Quiche de frango e requeijão com massa de grão de bico!

Com preguiça ou com disposição, com pouco ou muito tempo, comer bem pode ser uma possibilidade sempre! É só saber as receitas certas para cada situação. Essa quiche tem uma massa escandalosamente fácil de fazer e nutre até a alma. Tendo uma lata de grão-de-bico cozido de qualidade em casa, ovos, creme de leite, queijo e uma coisinha ou outra pra incrementar, vocês tem um jantar nutritivo, feliz e bom – (e elegante! Eu acho quiche uma coisinha sempre elegante e coringa que surpreende qualquer friend, boy ou tia distante). Meu coração sempre se rendeu por uma quiche bem feita, podem pesquisar. Ah, essa é de frango e requeijão porque é o que eu tinha hoje, mas no lugar do frango pode ser cogumelos, couve, brócolis… enfim, essas alegrias todas possíveis de rechear coisas. Vamos à receita:

Ingredientes (massa):

  • Cerca de 400g de grão-de-bico cozido (se usar aqueles em lata, use 2 inteiras)
  • Azeite de oliva extra virgem à gosto
  • Sal à gosto

Ingredientes (recheio):

  • 1 peito de frango cozido e desfiado
  • 1 copo de requeijão cremoso
  • Páprica defumada
  • Coentro picado à gosto
  • Pimenta-do-reino à gosto
  • Sal à gosto
  • Cominho em pó à gosto
  • Meia cebola picada
  • 2 tomates picados
  • 2 dentes de alho picados
  • Azeite de oliva extra virgem
  • 150g de creme de leite
  • 5 ovos
  • Queijo parmesão ralado (opcional)
  • Amêndoas em lâminas (opcional)

Modo de preparo:

Bata o grão-de-bico cozido em um processador ou liquidificador e vá acrescentando o azeite e um pouco de sal. Vá mexendo com uma colher em pausas para ajudar a bater tudo por igual. Tem que ficar uma massa consistente, mas durinha.

Use uma forma antiaderente ou unte uma com manteiga e farinha. Coloque a massa na fôrma, forrando toda ela e uma boa parte das laterais.

Para o recheio: Refogue a cebola e o alho no azeite. Coloque o peito de frango desfiado e todos os temperos (exceto o coentro). Misture bem. Acrescente o tomate e deixe cozinhar uns 4 minutos. Então coloque o requeijão, misture e desligue o fogo. Coloque o coentro e misture. Acerte o sal. Reserve.

Bata os ovos com um fouet junto com o creme de leite e tempere com sal e pimenta.

Na massa da quiche já na fôrma, coloque a mistura de ovos e então espalhe com cuidado o recheio de frango, para ficar bem uniforme. Salpique queijo parmesão e cubra com amêndoas laminadas.

Leve para assar por cerca de 30 minutos – até ficar firme e antes das amêndoas queimarem. Prontinho! Seja feliz comendo!

Anúncios

Nhoque de batata-doce com molho de tomate e calabresa!

Uma receita simples, acessível e boa de verdade que vem com um lembrete: Qualquer experiência na cozinha pode ser uma experiência emocional, contanto que você enxergue assim. Aproveitem a receita (que nasceu do meu almoço simples, despretensioso e cheio de marca boa). Se divirtam fazendo!

Abaixo a receita escrita, mas recomendo que você clique aqui e assista no IGTV do meu Instagram @rodrigo.vilasboas o video completo, com todo passo a passo detalhado, daí não tem erro!

A receita da massa desse nhoque ensinei já em outro post, link abaixo para receita da massa e aqui, na sequencia, receita do molho!

Para ver a receita escrita completa da massa do nhoque de batata-doce, só clicar aqui.

