Receita de bolo de mandioca cremoso com coco!

Festa junina é uma marca cultural linda do nosso povo, e a gastronomia dessa época tem muita memória afetiva. Cresci numa família onde o dia de São João é celebrado com comida, música, encontros e saudades de quem deixou sua terra original um dia. E mandioca sempre esteve ali, estrelando nessa festa afetiva toda. A mandioca é um ingrediente sagrado, pra mim o mais representativo da cozinha brasileira, quando a como parece que sinto mais forte minha identidade cultural. Então, minha contribuição para a festa junina de vocês será uma receita com mandioca – esse bolo é receita tradicional de uma família baiana, então tá jóia!

Ingredientes:

  • 1kg de mandioca crua descascada e lavada
  • 100g de manteiga
  • 3 xícaras de chá de açúcar
  • 200ml de leite de coco
  • 100g de coco ralado desidratado
  • 1 pitada de sal
  • 1 xícara de chá de leite
  • 3 ovos

Modo de preparo:

Pré-aqueça o forno à 180 graus. Rale a mandioca e acrescente no liquidificador com todos os outros ingredientes, bata apenas o suficiente para ficar uma mistura homogênea.

Unte com manteiga e farinha uma fôrma de cerca de 27 cm de diâmetro, coloque a mistura nela e leve ao forno pré-aquecido. Asse por cerca de 40/50 minutos – até dourar nas bordas e se gostar, também deixe dourar por completo na superfície toda.

Prontinho! Feliz São João!

Anúncios

Como fazer ajo blanco!

O ajo blanco é uma “sopa fria” típica da culinária espanhola, especificamente da região de Andaluzia. É uma variação do popular Gazpacho (também sopa fria mas com tomate na composição). Esse tipo de preparo era muito consumido pela população pobre de Andaluzia no século XVII – era um preparo muito simples com poucos ingredientes. O ajo blanco é suave, onde a delicadeza da amêndoa dança na força do alho (que aparece sutilmente), tudo contornado por uma acidez emocionante. É lindo. Como entrada, acompanhado de um pão bom, um presunto sensacional e uvas é de chorar. Na Espanha consomem também como prato principal, com batatas assadas.

Ingredientes (para 4 porções como entrada):

  • 1 xícara de amêndoas com pele
  • 1 dente de alho bem fresco
  • 1 colher de sopa de vinagre de vinho tinto
  • Meia colher de chá de sal
  • 1/4 de xícara de chá de azeite de oliva extra virgem
  • Suco de meio limão
  • Meia xícara de água com gás (ou o quanto bastar, tenha um pouco a mais por perto)

Modo de preparo:

Coloque as amêndoas em um recipiente que possa ir ao fogo, cubra elas com água e leve ao fogo, quando levantar fervura desligue. Escorra a água e em seguida tire a pele das amêndoas, elas sairão facilmente (esse processo é para isso).

Coloque as amendôas no liquidificador e acrescente todos os outros ingredientes, a água coloque apenas metade. Bata e vá observando a consistência que se forma, acrescente mais água para atingir a consistência desejada.

Triture bem para não sobrar partes sólidas. Pronto. É realmente uma coisa linda e viciante. Seja feliz comendo.

Receita de sopa de ervilha!

Essa sopa de ervilha eu fiz ontem – ela me deu de presente uma sexta-feira quente, boa, aconchegante e carinhosa, com sabor e afeto, e eu só precisei de 30 minutos pra fazer ela. Sempre faço ela quando estou cansado ou com pouco tempo em um dia frio. Juro que é boa e quero te contar a receita:

Ingredientes:

  • 300g de ervilha seca (aquelas que vendem em grãos sequinhos tipo lentilha)
  • Meia cebola média picada
  • 2 dentes de alho esmagados
  • Sal e pimenta à gosto
  • Azeite de oliva
  • 1 linguiça calabresa cortada em pedaços

Modo de preparo:

Coloque a ervilha na panela de pressão e coloque água (uma quantidade de 3 dedos acima do nível dos grãos). Leve ao fogo e cozinhe na pressão por 10 minutos. Abra e veja como está. Os grãos precisam estar bem mole, desmanchando e se desfazendo facilmente na água do cozimento. Se estiver assim reserve, se achar que ainda está duro cozinhe mais. Em uma outra panela refogue a cebola no azeite e depois acrescente o alho, deixe ele fritar. Acrescente a calabresa cortada e misture ela em tudo. Na sequência coloque a ervilha cozida junto com todo seu caldo. Misture, tempere com sal e pimenta. Deixe tudo ferver para os sabores se encontrarem muito bem, em uns 8/10 minutos isso acontece. Se achar muito grossa acrescente mais água (e deixe ferver mais, claro), se achar muito liquida deixe secar mais no fogo. Pronto. Essa sopa é realmente um abraço bom para um dia frio.

