ser o que preferir)
  • Umas 4 ou 5 lâminas de pera (pode ser com casca)
  • Uma fatia de presunto cru (pode ser cozido se quiser)
  • Uma colher de sobremesa de mel
  • Queijo brie à gosto (uso uns 4 pedaços)
  • Azeite de oliva extravirgem

Modo de preparo:

Regue a parte interna da fatia de pão com azeite. Coloque então as lâminas de pera, o presunto, o queijo brie e finalize com o mel. Leve ao forno pré-aquecido à 200 graus por 5 minutos mais ou menos – até o queijo derreter e a bordas sutilmente começarem a dourar.

Onde comer em Londres – Uma autêntica experiência londrina em 6 atos gastronômicos.

Como sempre digo: Quando viajar, “coma o lugar”. A comida é sempre uma forte marca cultural que conta muita coisa de onde você está. O gosto de algo marca uma cena, e a memória que o gosto deixa é eterna. E ao contrário do que muitos pensam, Londres tem uma gastronomia forte e interessante, cheia de influências de diversas culturas. Quero compartilhar com vocês uma verdadeira experiência gastronômica londrina em 6 atos – Não apenas 6 locais para comer, mas 6 momentos e maneiras de comer que te farão tocar Londres intensamente. Começando por um café da manhã inglês forte e curioso, passando por um almoço simples ao ar livre em um dos parques lindos da cidade, seguindo por um tradicional chá da tarde inglês e finalizando com 3 opções para comer a noite: um restaurante inglês típico, um restaurante para provar o famoso curry inglês – a famosa comida indiana de Londres – e um autêntico e bom pub. Vem ver o que tem de bom na incrível cidade da Beth, que é muito mais que só fish and chips!

 

  • Primeiro ato: O grandioso e farto café da manhã inglês na Patisserie Valerie.

Really English Breakfeast.

Esse lugar é famoso pelos seus lindos bolos (o item mais apreciado da confeitaria inglesa), porém lá você consegue fazer qualquer refeição. Eles tem um cardápio super amplo a preços acessíveis, e tomar seu café da manhã lá te trará uma experiência extremamente inglesa para começar o dia – Peça o English Breakfeast – vem com ovos pochés, tomates assados, feijão, linguiça, presunto, cogumelos, manteiga e torradas – (um prato serve 2). É uma delícia, alimenta você bastante e permite que depois você faça um almoço mais leve no parque (que é o segundo ato). Enquanto come sinta o contraste desse café da manhã com aquilo que você está acostumado na sua cultura, sinta a diferença e pense no quanto ela é interessante, no quanto o mundo é grande e diverso… 

Há diversas unidades na cidade, clique aqui e veja o site da Patisserie Valerie para mais informações. 

 

  • Segundo ato: Comprar um “Meal Deal” (refeição pronta) em uma das unidades da rede Tesco ou da Pret A Manger.

Vista no lindo Primrose Hill.

Na hora do almoço uma das coisas mais comuns em Londres é ver os parques e alguns outros locais públicos cheios de pessoas com seus “meal deals” almoçando ao ar livre. Isso é muito londrino. O meal deal é uma refeição completa vendida em muitos lugares (mercados, lanchonetes e até farmácias), é composto de um prato principal, um snack e uma bebida por um preço fixo (normalmente £3). Comprar sua comida e ir comer no parque te faz experimentar uma comum atmosfera da cidade, muita gente lá faz isso. Você pode comprar sua refeição na famosa rede Tesco (uma loja que tem de tudo) ou na Pret A Manger (gosto mais dessa, ela só trabalha com produtos frescos e suas refeições são feitas artesanalmente, custa um pouco mais mas acho que compensa). Depois é só escolher um dos parques lindos da cidade e fazer sua refeição – meu preferido é o Primrose Hill – Onde você consegue ter uma das melhores vistas de Londres. Também adoro o St James Park e o Hyde Park. Amoce na grama, olhe em volta, sinta-se tocando um hábito cultural de onde você está.