Como fazer o molho de tomate com calabresa:

Ingredientes (para 4 porções):

  • Azeite de oliva extra virgem à gosto
  • 1 calabresa grande picada em cubos bem pequenos
  • Meia cebola média picada
  • 3 dentes de alho picados
  • Páprica defumada à gosto
  • Pimenta-do-reino à gosto
  • Sal à gosto
  • 6 tomates maduros picados ou 400ml de molho de tomate (orgânicos são sempre mais emocionantes).

Preparo do molho:

Aqueça uma panela grande e coloque fios de azeite. Acrescente a calabresa e doure um pouco, coloque a cebola, o alho e os temperos e misture. Em seguida coloque os tomates picados ou molho, deixar apurar um pouco e coloque um pouco de água e deixe apurar mais. Confira o sal e a consistência – acrescente mais água se quiser mais liquido ou deixe ferver e secar mais se quiser mais grosso.

Cozinhe o nhoque e acrescente na panela do molho bem quente, misture para tudo incorporar e sirva em seguida.

Quibe de abóbora recheado!

Uma receita quase obscena de tão gostosa onde quem brilha é a deusa abóbora com todo seu orange power! Pra gente aprender que aquilo que tratamos como coadjuvante pode ser protagonista! A star is born – saudemos a abóbora!

Abaixo a receita escrita, mas se quiser ver um video com o passo a passo completo, só clicar aqui, o video está no meu IGTV do meu Instagram @rodrigo.vilasboas !

Ingredientes:

  • 1kg de abóbora japonesa descascada e cortada em pedaços médios
  • 1 xícara de chá de trigo para quibe
  • 300g de cream cheese
  • Meio pote de iogurte natural (80g)
  • Queijo muçarela à gosto
  • Folhas de hortelã picadas à gosto
  • Zathar à gosto
  • Cominho em pó à gosto
  • Páprica defumada à gosto
  • 2 dentes de alho picados
  • Pimenta-do-reino à gosto
  • Sal à gosto
  • Azeite de oliva extravirgem à gosto

Modo de preparo:

Coloque os pedaços de abóbora em uma fôrma, cubra com papel alumínio e leve para assar em forno pré-aquecido à 200 graus até a abóbora estar completamente cozida e mole. Enquanto ela assa coloque o trigo para quibe em um recipiente e cubra com água e deixe hidratando por 30 minutos.

Misture o cream cheese com o iogurte e bata com um garfo para virarem uma mistura cremosa só. Deixe em temperatura ambiente.

Esmague a abóbora assada (pode ser num mixer ou com um garfo mesmo) até virar um purê. Escorra apertando em uma peneira o trigo para quibe, acrescente no purê de abóbora e então coloque todos os temperos, inclusive uns fios de azeite.

Coloque metade do quibe em uma fôrma untada com fios de azeite, então espalhe a mistura de cream cheese (aos poucos e com delicadeza para espalhar bem) e por cima coloque fatias de queijo muçarela, à gosto. Cubra então bem uniformemente com o restante da massa do quibe.

Se quiser, faça pequenos traços transversais na superfície do quibe para dar aquele charme, e regue com pequenos fios de azeite. Leve para assar em forno pré-aquecido à 200 graus por cerca de 40 minutos, ou até o quibe dourar levemente por cima. Prontinho!

Receita de Areias de Cascais – Biscoito amanteigado português!

Direto de Portugal, esse biscoito mega fácil de fazer é daqueles que derretem na boca ao mesmo tempo que derrete junto o seu coração. Mas que gracinha. Vem ver que lindo, fácil e mara – isso com café é apoteótico, Camões grita. Se divirta fazendo – é daquelas biscoitos terapêuticos que a gente amassa e molda na mão passando toda energia para a massa!

Abaixo a receita escrita, mas se quiser ver um video completo dela com todo passo a passo detalhado, clique aqui e confira no IGTV do meu Instagram @rodrigo.vilasboas ! Aproveita e me segue por lá, sempre tem novidades!