Salmão com purê de batata-doce roxa, aspargos e molho hollandaise.

Existem horas que vou para cozinha com uma vontade bem específica. Hoje eu queria um prato que me encantasse pelas cores – algo que explodisse um arco-íris na minha cara e me transmitisse um entusiasmo visual tão grande que eu sentisse vontade de chorar. Aí eu fiz esse prato, com a ajuda do roxo deslumbrante da batata-doce, com o verde convicto do aspargo, com o laranja gentil do salmão e com o amarelo elegante do molho hollandaise. Eu fiquei emocionado quando vi o prato pronto, deu certo. Daí me dei conta, o que eu realmente queria hoje era me lembrar que a cozinha é um modo de colorir o vazio preto e branco da vida, muitas vezes é uma saída. Espero que sinta a verdade e emoção que eu escrevo isso. Receita abaixo. Bon appétit!

Ingredientes (para 4 pessoas):

Para o salmão:

  • 4 pedaços de salmão (prefira pedaços das partes mais altas do filé)
  • Sal e pimenta-do-reino à gosto
  • Azeite de oliva extra virgem à gosto
  • Caldo de meio limão

Para o purê:

  • 500g de batata-doce roxa
  • Sal e pimenta-do-reino à gosto
  • 2 colheres de sopa de manteiga
  • Leite (o quanto bastar)
  • Creme de leite (o quanto bastar)

Você precisará de 8 aspargos frescos (2 para cada prato).

Para o molho hollandaise, clique aqui e confira receita completa.

Modo de preparo:

Comece pelo purê:

Descasque as batatas e corte em pedaços menores, se forem muito grandes. Coloque em uma panela e cubra com água, leve ao fogo e deixe cozinhar até ficarem realmente tenras e cozinharem por completo. Escorra a água e coloque as batatas em um recipiente. Você pode amassar com um garfo ou passar no espremedor de batatas. Estando amassadas, coloque a manteiga, tempere com sal e pimenta e misture (sempre opte por pimenta-do-reino que seja moída na hora, por você). Então vá acrescentando aos poucos o leite e o creme de leite, até o purê atingir a consistência desejada.

Os arpargos:

Retire (corte) a parte branca (mais dura) dos talos dos aspargos e descarte. Coloque-os em uma panela. Cubra com àgua e cozinhe até ficarem moles, mas sem cozinhar demais para não desmanchar e perder sua cor linda. Normalmente leva uns 8/10 minutos após a água ferver.

O salmão:

Pré-aqueça o forno à 190 graus. Coloque os pedaços de salmão em uma fôrma e tempere com pimenta, sal, azeite e limão. Leve ao forno pré-aquecido e deixe assar por 10 minutos – sairá suculento e lindo, pra mim 10 minutos é perfeito. Você pode deixar 15, mas acho que saí menos suculento. Veja seu gosto.

Prepare o molho hollandaise enquanto o salmão assa, pois o molho ao terminar deve ser servido imediatamente. Ele é bom quente/morno.

Daí é só montar. O purê, o salmão sobre ele, os aspargos do lado e o molho hollandaise amorosamente por cima cobrindo tudo.

Seja feliz comendo. Bon appétit!

História e receita do lendário molho hollandaise

O molho hollandaise consiste em uma emulsão de manteiga e gema, com um toque cítrico. Apesar da base gordurosa, tem uma textura que transmite uma leveza impressionante. É hoje um dos 5 molhos mãe da gastronomia francesa (junto do béchamel, espanhol, velouté e de tomate), é usado para cobrir com majestade muitos preparos – com aspargos ou ovo poché é de matar de bom. O molho hollandaise, apesar do nome, é absolutamente francês, seu primeiro registro escrito data de 1651 na obra “Le Cuisinier françois”, do francês François Pierre La Varenne – nome famoso na gastronomia francesa por ter “tirado os molhos da idade média”, como costumam dizer, trazendo novas técnicas que foram glorificadas e perduram até hoje. O molho hollandaise também é conhecido como molho Isigny, nome que homenageia Isigny-sur-Mer, cidade na Normandia famosa por sua manteiga.