Uma salada fresquinha do meu meal deal.

Clique aqui para ver as unidades do Tesco ou aqui para ver unidades do Pret A Manger . 

 

  • Terceiro ato: O tradicional chá da tarde inglês, novamente no Patisserie Valerie.

Os famosos bolos da Patisserie Valerie.

Não faz muito sentido ir à Inglaterra e não tomar um chá. O tradicional chá da tarde é uma refeição muito famosa na cidade, e todo mundo quer provar – por isso os preços são altos – existem locais que oferecem a famosa refeição por preços absurdos (em combos que vem até champagne) e locais mais simples. Normalmente oferecem a refeição em um combo, um valor que vem o chá e diversas especialidades, docinhos, sanduichinhos, etc. Para seu tradicional chá da tarde inglês indico novamente a Patisserie Valerie, o preço é um dos melhores e as coisas são gostosas, considero que vale a pena para provar o tradicional chá sem pesar muito no bolso! Também aproveite para prestar atenção no detalhe das vitrines de doces das lojas das unidades. Olhe como eles destacam os bolos. É uma experiência legal olhar a vitrine de doces e em seguida olhar para o ritmo nas ruas londrinas, gosto de relacionar os detalhes da cidade, é algo poético e sensível, faz a gente sentir algo bom, se estivermos dispostos. Se puder escolher ir em alguma unidade perto de algum parque vá, saindo do seu chá veja o entardecer em algum canto bonito verde da cidade. É bom.

Clique aqui e veja mais informações sobre a Patisserie Valerie.

 

  • Quarto ato: Opção de jantar: um prato completamente inglês no agradável Garfunkel’s Restaurant.

Proper pie.

Um das coisas mais gostosas que comi em Londres foi a famosa “Proper pie” – um bolo de carne  – algo que está mais para uma torta de carne. É vendida em muitos lugares (inclusive você pode encontrar ela em um dos famosos pubs da cidade), mas a que mais gostei foi uma que comi em um restaurante da rede Garfunkel’s – o recheio era extremamente suculento e marcante. Normalmente ela é servida com um purê de batatas e legumes. No Garfunkel’s tem um Fish and Chips (o famoso peixe frito com batatas fritas) bem gostoso também, mas essa torta é maravilhosa e você precisa provar, sério. Esse prato é aconchegante e da a sensação de uma comida inglesa caseira, de mãe. Sinta esse aconchego, é bom. Também se puder sente perto de alguma janela do restaurante e enquanto come olhe as luzes de Londres do lado de fora, o ritmo das pessoas, e coma junto com essa sensação.

O Garfunkel’s tem diversas unidades espalhadas pela cidade, clique aqui e veja mais informações. 

 

  • Quinto ato: Opção de jantar: Sentir o ardor emocionante da popular comida indiana em Londres – o curry inglês!

20180910_082007

Os londrinos amam a potente e apimentada comida indiana, então existe uma infinidade de restaurantes da categoria por lá, eu escolhi ir em um da popular rede Masala Zone.  O curry é um prato indiano tipicamente inglês, que designa um preparo de carne, frango ou peixe feito num molho apimentado e muito bem temperado. Cada restaurante faz o seu “curry” misturando as especiarias de sua preferência (cominho, gengibre e cardamomo costumam ser bem presentes). Aquele temperinho amarelo que conhecemos como curry aqui no Brasil é chamado pelos ingleses de “curry powder” ou “curry paste”. Nos cardápios dos restaurantes indianos por lá você pode não achar um prato descrito como “curry”, porque curry é o termo para o tipo de preparo da carne em determinado molho, os pratos feitos no estilo “curry” tem nomes próprios. Um dos favoritos dos ingleses é o Chicken Tikka Masala – um frango no estilo mais autêntico do curry. Quando fui em uma das unidades do Masala Zone (a do bairro Soho) já perguntei por algo que tinha o famoso Tikka. O garçon me sugeriu esse prato da foto, o Grand Thali – que vem com o chicken tikka masala, arroz e pão típicos da culinária indiana, 2 sabores de chutneys e dois molhos feitos com legumes – segundo o garçon o prato diverso com pequenas porções é um bom jeito de provar o sabor da comida indiana. Não sei toda composição dos pratos porque francamente não consegui entender tudo do inglês rápido do garçon, mas é tudo absolutamente forte, temperado e bom – mas só vá se você amar pimenta. Arde mesmo. Indico também lá uma bebida que é feita com coca-cola e cominho, surprendentemente boa. Adorei provar a intensidade da comida indiana, sai ardendo de felicidade.