Ingredientes:

  • 300g de farinha de trigo
  • 150g de açúcar refinado
  • 200g de manteiga gelada cortada em pedaços
  • 1 pitada de sal

Modo de preparo:

Coloque a farinha de trigo em uma tigela, acrescente o sal e o açúcar e misture. Em seguida coloque a manteiga e comesse a esmagar ela com as pontas do seus dedos na farinha, incorporando ela até tudo virar uma coisa só – uma farofa amanteigada que fica bem esfarelada com aspecto de areia. só amasse demais para não esquentar muito a massa.

Pegue pequenas quantidades da massa e com o calor de sua mão molde bolinhas. Leve para assar em forno pré-aquecido à 190 graus por entre 15 à 20 minutos – depende da potência de seu forno, o ponto é quando começa a dourar levemente por cima.

Tire do forno e passe eles, ainda quente, em um pouco de açúcar, como se fosse empanar – mas não passe muito para não ficar muito carregado de açúcar. Deixe esfriar e prontinho!

Torta de doce de leite baiano (ambrósia) e a poesia intensa do sertão nordestino!

Receita simples e fácil de uma deliciosa torta doce cheia de marca cultural! A estrela dessa torta é o doce de leite baiano (também conhecido como doce de leite talhado ou ambrósia), que é um preparo tradicional no sertão nordestino. Combinei esse doce com iogurte e uma massa crocante que criam juntos um contraste maravilhoso! Convido vocês para ter uma experiência cultural através dessa torta, sentindo toda a emoção autêntica e potente que o nordeste do Brasil tem!

Parte desse vídeo foi gravado lá, na viagem que fiz em janeiro para conhecer as terras da minha origem! A torta é tão deliciosa e linda quanto a riqueza do nordeste do Brasil! Vamos juntos pra lá através da torta e do video? A gente cozinha pra contar nossa história. Video completo no meu canal do Youtube, só clicar no video acima e conferir!

Onde comer e o que fazer para se emocionar no Monte Saint-Michel – França

Mistério, história, comida antiga com receitas que são as mesmas há mais de 1000 anos e paisagens de fazer a respiração pausar. O Monte Saint-Michel, uma pequena ilha rochosa com a imponente Abadia e vila medieval, fica situado na região francesa da Normandia. Estar lá é uma experiência misteriosa e profunda que conduz a gente para um estado de espírito diferente – você parece que sai do seu tempo e da sua vida e entra num outro período do mundo – tem ideia do quanto isso é delicioso e impressionante? Vale realmente a pena conhecer esse canto do mundo – durante o dia, mas principalmente, durante a noite – explico porque abaixo!

Primeiro vou te dar 3 dicas de onde comer e se emocionar no Monte Saint-Michel, e depois conto detalhes sobre a história do Monte, onde se hospedar e o que não deixar de fazer por lá!

Onde comer e se emocionar no Monte Saint-Michel:

1) As emblemáticas omeletes no La Mère Poulard

Fachada do La Mère Poulard, à noite.

As omeletes são simbolo absoluto da gastronomia do lugar. La Mère Poulard ficou conhecida na época em que servia omelete para os peregrinos que passavam por lá e ficavam ilhados no local quando a maré subia e isolava o Monte. Por ser uma comida barata e rápida, a omelete era feita em grande quantidade e servida à eles. Outro elemento famoso desse lugar são os biscoitos, que eram distribuídos para as crianças que acompanhavam os peregrinos (lá você encontra os biscoitos também ainda hoje).

A omelete é singular, diferente de qualquer uma que já provei, é gigante e absolutamente fofa, leve mesmo, quase uma espuma. É servida com 1 acompanhamento e se estiver com pouca fome, peça para compartilhar com alguém (com pouca fome serve 2).