Essa foi a primeira menção escrita, na obra de La Varenne sobre a receita do que hoje conhecemos como molho hollandaise:

“Faire une sauce avec du bon beurre frais, un peu de vinaigre, du sel et de la muscade, et un jaune d’oeuf pour lier la sauce, attention à ne pas cailler” (Faça um molho com um pouco de manteiga fresca, um pouco de vinagre, sal e noz-moscada, e uma gema de ovo para amarrar o molho; tome cuidado para não coagular).

Agora que sabemos um pouco da história vamos a receita – porque saber a conexão histórica torna tudo mais emocionante e com sentido. Aprendi essa receita com Rachel Khoo, a britânica com uma das melhores cozinhas francesas que já provei!

Ingredientes:

  • 3 gemas
  • 200g de manteiga derretida ou clarificada, ainda morna (eu faço sem clarificar, só derreto)
  • suco de meio limão
  • sal à gosto
  • pimenta-do-reino à gosto

Modo de preparo:

Coloque um refratário em banho-maria (um banho-maria sutil, sem fogo muito alto). Coloque então as gemas e a partir do momento que as colocar bata com um fouet sem parar (sem parar mesmo) e vá acrescentando a manteiga aos poucos, batendo a cada gota que coloca para a emulsão ir acontecendo sem talhar. Bata muito até ter incorporado toda manteiga e ter um molho com a consistência de um creme espesso.

Tire do fogo, acrescente o limão e tempere com sal e pimenta. Se quiser mais cítrico coloque o caldo de um limão inteiro ao invés de meio.

Sirva imediatamente, se esfriar esquente um tiquinho no banho-maria batendo bem, esse molho é bom morno e fresco.

Como fazer crepe brûlée de doce de leite!

É tecnicamente bem complicado encontrar nessa vida algo tão aconchegante como um crepe bem feito – massa fininha e delicada que se enlaça carinhosamente com um recheio cremoso (suspiros de amor). O crepe é de origem britânica, porém é o lanche mais francês que existe – nas ruas de Paris tem crepe para todo lado. O gosto de um crepe me conecta automaticamente com o gosto das longas caminhadas nas ruas parisienses. Não é difícil fazer um crepe inesquecível, mas existem alguns detalhes importantes que fazem toda diferença – o crepe é uma sutileza do preparo ao consumo. Essa versão é inspirada em uma que a Paola Carosella (uma das pessoas mais interessantes desse mundo) serve no seu restaurante em São Paulo, o Arturito. Recheado com doce de leite, com uma casquinha de caramelo por cima (o brûlée apaixonante). Servido com algo que equilibre o doce fica sensacional – como um creme azedo, crème fraîche ou iogurte. Eu apenas sinto amor por esse prato. Fim.

Para acessar a receita da massa de crepe, clique aqui.

Obs: É possível fazer essa receita em uma versão zero lactose – basta substituir o leite da massa por leite zero lactose. Existe também doce de leite zero lactose (a marca Italac tem). E para fritar, use azeite de oliva ao invés de manteiga. E ah, claro, se for comer com acompanhamento escolha uma possibilidade zero lactose (creme de leite zero lactose com gotas de limão vira um creme azedo muito bom para acompanhar).

Como fazer crepe brûlée de doce de leite:

Logo pós terminar de fritar a massa, recheie ela com doce de leite (com um bom, se souber fazer em casa faça, se não compre um de quem faça com verdade e qualidade) e enrole (sem colocar muito para não vazar). Coloque em um prato com a parte lisa do crepe para cima. Faça uma fina camada de açúcar e “queime” com um maçarico, fazendo movimentos circulares até caramelizar e criar uma casquinha (sem queimar demais para não amargar). Se você não tem maçarico, pode fazer o brûlée da seguinte forma: Esquente uma colher de metal (uma que você não goste, pois ficará manchada) na chama do seu fogão a gás até ficar bem quente (o metal ficará num tom azul e meio escurecido). Após aquecer encoste a colher no açúcar e faça movimentos circulares, até caramelizar toda a superfície. Antes de aquecer a colher novamente lave-a muito bem para não ficar resíduos.