Clique aqui e acesse o site da rede Masala Zone para ver o endereço das unidades. 

  • Sexto ato: Opção de jantar e bar para curtir a noite londrina – Pride of Paddington, um autêntico pub inglês! 

20180910_082102

Ir num pub em Londres é absolutamente típico – um lindo jeito de ver de pertinho o estilo de vida londrino – vá numa hora cheia, tipo entre 18:00 e 21:00, é mais legal pra ver o movimento da cidade e entendê-lo. Adorei ter minha experiência de pub inglês no Pride of Paddington, atendimento entusiasmado, cerveja boa e um fish and chips muito gostosinho pra acompanhar a situação! – Sim, foi lá que comi pela primeira vez o famoso fish and chips. Além de um filé grosso e suculento de peixe vem peixinhos pequenos inteiros também, adorei isso!

Endereço: 1-3 Crave Road Paddington, Londres. W2 3BP.

Clique aqui e acesse o site do Pride of Paddington

Essas experiências gastronômicas são uma forma de ir além do comum e entrar em contato com a cultura do local de diversos jeitos. Mas ela precisa ser feita com sensibilidade  – coma os pratos, olhe em volta, observe as pessoas, sinta toda a atmosfera enquanto o gosto da comida acontece. A experiência será plena. Isso é emocionante. Londres é linda e tem um gosto muito bom! Aproveite!

Jamile Restaurante – a experiência de assistir a energia da cozinha ir para o prato e depois para você.

A cozinha viva do @jamile_restaurante , que acontece na sua frente enquanto você come (ela fica aberta no salão da casa) exala uma energia incrível, tornando a experiência ali algo muito genial – a energia que você assisti acontecendo na movimentação bonita e harmônica da cozinha vai para o seu prato e depois vai para dentro de você, construindo uma memória boa através do gosto. É emocionante. Sai de lá sinceramente feliz. A comida inteligente do chef @henrique_fogaca74 faz a gente querer aplaudir cada prato – que são modernos, com marca cultural brasileira e generosamente bons. Comi um carré de cordeiro ao molho de vinho do porto com couscous marroquino (foto 1), de entrada palmito pupunha assado em óleo de castanha do Brasil e manjericão (foto 2) e um charuto de chocolate com sorvete de pistache (foto 3). A casa tem um menu autoral de drinks que é um espetáculo a parte. No site do Jamile tem todo o cardápio com preços. Essa experiência foi um convite da @azeitegallo (parceira da casa), fico muito grato por uma noite absoluta de #sabormemoravel !

Site: www.jamilerestaurante.com.br

Endereço: Rua Treze de Maio, 647, Bela Vista, São Paulo – SP

Restaurante Amazônia – o sabor amazônico profundo e sincero em São Paulo.

O que você precisa para ter uma experiência afetiva em um restaurante? Me conta aqui. Eu preciso de uma comida sincera, temperada com traços culturais, servida num ambiente que faça sentido e por pessoas gentis que tenham orgulho da comida bonita que servem. Num salão muito tupi-guarani, comi um tacacá (foto acima) de lembrar pra sempre (uma porção de entrada custa cerca de R$20,00), um pirarucu com arroz de jambu de amar sem medidas (R$ o prato para 2 custa cerca de R$ 80,00) e um pudim de tapioca que fez minha existência ter mais sentido (custa R$14,00) – fotos abaixo. O atendimento feito por gente boa, que aperta sua mão, que te conta da comida amazônica com carinho e que se diverte com você ali, naquele encontro (tudo é encontro). O serviço sempre importa muito pra mim. Acho que comer com gente boa a sua volta é outra coisa. Prefiro comer comida ruim do lado de gente boa do que comer comida boa do lado de gente chata – Só que no Amazônia Restaurante temos os dois – a comida e a gente é boa! Feliz por achar lugares tão sinceros assim em São Paulo. #existeamoremsp