Cozinha do La Mère Poulard

Há uma cozinha aberta onde você pode passar e ver os cozinheiros batendo as omeletes à mão – eles fazem a receita da mesma forma como ela é feita há quase 1000 anos na região – e a emoção de comer algo tão ancestral num lugar tão ancestral quanto? Arrepia, sério. Não é tão barato para uma omelete, mas vale a pena. Sinta todo traço da história e tradição do lugar através desse prato simples e tão simbólico. Vemos aqui um traço marcante pra mim da gastronomia francesa, que é fazer de algo tão simples (como uma omelete) uma coisa emocionante e brilhante.

Clique aqui e veja todas informações do La Mère Poulard

Endereço: Grande Rue, 50170 Le Mont-Saint-Michel, França

2) Coma um dia na charmosa vilinha (que fica ainda no continente, antes do Monte)

Sopa de cebola

Na beira da passarela que leva ao Monte, fica uma vilinha charmosa com pouquíssimas construções. Me hospedei lá e na noite que cheguei jantei num restaurante chamado Restaurant La Rôtisserie – A comida é singela e caseira até, nada espetacular, mas gostosa e delicada, principalmente a sopa de cebola e Ilha flutuante (uma sobremesa bem francesa que consiste numa espuma delicada flutuando num creme simples e absolutamente bom).

Ilha flutuante

 Adorei o charme dessa vilinha que parece esquecida e perdia no mundo, comer lá foi aconchegante e curioso. Sinta todo o marasmo poético enquanto come nesse lugar – acho que poético é a palavra pra esse pedacinho do mundo.

Uma casinha encantadora nessa vilinha

Endereço: Route du Mont Saint Michel, 50170 Le Mont-Saint-Michel, França

3) Ostras

O Monte Saint-Michel fica bem entre a região da Normandia e Bretanha – essa última é uma região francesa muito famosa pelas ostras, e no Monte sentimos essa marca – muito famosas na região, as ostras lá são fresquíssimas, vale a pena provar. Eu não consegui comer nenhuma lá e lamento muito, mas amigos que confio super no paladar e opinião comeram e indicam, todo frescor é verídico. Eu acho que o mais bacana quando você viaja é se propor provar a gastronomia mais comum e habitual do lugar, para sentir o lugar através do gosto – como sabemos, a memória que o gosto deixa, é eterna. Coma ostras em Monte Saint-Michel e sinta o terroir puro da região. Quase todo lugar lá vende ostras, não tem erro.

 

O Monte Saint-Michel

Com certeza um dos lugares mais impressionantes que já fui na vida. Uma ilha rochosa onde a construção imponente da Abadia e vilarejo aos seus pés parece ser parte das rochas que constituem a própria ilha. A sensação de caminhar no Monte Saint-Michel é de se deslocar no tempo completamente. As construções conservam tudo que é original, então você se sente mesmo numa vila medieval, não tem quase nenhuma construção moderna lá.

Além da Abadia, construção mais imponente da pequena ilha que lembra um castelo, há uma vilinha aos pés da ilha com hotel, restaurante, lojas e outros estabelecimentos.

Vilarejo no Monte

Detalhe da Abadia

A abadia foi construída no século XIII, em homenagem ao Arcanjo São Miguel, e faz parte de diversos períodos históricos da França (como lugar de refúgio e fortaleza em períodos de guerra). Acredito que pelo aspecto misterioso e um tanto obscuro que o lugar tem, se tornou palco de muitas lendas e contos místicos – caminhando por lá a noite você entende isso melhor, rs, é meio macabro, mas lindo.

Como ir até o Monte

Eu fui de Paris até o Monte Saint-Michel de carro e se você puder, indico demais ir assim, pois as paisagens no caminho são absolutamente lindas, e você pode ir parando nos pontos que quer para olhar, tirar fotos, ou até dar umas voltas nas pequenas e graciosas cidades da Normandia. De Paris até lá de carro dá cerca de 4h de viagem, sem parar, parando leva mais que isso. Sugiro sair de manhã de Paris e dedicar 1 dia para a viagem, se programando para chegar no final da tarde no Monte, assim você tem tempo de parar e apreciar tudo no trajeto – apreciar o caminho vale tanto quanto o destino. Dica: Para viajar de carro na França você pode pegar as auto estradas direto ou, em partes dos trajetos, ir por dentro das cidades – indico, se tiver com tempo, que passe por dentro, será chance de conhecer muitos cantinhos charmosos do interior francês.