Prontinho. Você já pode comer assim, mas se quiser, pode servir com iogurte, creme azedo, crème fraîche ou sorvete. É bom algo que equilibre o doce. Seja feliz comendo. É bom.

Receita afetiva que une 2 mundos. Curau brûlée com crumble de canela.

Hoje foi um puta dia lindo. Fui pra cozinha com tudo que eu sou e fiz um prato que quando terminei me vi nele – sabe o quanto isso é emocionante? Eu tenho um compromisso e laço intenso com as coisas da minha terra, em especial as coisas da Bahia da minha mãe. Mas também tenho uma conexão profunda com as coisas da Europa, que na minha infância minha madrasta me ajudou a conhecer. Em especial os detalhes franceses me emocionam. E é assim porque meus caminhos fizeram a história assim – os lugares de amor que ocupei me trouxeram essas referências. É uma história longa, não dá pra contar hoje, o que eu queria contar é que hoje o curau brûlée com crumble de canela que fiz é uma foto do mais profundo que me compõe. Eu suspeito que essa será a receita mais afetiva que compartilhei com vocês até agora.

O curau é com uma textura mais cremosa, que se aproxima do “crème brûlée” francês. O gosto lindo da canela vem através de uma farofa, o crumble, dando junto um crocante que casa lindo com o curau cremoso. O milho, que é uma grande referência da cozinha da minha família (e do meu país), usado com influências francesas. Estou tão feliz com esse prato. Uma mistura de detalhes franceses com marcas profundas do paraíso tupi-guarani – esse prato é isso, eu sou isso.

Ingredientes (rende 5/6 porções):

Para o curau:

  • 4 espigas de milho (ou o suficiente para encher 3 xícaras de chá com grãos debulhados)
  • 2 xícaras de chá de leite
  • 3/4 de xícara de chá de açúcar
  • 5 colheres de sopa bem cheias de creme de leite
  • Um pouco de açúcar para polvilhar e fazer o “brûlée”.

Para o crumble de canela:

  • 70g de açúcar
  • 110g de farinha de trigo
  • 65g de manteiga gelada
  • 3/4 de colher de sopa de canela em pó

Modo de preparo do curau:

Descasque as espigas, tirando toda palha e cabelos (se quiser, guarde alguns pedaços de palha para montar o prato, decorando). Tire os grãos das espigas, com uma faca ou utensílio específico, caso tenha. Coloque em seguida todos os grãos debulhados no liquidificador e acrescente o leite. Bata bastante até tudo estar bem processado e homogêneo.

Em seguida, coloque uma peneira sobre uma panela e peneire a mistura, para remover o bagaço do milho. Aperte bem na peneira para extrair o máximo de liquido possível. Leve então esse liquido ao fogo médio e acrescente o açúcar. Comece a mexer com um fouet, sem parar, enquanto o cozimento acontece. Quando levantar fervura, cozinhe por mais 5 minutos. O curau engrossa rapidinho, quando engrossar mexa com fervor, para evitar que empelote ou grude no fundo da panela, se perceber que isso está acontecendo retire do fogo um instante e bata bem com o fouet até ficar cremoso e uniforme, e então volte ao fogo. Após levantar fervura e após os 5 minutos de cozimento, desligue o fogo e acrescente o creme de leite, mexa bem.

Coloque em um refratário ou em potinhos individuais e leve para gelar por pelo menos 1 hora.

Modo de preparo do crumble de canela:

Em uma tigela, misture todos os ingredientes, esfarelando a manteiga com a ponta dos dedos para que ela se una aos demais ingredientes, construindo uma farofa. Manuseie o mínimo que puder, para evitar que a manteiga derreta muito. Após estar tudo misturado, com aspecto de uma farofa grossa e úmida, leve para a geladeira e deixe lá por 30 minutos (isso é importante para garantir a crocância legal do crumble). Enquanto isso, pré-aqueça o forno à 160 graus. Após o descanso coloque a farofa em uma fôrma, espalhando nela toda. Leve para assar por cerca de 10 minutos, ou até estar dourado. Retire do forno e deixe esfriar.