Endereço:

Rua Rui Barbosa, 206, Bixiga, São Paulo -SP.

Cinema e Gastronomia – Filme: Sociedade literária e a torta de casca de batata.

A-Sociedade-Literária-e-a-Torta-de-Casca-de-Batata-capa-header-700x361

“Sociedade literária e a torta de casca de batata” não é um filme focado em gastronomia – mas fala de como, em tempos obscuros, o ato de se reunir na mesa para compartilhar uma refeição digna pode promover um encontro que faça as pessoas se lembrarem das coisas mais nobres que compõe a existência humana. O filme fala de várias formas de sofrimento durante a segunda guerra mundial, contando a história de um grupo de pessoas comuns, habitantes da pequena ilha Guernsey (no Canal da Mancha), que encontraram nos livros uma chance de lidar com tempos duros, criando uma sociedade literária. A trama se mescla com a história de uma jovem escritora, que pesquisando sobre esse grupo de pessoas encontra-se com o sentido de sua própria vida, se reconectando consigo mesma. O filme traz delicadamente diversos aspectos da dor e das formas de lidar com ela, e é absolutamente lindo como ele mostra o ato de se reunir em volta de uma mesa como uma chance das pessoas se reconectarem umas com as outras, construindo na hora da refeição um encontro que as alimenta de muitos modos – em tempos onde o terror toma conta da vida e a dignidade das pessoas é ferida a cada instante, sentar com gente querida para ter uma refeição digna mata muitos tipos de fome. A refeição é encontro, a mesa sempre será simbólica. Indico esse filme profundamente.

O filme é original Netflix e está disponível na plataforma! Desfrutem!

Hot Pork e Sorveteria do Centro – Familia Rueda e a vitalidade para o centro de São Paulo.

Salsicha honesta (100% de porco), catchup de tomate com maçã, mostarda com tucupi, picles de cebola roxa, maionese com limão e pão de leite artesanal. É escandalosamente delicioso, comida sincera. Mas quase tão delicioso quanto é ver uma rua do centro de São Paulo cheia de movimento, vida e encontro. Um centro que em outros momentos (e ainda hoje) foi tão desconsiderado e descuidado, ganha vitalidade quando gente que ama São Paulo decide investir e ver brilho nela, Sou fã do @jeffim_rueda e da @janainarueda1 pela comida que emociona mas também pelo tanto que eles somam valor ao centro dessa cidade que amo tanto. É claro que existe amor em SP, em todos os bairros e eixos, e lugares assim nos ajudam a entender isso. Vai lá, o @hot.pork é muito bom e do ladinho tem a sorveteria do centro, também do casal Rueda, que tem um sorvete encantado que vale a fila! Comida honesta e boa de verdade! ❤ #existeamoremsp

Endereço: Rua Bento Freitas, 454, Campos Elíseos – São Paulo. Aberto todos os dias das 12:00 às 23:00. 

Como fazer o Reine de Saba da Julia Child! O bolo de chocolate com amêndoas mais sensacional de todos os tempos!

Reine de Saba – Desde que vi o filme Julie & Julia pela primeira vez persigo esse bolo (que aparece em uma cena do filme). Ele é um bolo cremoso de chocolate com amêndoas que juro, vai te emocionar. Quase não vai farinha de trigo nele, então ele assume uma textura cremosa linda e absoluta. É com muito gosto que ensino vocês uma receita emblemática da Julia Child – a mulher que mudou o modo como a América come e tornou a cozinha francesa uma arte possível de ser realizada por qualquer um em qualquer cozinha. Esse se tornou um dos meus bolos preferidos, ele me leva para um lugar gentil e extremamente confortável na primeira colherada. Vem pra esse lugar comigo! Receita completa abaixo!