Caminhos até o Monte

Onde se hospedar:

Há hotéis na própria ilha (fortificação) do Monte, que são mega interessantes pois são também construções extremamente antigas – a sensação de se hospedar aos pés da Abadia dentro do vilarejo deve ser alucinante, porém, é caro. Para economizar sugiro se hospedar nas redondezas da ilha – ainda na parte do continente tem uma vilinha charmosa onde há alguns hotéis e restaurantes (um deles é onde indiquei comer nas sugestões de gastronomia). Minha dica de hospedagem é o Hôtel Gabriel – Ele é super novo, com instalações ótimas, limpo, fofo, atendimento gentil e o melhor – um café da manhã incrível – cheio dos deliciosos queijos e manteigas da Normandia! E o preço foi o melhor custo benefício que encontrei na época.

Hôtel Gabriel – Route du Mont Saint-Michel, La Caserne, 50170 Le Mont-Saint-Michel, França

O que não deixar de fazer no Mont Saint Michel

O que quero mais ressaltar é que você deve fazer uma caminhada diurna e outra noturna pelo Monte. De dia, visite a Abadia, os restaurantes, lojinhas, e veja todo detalhe da arquitetura impressionante do lugar. A noite, tenha uma experiência misteriosa e um pouco macabra (mas linda) de caminhar por lá e se sentir deslocado no tempo – durante a noite não há dezenas de turistas, então, estando ali com tudo meio vazio, a sensação de ter voltado no tempo é muito intensa! Chega a dar um medo, mas vale demais a pena! A melhor coisa para se fazer no monte é isso: caminhar, olhar e sentir cada encanto da arquitetura e paisagem. E a noite a iluminação é bem baixa no Monte, dando ainda mais sensação de estar em outro tempo da história.

Visão da passarela antes de chegar no Monte

Há uma passarela (de uns 2km) para chegar até o monte que fica acessível a noite, porém é um caminho meio escuro – fui com mais 3 pessoas e ficamos com um pouco de medo, mas isso fez parte da emoção e foi tudo muito seguro. Há ônibus que fazem o trajeto, saem de 15 em 15 min e funcionam das 7h à meia noite, mas eu jamais pegaria um ônibus e perderia a chance dessa caminhada – tanto de dia quanto de noite, fomos à pé.

A iluminação noturna do Monte é misteriosa e deixa a experiência linda.

A maré atinge diversos picos ao longo do ano e mesmo em um único dia varia, muita gente busca visitar o Monte em épocas de maré cheia para ter a experiência de ver ele totalmente isolado do continente (mesmo assim ele fica acessível, mas pela passarela). Se quiser checar os períodos de maré, clique aqui.

Aproveite, se emocione e guarde, através de todos seus sentidos, esse lugar dentro de você!

Cookie gigante recheado!

Chegou a receita desse cookie ousadamente delicioso, que é do tamanho da nossa vontade de ser feliz nessa vida. Gigante e recheado com uma cremosidade caliente que te leva pra subir subir, voar voar. Pegar um cookie desse e deitar no sofá vivendo o lado bom da vida é tão gostoso que chega a ser obsceno. Cookie é que nem Madonna, nunca será demais e sempre será tempo pra ele. Vamô fecha nessa receita?