Montagem:

Você pode fazer o brûlée (casquinha de caramelo bem fininha que ficará na superfície do curau) direto nos potinhos em que deixou o curau esfriando ou pode, como eu gosto de fazer, tirar uma colherada bem cheia de curau, pôr em um prato sob uma palha de milho (veja na foto acima) e fazer o brûlée nele. Seja como for, o brûlée se faz assim:

Polvilhe uma fina camada de açúcar sob o curau e queime para virar caramelo – Você pode fazer isso de 2 jeitos: usando um maçarico culinário (mais prático e com resultados melhores), ou usando uma colher de ferro aquecida. Se usar o maçarico é só ir fazendo com ele movimentos circulares até “queimar” o açúcar e deixar ele no tom da imagem acima (sem queimar muito para não ficar amargo, tem que ficar bronzeadinho só, 10 segundos de maçarico em cada um é suficiente). Se for usar uma colher de metal faça da seguinte forma: Esquente ela na chama do seu fogão a gás até que ela esquente bastante (o metal ficará num tom azul e meio escurecido). Após aquecer encoste a colher no açúcar e faça movimentos circulares, até caramelizar toda a superfície. Antes de aquecer a colher novamente lave-a muito bem para não ficar resíduos.

Pronto, o curau está com o brûlée. Sirva com o crumble de canela (quebre em pedaços, eu gosto de deixar bem trituradinho). É realmente bom.

Espero que gostem. Essa é uma receita valiosa pra mim.

Bon appétit.

Como fazer entrecôte (filé de costela) assado, com a verdade e emoção da cozinha de fogo alto.

Como assar uma carne com emoção e verdade. Respeitar genuinamente cada partícula do animal e construir uma experiência sensorial emocionante – você entende o que é transformar uma carne com calor, com fogo? É uma das experiências mais antigas da humanidade, que nos conecta à uma ancestralidade e simbologia profunda. Se você prestar muita atenção e se conectar profundamente com o ato de assar ou grelhar, vai sentir que algo dentro de você se move com essa experiência. É forte. Transformar uma carne no calor alto é uma experiência que acelera meu batimento cardíaco, te juro. Existe uma força, uma energia e até mesmo uma sensualidade na cozinha de fogo alto que nem sei explicar. Enfim, essa é uma peça de entrecôte (um corte incrível que tem vários nomes – filé de costela, miolo de contrafilé, biche ancho, e por aí vai). Esse corte fica embaixo das costelas do boi. Assei ela seguindo algumas coisas que aprendi com Paola Carosella, outras aprendi com minha mãe. Temperei com minhas referências e emoções. Queria te dizer como faço, olha a receita:

Antes de começar, clique aqui e leia o artigo que publiquei sobre todos os cuidados mais importantes para preparar uma carne antes de assar ela. São dicas bem valiosas.

Ingredientes:

  • 1 peça de entrecôte (o filé de costela) que pese aproximadamente 1,1kg (como expliquei em um artigo, cortes muito grandes causam certa desproporção na hora de assar, então se tiver uma peça muito grande, corte ela para ter um pedaço menor, com esse peso de 1kg/1,3kg).
  • Azeite de oliva extravirgem (à gosto)
  • Sal (à gosto) – mas uso cerca de uma colher de sobremesa cheia para cada kg de carne.

Tempero:

Esses são os temperos que misturo, você pode alterar e escolher os seus, mas quero te contar a mistura que faço. Praticamente todas as quantidades coloco à gosto.

  • Salsinha, orégano, hortelã e manjericão frescos picados bem fininhos (Uso cerca de 4/ colheres de sopa cheias)
  • Pimenta-do-reino (à gosto)
  • 1 dente de alho ralado ou picado muito pequeno.
  • 1 colher de chá de mostarda de Dijon
  • Chimichurri à gosto, se tiver. Muitas vezes faço sem.
  • Um pouco de cominho em pó (só um pouco, uso tipo uma pitadinha)
  • 1 colher de sopa de vinagre de vinho tinto

Modo de preparo:

Misture todos os ingredientes do tempero com o sal e coloque bastante azeite, para fazer todos os temperos virarem um molhinho só. Tempere a peça de carne, lambuzando ela todinha com essa mistura, acariciando a carne e agradecendo ao boi. Após isso, coloque a carne em um recipiente e deixe na geladeira por pelo menos 12 horas. Eu deixo 24 horas.