Mas se quiser, tem um vídeo com a receita completa no meu IGTV no Instagram – pelo video é mais fácil ter noção das etapas e sua receita tem mais chances de dar super certo! Clique aqui e veja o vídeo! Aproveita e me segue lá no Instagram! Sempre tem receitas novas!  

Ingredientes:

Para o bolo:

  • 115g de chocolate amargo
  • 115g de manteiga
  • 2/3 de xícara de chá de açúcar
  • 1 colher de sopa de açúcar
  • 3 gemas
  • 3 claras
  • Uma pitada de sal
  • 85g de farinha de amêndoas
  • 2 colheres de sopa de café quente ou rum
  • 1/2 xícara de farinha de trigo

Para a cobertura:

  • 75g de chocolate amargo
  • 80g de manteiga
  • Amêndoas em lâminas para decorar

Você precisará de uma fôrma untada (com farinha e manteiga) de aproximadamente 20cm de diâmetro.

Modo de preparo:

Primeiro faça o bolo: Pré-aqueça o forno à 170 graus. Derreta o chocolate em banho-maria junto com o café (ou rum), reserve. Bata a manteiga com os 2/3 de xícara de açúcar até ficar um creme fofo e claro. Então acrescente as gemas e vá batendo para incorporar bem, uma a uma, então reserve.

Bata as claras em neve: No recipiente de uma batedeira adicione as claras e a pitada de sal, comece a bater até atingir picos moles (quando você ergue o batedor e a clara já está em neve mas ainda mole), então adicione a colher de sopa de açúcar e bata até atingir picos duros – onde a consistência da clara em neve será firme.

Adicione a mistura de chocolate na mistura de gemas e açúcar e bata até incorporar tudo. Adicione então nessa mistura a farinha de amêndoas e misture também para incorporar. Agora é hora de adicionar a clara em neve e a farinha de trigo. Atenção: Momento delicado e importante, faça assim: Coloque a mistura de chocolate em um recipiente grande que caiba todos os ingredientes. Vá adicionando partes da clara em neve e partes da farinha de trigo, mexendo com uma espátula delicadamente (nada de batedeira nessa parte) com movimentos de baixo para cima, até incorporar a mistura. Acrescente aos poucos a clara e a farinha e vá misturando, até toda clara e toda farinha estar incorporada.

Coloque a mistura na fôrma untada e leve para assar no forno pré-aquecido por 25/30 minutos – O ponto é quando as bordas estão rígidas e o centro ainda um pouco mole – essa é uma característica importante desse bolo, que garante sua cremosidade emocionante. Ao retirar do forno, só deixar esfriar por 10 minutos e depois desenformar.

Para fazer a cobertura: Derreta o chocolate em banho-maria e adicione a manteiga aos poucos, até incorporar tudo. Deixe esfriar para endurecer.

Estando o bolo frio e a cobertura também, é só cobrir ele todo e decorar com as amêndoas em lâminas. Seja feliz comendo, esse bolo é pra isso. Bon appétit.

Eu te amo, Julia Child.

Como fazer Crack pie! A torta viciante da Christina Tosi!

Crack pie – Você verdadeiramente não consegue parar de comer, essa torta vicia, e por isso o nome. Feita com ingredientes muitos simples, ela tem um preparo curioso (que envolve assar, depois congelar e então descongelar a torta – para condensar o recheio). Essa receita divertida é marca registrada da cativante @christinatosi – na nova temporada do @chefstablenetflix (que é um especial de confeitaria) o primeiro episódio é sobre a vida e obra de Christina, é absolutamente encantador. O modo alegre e sincero que ela encara um doce me emociona. Assim como Christina, se alguém me perguntar o que eu poderia fazer pra sempre na vida, eu responderia: cookies. Christina é dona do famoso @milkbarstore , e também é a Paola Carosella dos EUA (é jurada do Masterchef de lá) – parece que minha cina é amar juradas do Masterchef. Ela criou essa torta em um dia que tinha pouquíssimos ingredientes, todos muito simples – uma receita despretensiosa e singela que ganhou o mundo, que lindo isso. Compartilho aqui a receita original, divulgada pela própria autora. Fiz, testei e amei sem medidas!