Primeiro faça o recheio, que é um creme à base de brigadeiro simples:

Ingredientes recheio (brigadeiro):

  • 1 lata de leite condensado
  • 1 colher de sopa de manteiga ou 2 colheres de sopa de azeite de oliva extra virgem
  • 2 colheres de sopa de cacau em pó.
  • 2 colheres de sopa de creme de leite
  • 1 colher de chá de mel (opcional, ajuda no aroma e no brilho)
  • 1 colher de chá de licor de laranja (também opcional)

Modo de preparo:

Coloque o leite condensado, a manteiga e o cacau em pó em uma panela e leve ao fogo médio. Mexa absolutamente sempre, sem parar. Cozinhe até que ao passar a colher você consiga ver o fundo da panela e o doce se solte da panela quando você inclinar ela – esse é o ponto. Acrescente os outros ingredientes e misture bem. Coloque em um prato e deixe esfriar completamente. Reserve.

Agora a massa de cookie:

Essa massa é exatamente igual a receita de cookies tradicional que já ensinei vocês, a diferença é que nesse coloco um pouco mais de farinha de trigo, 2 xícaras cheias ao invés de 1 e 1/4 (precisamos de uma massa um pouco mais durinha para essa receita).

Ingredientes para a massa:

  • 2 xícaras de chá de farinha de trigo.
  • Meia colher de chá de fermento em pó
  • 1/4 de colher de chá de sal
  • Meia xícara de chá de açúcar mascavo
  • 1/4 de xícara de chá de açúcar cristal ou refinado
  • Meia xícara de chá de manteiga amolecida (100g)
  • 1 ovo
  • 1 colher de chá de extrato de baunilha
  • 1 xícara de chá de chocolate ao leite – 100g (ou meio amargo se preferir) em pedaços pequenos (pode ser em gotas, quadradinhos, o formato tanto faz).

Modo de preparo da massa:

Pré-aqueça o forno à 190 graus. Em uma vasilha misture a farinha de trigo, o fermento e o sal. Em outra vasilha (uma maior, pois nessa você vai bater a massa) coloque o açúcar mascavo, o cristal e a manteiga, bata bastante com um fouet, até a mistura ficar mais fofa e clara. Acrescente então o ovo e baunilha, e bata por mais uns 2 minutos. Acrescente a mistura dos ingredientes secos, e a partir desse momento ficará meio “duro” de mexer com o fouet, então use uma colher para misturar e ir “amassando a massa”, misture até todos os ingredientes estarem uniformes e então acrescente o chocolate, misture um pouco para espalhá-los bem pela massa. Pronto! Se sua massa ficar ainda muito mole, você pode acrescentar um pouco mais de farinha, o importante é dar pra pegar e moldar um pouco com a mão. Tem que ficar assim ó:

Deixe ela descansar na geladeira por 10 minutos antes de moldar os cookies

Montagem dos cookies:

Pegue cerca de 1 colher de sopa da massa e abra ela na sua mão, fazendo um fundindo que facilitará pra você rechear. Coloque então nesse fundinho cerca de uma colher de sopa do recheio de brigadeiro – ou menos, é importante que fiquem bordas livres pra você fechar, assim:

E então pegue uma outra quantidade de massa e achate de novo na mão para juntar na parte recheada e fechar o cookie.

Pressione as laterais com os dedos para fechar bem o cookie. Confeite com pedacinhos ou gotinhas de chocolate.

Leve para assar no forno pré-aquecido à 190 graus por cerca de 10 à 15 minutos (quando começar a dourar, tire, não doure por completo). Quando você tirar do forno eles ainda estarão molinhos por cima, mas endurecem quando esfriam.

Seja sem vergonhosamente feliz fazendo e comendo! Compartilha comigo o que achou?

Cookie de pote recheado com brigadeiro!

Assim como Christina Tosi, se alguém me perguntasse o que eu poderia fazer pra sempre, sem jamais cansar, eu responderia na certa: Cookies. Uma das coisas que mais me da paz na vida é fazê-los. Não sei bem porque, mas me dá. Invento muitas variações deles, e essa é sucesso absoluto, quem prova ama! Assado no pote ele fica com uma umidade de matar o caboclo e ainda com uma superfície crocante, com centro todo ousadamente cremoso nesse recheio mara de brigadeiro bonzão! Estou aqui já há alguns minutos tentando construir uma legenda que explique o que é esse cookie de pote, mas não dá, só fazendo pra entender, jovem. Receita completa abaixo!