Tire a carne da geladeira 2 horas antes de assar, para ela atingir temperatura ambiente. Pré-aqueça seu forno à temperatura mais alta que tiver, intenso mesmo, escaldante. Quando o forno estiver quente, coloque uma fôrma na boca do fogão e aqueça ela muito (essa fôrma você usará para assar a carne, se tiver uma chapa de ferro que caiba a carne seria perfeito, mas se não tiver, uma fôrma que você possa colocar na boca do fogão e também no forno serve).

Quando a fôrma na boca do fogão estiver quentíssima, regue com um pouco de azeite e coloque a peça de carne (tem que chiar alto). Após colocar leve imediatamente ao forno quentíssimo que você pré-aqueceu e deixe lá por aproximadamente 15 minutos. Passando esse tempo abra o forno e cheque a parte de baixo da peça – tem que estar dourada, tostada e emocionante, se não tiver, tire a peça e feche o forno para ele esquentar de novo o máximo que puder e em seguida volte a peça para dentro dele, até dourar bem embaixo. Quando dourar vire ela e asse por aproximadamente mais 15 minutos do outro lado.

Estando dourada e linda, tire do forno e deixe descansar por 10/12 minutos (perto do forno, para não esfriar muito, ou dentro do forno desligado).

Pronto. Após o descanso é só cortar, servir e se emocionar. É realmente uma experiência profunda.

Agradeço com muita verdade e emoção a minha mãe (que me ensinou a grandeza de um pedaço de carne e de uma boa pitada de cominho) e a Paola Carosella (que me ensinou as temperaturas e tempos certos para assar com majestade uma carne, em seu livro “Todas as sextas”).

Cuidados com a carne vermelha antes de cozinhá-la (Qual escolher, como e quando temperar e outros detalhes pré-cozimento). Mas antes, lembrar que a carne é um “bicho”. Respeito e coerência.

Quando nos aproximamos mais do que as coisas realmente são a tendência é respeitá-las mais. A minha relação com um pedaço de carne hoje em dia sempre começa pelo respeito – toda vez que toco uma carne, eu respiro fundo, penso, e agradeço. O bicho não é”um pedaço de proteína”. É um bicho. E se você quer comer um pedaço de carne com honestidade tem que lidar com isso. Fico um pouco bravo com o hábito de se referir à carne como “proteína”, é reduzir e mascarar demais. É um bicho gente, nada vai mudar isso. Se você entende isso e se responsabiliza pela sua escolha, você come carne de um jeito coerente, respeitoso. Quando eu lembro que é um bicho eu penso no modo como o bicho chega até mim, penso na origem da carne que compro (e escolher a origem certa pode mudar muita coisa). Quando lembro que a carne é um bicho penso com muita seriedade em como vou temperar, cozinhar e comer – todo processo se torna um ritual sagrado e antigo, que eu só construo com cuidado e respeito se lembro que estou cozinhando um animal – e isso é uma coisa séria, se for para fazer, que seja com respeito, coerência e dignidade. Por isso saber como tratar direito a carne é muito, muito importante.

Eu aprendi com minha família, com as minhas leituras e com a Paola Carosella a ter alguns cuidados e gentilezas na hora de lidar com uma carne, e quero compartilhar com vocês. Aqui vou me ater a dicas sobre carnes vermelhas, em especial: Miolo de acém, costelas, contrafilé, filé de costela (o famoso bife ancho ou entrecôte) ou outros cortes que tem gorduras em proporções semelhantes a desses. No geral essas dicas servem para outras carnes também (até peixes e aves), mas é legal sempre pensar se algum tipo de carne não exige cuidados mais específicos. Vamos lá:

A origem da carne: Eu sei que isso é muito difícil, mas é muito importante, e você precisa saber que é importante. De onde vem a carne que você compra? Se puder entrar em contato com a história da carne e saber como o produtor cria o “bicho”, é algo bem valioso e bonito da sua parte. Talvez você possa, a partir disso, escolher produtores que criem melhor que outros. Isso , além de bonito, também te dá mais tranquilidade e confiança no que você coloca na mesa para sua família comer.

Não comprar carne congelada ou congelar a carne que você comprou. Quando a carne é congelada as fibras se alteram e muita coisa se perde – por exemplo, a capacidade da carne de reter suco e ficar suculenta e incrível (perceba que carnes que foram congeladas tendem a ficar secas após cozidas). Compre fresca e faça fresca.