Sobre a receita – ela é dupla:

Essa receita é para fazer 2 tortas (de aproximadamente 22 cm de diâmetro, que serve de 8 à 10 pessoas). Vou compartilhar a receita assim porque é assim que a encontrei, exatamente do modo como Christina ensina. Quando fiz foi assim, 2 tortas, mas creio que se você quiser apenas 1 pode dividir em 2 todas as quantidades que dará certo (mas não posso garantir porque ainda não tentei cortar a receita no meio para apenas uma torta). Sugiro fazer 2, porque 2 é melhor que 1. E como o congelamento é um processo que a torta passa antes de ser servida, você pode manter a segunda congelada por 1 mês ou até um pouco mais, e descongelar apenas quando decidir servir.

Ingredientes (para 2 Crack pies – cada uma serve cerca de 8 pessoas):

Para a massa da torta (o biscoito de aveia):

  • 115 g de manteiga em temperatura ambiente
  • 75 g de açúcar mascavo claro
  • 40 g de açúcar granulado
  • 1 gema
  • 80 g de farinha de trigo
  • 120 g de flocos de aveia
  • 0.5 g de fermento em pó (aproximadamente meia colher de chá)
  • Uma pitada de bicarbonato de sódio
  • 2 g de sal (aproximadamente meia colher de chá)

Para o recheio da Crack pie:

  • 300 g de açúcar granulado
  • 180 g de açúcar mascavo claro
  • 20 g de leite em pó desnatado
  • 24 g de farinha de milho (fubá)
  • 6 g de sal (aproximadamente 1 colher e meia de chá rasa de sal)
  • 225 g de manteiga derretida
  • 160 g de creme de leite
  • 1 colher de sobremesa de extrato (ou essência) de baunilha
  • 8 gemas*

*É muito importante nessa receita não deixar nem um pouco de clara ficar com as gemas, se as gemas forem junto com vestígios de clara irá alterar muito o resultado da receita. O melhor jeito de separar gemas de claras é com as suas mãos (nela você consegue sentir quando exatamente toda clara foi retirada e só ficou a gema). Não esqueça de lavar a sua mão com água morna por 30 segundos antes e depois de manusear ovos diretamente nelas).

Para montagem e finalização das tortas:

  • 1 receita do biscoito de aveia já frio
  • 1 receita do recheio de Crack pie
  • 15 g de açúcar mascavo claro
  • 1 g (aproximadamente meia colher de chá) de sal
  • 55 g de manteiga derretida, ou o quanto bastar
  • Açúcar de confeiteiro, para finalizar

Modo de preparo:

1) Massa da torta (Biscoito de aveia):

Pré-aqueça seu forno à 180 graus. Bata (preferencialmente em uma batedeira) os açúcares com a manteiga até obter um creme fofo e claro. Raspe as laterais para garantir que tudo se misturou bem, continue batendo e acrescente a gema – bata até que os granulados de açúcar se dissolvam por completo e a mistura fique uma cor pálida. Continuando a bater em velocidade baixa, acrescente a farinha, a aveia, o sal, o fermento em pó e o bicarbonato. Misture até tudo se incorporar muito bem – fica uma massa densa e gordurosa, com aspecto de massa de cookie. Coloque a massa em uma fôrma larga untada ou antiaderente, espalhe ela pela fôrma para que fica em uma altura de 7 milímetros. Asse por aproximadamente 15 minutos (ou até dourar levemente, com cor e cara de cookie). Retire e deixe esfriar completamente. Dica: Se você fizer apenas uma torta e sobrar esse biscoito, em um pote bem fechado ele fica fresco por mais de 1 semana, é uma delícia com café.