Primeiro faça o recheio, que é um brigadeiro simples mas mega bom:

Ingredientes recheio (brigadeiro):

  • 1 lata de leite condensado
  • 1 colher de sopa de manteiga ou 2 colheres de sopa de azeite de oliva extra virgem
  • 2 colheres de sopa de cacau em pó.

Modo de preparo:

Coloque tudo em uma panela e leve ao fogo médio. Mexa absolutamente sempre, sem parar. Cozinhe até que ao passar a colher você consiga ver o fundo da panela e o doce se solte da panela quando você inclinar ela – esse é o ponto. Coloque em um prato e deixe esfriar completamente. Reserve.

Agora a massa de cookie:

Essa massa é exatamente igual a receita de cookies tradicional que já ensinei vocês, a diferença é que nesse coloco um pouco mais de farinha de trigo, 2 xícaras cheias ao invés de 1 e 1/4 (precisamos de uma massa um pouco mais durinha para essa receita).

Ingredientes para a massa:

  • 2 xícaras de chá de farinha de trigo.
  • Meia colher de chá de fermento em pó
  • 1/4 de colher de chá de sal
  • Meia xícara de chá de açúcar mascavo
  • 1/4 de xícara de chá de açúcar cristal ou refinado
  • Meia xícara de chá de manteiga amolecida (100g)
  • 1 ovo
  • 1 colher de chá de baunilha
  • 1 xícara de chá de chocolate ao leite – 100g (ou meio amargo se preferir) em pedaços pequenos (pode ser em gotas, quadradinhos, o formato tanto faz).

Modo de preparo da massa:

Pré-aqueça o forno à 190 graus. Em uma vasilha misture a farinha de trigo, o fermento e o sal. Em outra vasilha (uma maior, pois nessa você vai bater a massa) coloque o açúcar mascavo, o cristal e a manteiga, bata bastante com um fouet, até a mistura ficar mais fofa e clara. Acrescente então o ovo e baunilha, e bata por mais uns 2 minutos. Acrescente a mistura dos ingredientes secos, e a partir desse momento ficará meio “duro” de mexer com o fouet, então use uma colher para misturar e ir “amassando a massa”, misture até todos os ingredientes estarem uniformes e então acrescente o chocolate, misture um pouco para espalhá-los bem pela massa. Pronto! Se sua massa ficar ainda muito mole, você pode acrescentar um pouco mais de farinha, o importante é dar pra pegar e moldar um pouco com a mão. Tem que ficar assim ó:

Deixe ela descansar na geladeira por 10 minutos antes de montar os cookies no pote.

Montagem dos cookies:

Use os potes que quiser, dependendo do tamanho que quer os cookies – até xícaras que podem ir ao forno servem.

Forre os potes com uma camada da massa de cookies (para esse tamanho de pote da foto (que é um pouco menor que uma xícara de chá) peguei uma colher de sopa da massa, fiz uma bolinha na mão e achatei na mão mesmo, assim:

E então forre o potinho. Varie a quantidade de massa para forrar de acordo com o tamanho do seu pote.

Recheie com o brigadeiro já frio que você fez (quantidade à gosto):

E então pegue uma outra quantidade de massa e achate de novo na mão para cobrir o recheio. Pressione um pouco as laterais para fechar bem o cookies. Confeite com pedacinhos ou gotinhas de chocolate:

Leve para assar no forno pré-aquecido à 190 graus por cerca de 10 à 15 minutos (quando começar a dourar, tire, não doure por completo). Quando vocês tirar do forno eles ainda estarão molinhos por cima, mas endurecem quando esfriam.