Temperar com antecedência. Tem muitas teorias sobre isso e cada uma tem seu ponto de vista coerente, porém aprendi isso com gente que respeito muito (minha mãe e Paola Carosella) e também testei muito, e conclui que temperar a maioria das carnes com antecedência não ressaca a carne (como muitos acham) e confere à ela uma complexidade de sabor diferente. O tempo de antecedência para temperar depende da carne, mas carne de boi no geral tempero com 12 /24 horas de antecedência, sempre deu certo.

Temperar com o que e quanto de sal? A quantidade de sal depende de cada carne e dos hábitos de cada um. A Paola Carosella no livro “Todas as sextas” indica uma colher de sobremesa cheia para cada quilo de carne. Tenho usado essa proporção e tem dado muito certo. Gosto muito de temperar carnes vermelhas com um grande mix de ervas verdes frescas e azeite de oliva extravirgem. Faço uma mistura com o que tenho e gosto de ervas, azeite, o sal e pimenta. Que tempero pôr é muito particular às vezes. Seja lá o que escolher como erva e tempero, todos eles vão junto para ficar ali com a carne por longas horas, antes de cozinhar.

Preste atenção no tamanho dos pedaços de carne que você assa. É muito legal quando a carne tem uma proporção boa de crosta tostada por fora e interior rosado por dentro – uma peça muito grande assada de uma vez gera muito miolo rosado e pouca crosta. Fracione, é interessante, você terá mais equilíbrio e todos que comerem com você terão partes tostadas e partes suculentas do interior. O tamanho da peça de carne faz bastante diferença.

Preste atenção na temperatura em que a carne está na hora de cozinhar ela. Quando você leva ao forno, panela ou grelha uma carne gelada, há um desequilíbrio no tempo que o exterior e interior dela vão cozinhar, normalmente queima por fora e não atinge o ponto certo dentro. Sempre é legal tirar a carne da geladeira umas 2 ou 3 horas antes de assar para ela atingir temperatura ambiente, dá mais certo e o cozimento é mais simples e correto.

No geral, essas são regras primordiais no trato inicial de uma carne. Pensar qual comprar, em que estado comprar, em que tamanho cortá-la, como e quando temperar temperar e em que estado deixá-la até o momento de cozinhar. Depois disso vem o cozimento, que será feito de acordo com a receita que você irá seguir. Mas essa preparação e cuidado antes do cozimento faz bastante diferença, eu acredito muito.

Em breve vou compartilhar uma receita de carne assada – de um jeito simples e muito grandioso ao mesmo tempo, é de emocionar.

Agradeça o bicho. E não esqueça – a carne é um bicho.

Como fazer mousse de chocolate com cachaça e crocante de chocolate branco servido com iogurte.

A gente precisa de muito pouco para fazer uma mousse francesa incrível. Eu queria hoje uma sobremesa que me fizesse fechar os olhos por alguns segundos enquanto experimentava uma sensação delicada de alegria na primeira colherada. Essa mousse me trouxe isso. Eu tive sorte por ter encontrado ovos, chocolate, manteiga e açúcar em casa para ter isso hoje. Resolvi colocar um pouco de cachaça, para um pouco mais de emoção. Resolvi também colocar um crocante de chocolate branco e comer com iogurte. Aí, meus caros, a emoção foi tão longe que meu coração sente até agora, enquanto escrevo, o impacto dessa primeira colherada. Enfim. Que a vida seja doce, pelo menos por alguns segundos, diante de uma mousse bem feita.

Como fazer a mousse de chocolate:

Clique aqui e confira a receita completa da tradicional mousse de chocolate francesa. Atenção: para fazer essa versão que leva cachaça basta acrescentar 1 colher de sopa de cachaça no momento em que misturar as gemas ao chococolate derretido.

Como fazer os crocantes de chocolate branco:

Corte chocolate branco em pedaços rústicos pequenos e leve ao forno pré-aquecido à 200 graus. Deixe lá até dourar – cuidado para não queimar! Isso acontece rapidamente. Quando tirar a forma do forno deixe esfriar – os crocantes saem molinhos e ao esfriar endurecem.

Sirva o mousse gelado com os crocantes e iogurte. É bem bom.