2) Recheio da Crack pie:

Dica valiosa: Usar uma batedeira faz muita diferença no resultado final, se a sua tiver um acessório de remo para bater, melhor ainda – se você bater à mão com fouet não alcançará o resultado perfeito – que é um recheio denso e pegajoso. A velocidade também é importante, sempre bater em velocidade baixa – muito alta incorpora muito ar, e isso também afetará na densidade da Crack pie.

Misture o açúcar, o açúcar mascavo, o leite em pó, a farinha de milho e o sal na tigela da batedeira, até tudo ficar uma coisa só. Batendo em velocidade baixa, acrescente a manteiga, bata por cerca de 1 minuto, até todos ingredientes secos estarem úmidos e envolvidos na manteiga. Adicione o creme de leite e a baunilha e continue batendo em velocidade baixa, até que o creme de leite tenha incorporado completamente. Raspe as laterais da tigela para garantir uma mistura total. Adicione as gemas, uma a uma, batendo em velocidade super baixa, apenas o suficiente para incorporar – não queremos que seja incorporado ar aqui – quando todas as gemas estiverem incorporadas o creme deve ser brilhante e homogêneo. Prontinho! O recheio está pronto para ser usado. Se não for usar imediatamente, guarde em um porte hermético na geladeira por até uma semana.

3) Montando a torta e finalizando:

Pré-aqueça seu forno à 180 graus. Coloque o biscoito de aveia, o açúcar mascavo e o sal em um processador e triture tudo, até ficar com aspecto de areia molhada. Se não tiver um processador, pode fazer na mão, esmigalhando tudo muito bem. Transfira o biscoito triturado para uma tigela e acrescente a manteiga e misture até ficar úmido o suficiente para fazer uma bola (se não for suficiente, acrescente mais manteiga).

Feito isso, divida a massa em 2 partes – cada uma será a base de uma torta. Use cada uma das partes para cobrir s uma fôrma de aproximadamente 22 cm de diâmetro, untada ou que seja antiaderente, ou também pode forrar o fundo da fôrma com papel manteiga. As fôrmas devem ficar completamente cobertas, uniformemente, vá ajeitando e pressionando a massa com seus dedos para garantir isso.

Coloque então o recheio nas tortas, dividindo ele por igual entre as duas – o recheio deve encher cerca de 3/4 do espaço, não chegando assim até o topo (as tortas são bem baixas mesmo). Leve então as tortas para assar (sugiro uma de cada vez se seu forno não for muito grande) por aproximadamente 15 minutos – o topo deve ser dourado, mas o recheio ainda mole e instável. Abra então a porta do seu forno e diminua a temperatura para 165 graus – enquanto a temperatura diminui, deixe a porta do forno aberta (as tortas ficam lá dentro do forno durante esse processo todo). Quando a temperatura chegar em 165 graus feche o forno e deixe as tortas lá por mais 5 minutos. Após esse tempo verifique: O recheio deve estar ainda meio mole no centro mas as bordas devem estar mais rígidas. Se o recheio ainda estiver muito mole também nas bordas deixe por mais 5 minutos ou mais, até atingir o estado ideal: Mole no centro e mais rígido nas bordas.

Retire então a torta do forno e deixe esfriar em temperatura ambiente (se estiver com pressa pode por na geladeira ou freezer). Em seguida vem um passo importante que é a marca registrada da Crack pie: Congele a torta por pelo menos 3 horas ou por uma noite para condensar o recheio – isso é muito importante.

Retire as tortas do freezer e coloque na geladeira para descongelar 1 hora antes de servir. As tortas duram congeladas mais de 1 mês, e na geladeira ficam boas por cerca de 1 semana. Prontinho! A incrível Crack pie está pronta! Sirva ela fria! Decore com açúcar de confeiteiro peneirado por cima. Seja feliz, ela é emocionante.