Seja feliz fazendo e comendo! Me conta o que achou?

Fondue de queijo fácil!

Faça em casa esse clássico de inverno e sinta a magia estonteante desse preparo cremoso, é um envolvimento diferente que eu ensino à vocês. Muito mais interessante é fazer ele em casa que comprar pronto, e é mega simples e sai mais barato – se a gente soubesse o tanto de coisa pronta que a gente compra sem necessidade de comprar… ai ai.

Ingredientes:

  • Cerca de 400g de queijos, ralados grossos (podem ser quais queijos você quiser, eu costumo usar 200g de gouda, 100g de gruyère e 100g de estepe)
  • 1 dente de alho cortado ao meio
  • Meia xícara de chá de vinho branco
  • Meio shot de cachaça
  • Meia colher de sopa de amido de milho
  • 4 colheres de sopa de creme de leite
  • Noz-moscada e pimenta-do-reino à gosto

Modo de preparo:

Numa panela (pode ser na própria do fondue) esfregue as metades do dente de alho e coloque o vinho branco. Leve ao fogo (sempre baixo), quando levantar fervura vá colocando o queijo aos poucos e mexendo bem, de preferência com um fouet, até derreter e formar um creme liso. Dissolva o amido de milho na cachaça e junte na mistura, incorpore bem. Acrescente o creme de leite e misture mais uns 2 minutos. Tempere com a noz-moscada e a pimenta. Tire do fogo e leve para seu aparelho de fondue. Sirva imediatamente com aquele pãozinho italiano apaixonante.

Canjica ou Mungunzá!

Existem tantas receitas dessa por aí que na verdade não sei se vocês precisam de mais uma. Mas aí lembrei da história que essa tem e então achei que fazia sentido compartilhar – porque com a história junto, eu convido vocês a escrever também uma história quando forem cozinhar. Assim tem mais sentido.

Ingredientes:

  • 500g de milho branco para canjica
  • 2 conchas da água do cozimento do milho
  • 1 lata de leite condensado
  • 900 ml de leite integral
  • 300 ml de leite de coco
  • 2 paus de canela
  • Cravo da Índia à gosto
  • 1 xícara de chá de coco fresco ralado
  • 1 xícara de chá de amendoim tostado sem pele (opcional)

Preparo histórico e afetivo:

Era uns 9 anos que eu tinha. Sempre amava quando minha mãe ia cozinhar coisas que o processo começa 1 dia antes – eu adorava a sensação de ir dormir sabendo que já tinha algo que começou a ser feito lá na cozinha. Minha mãe colocava 500g de milho branco para canjica de molho na noite anterior ao preparo. No dia seguinte, com o sol já baixo das 17h batendo na pia, ela escorria a água do milho, lavava, depois colocava na panela de pressão cobrindo eles com água uns 3 dedos de altura. Cozinhava na pressão por 30 minutos. Na hora de abrir a panela eu ia sempre colocar a cara em cima e ela gritava pra eu sair dali que podia explodir tudo, mas eu adorava correr esse perigo. Estando o milho cozido, a água do cozimento é quase toda descartada, deixando ali apenas 2 conchas dessa água. Aí junta na panela: 1 lata de leite condensado, 900ml de leite integral, 300ml de leite de coco, 2 paus de canela, uns cravinhos da Índia e 1 xícara de chá de coco fresco ralado. A panela ia pro fogo médio até ficar tudo cremoso. Às vezes juntávamos 1 xícara de chá de amendoim tostado sem pele uns 5 minutos antes de desligar a panela. Daí perto da hora da novela das 20h que na verdade começava as 21h, eu ia no bar do Zé com 50 centavos comprar paçoca pra esfarelar em cima na hora de comer – era minha finalização do prato e eu me sentia um artista nessa hora. A gente comia no sofá vendo a novela e no dia de canjica nem janta tinha, era disso que toda a noite era feita.