Cookies de chocolate com banana!

Há um jeito mágico e profundo para um cookie realmente ter gostão gostoso de banana – e não é com banana fresca normal que se consegue isso. Vem cá ver como faz chocolate e banana serem lindos em forma de cookie. E ah, é fácil, barato e gracinha. Cookie é uma receita que eu faria todos os dias de minha vida – me dá um entusiasmo tão gostoso fazê-los, sabe – é uma receita que cobre a gente com leveza e aconchego… eita, como eu gosto.

Abaixo receita completa, mas se quiser ver um video com o passo a passo detalhado, só clicar aqui para ver lá no IGTV do meu Instagram @rodrigo.vilasboas.

Ingredientes:

  • 100g de manteiga amolecida
  • Meia xícara de chá de açúcar mascavo
  • 1/4 de xícara de chá de açúcar refinado ou cristal
  • 1 ovo
  • 1 colher de chá de extrato de baunilha
  • 1 xícara de chá cheia mais 1/4 de xícara de chá de farinha de trigo
  • 1 colher de chá de fermento em pó
  • 1 pitada de sal
  • 100g de chocolate picado (eu uso amargo, 60%, mas pode ser o que quiser)
  • 150g de banana passa picada

Modo de preparo:

Junte a manteiga com os 2 açúcares e bata (na batedeira ou com um fouet) até ficar uma mistura mais clara e fofa. Acrescente o ovo e o extrato de baunilha, e bata mais para incorporar. Acrescente a pitada de sal, a farinha de trigo e o fermento em pó, misture (agora com uma colher). Quando estiver tudo incorporado, acrescente a banana e o chocolate e incorpore.

A massa estando pronta, leve para a geladeira por 10 minutos (só para endurecer um pouco e ficar mais fácil de manusear). Então faça, com a ajuda de duas colheres, bolinhas, construindo formatos meio redondos (de cookies) e coloque em uma fôrma (untada ou antiaderente). Deixe espaço de uns 2,5/3cm entre um cookie e outro (eles crescem). Se quiser, coloque por cima, para ficar mais bonito e visível, mais pedacinhos de chocolate e banana.

Então leve para assar em forno pré-aquecido à 180 graus por cerca de 10 minutos (até começar a dourar nas bordas, sem deixar dourar muito em cima). Quando você tira os cookies do forno eles ainda estão moles, o cozimento continua. Retire e deixe esfriar 10 minutos antes de desenformar. Pronto! Aproveite seus cookie e me conta lá no Instagram o que achou! E se fizer posta e me marca! Vou amar ver!

Como fazer Chilli Mexicano!

Vem fazer bailando um preparo antigo e tradicional da cozinha mexicana, que é feito à base de carne e feijão. Super simples e barato, serve para muitas ocasiões – desde petisco charmoso até prato principal. Vem ficar envolvido por toda verdade mexicana aprendendo isso aqui – se divertindo enquanto faz, claro (porque eu sinceramente não sei qual a graça de fazer um prato mexicano se não for com música latina, entusiasmo e emoção).

Abaixo receita, mas no meu Instagram @rodrigo.vilasboas tem um video com todo o passo a passo para não ter erro, e nele também tem toda essa animação e entusiasmo mexicano que estou falando! Clique aqui para ver!

Ingredientes:

  • 500g de carne moída (de preferência patinho ou acém)
  • 250g de feijão carioca
  • Meia cebola picada
  • 2 dentes de alho picados
  • Sal à gosto
  • Pimenta chilli (ou outra) à gosto
  • Canela em pó à gosto
  • Cominho em pó à gosto
  • Curry à gosto
  • 1 xícara de extrato de tomate
  • Caldo de meio limão
  • Queijo parmesão ralado para finalizar (opcional)

Modo de preparo:

Antes de começar coloca alguma música latina caliente, bebe um gole de tequila, rebola um pouco e entra em um ritmo babadeiro e entusiasmado, tudo dará mais certo assim, acredite.

Coloque o feijão em uma panela de pressão e cubra com água até ficar 3 dedos acima dos feijões. Cozinhe na pressão por 30 minutos ou até estar cozido totalmente. Em seguida, triture em um liquidificador ou em um processador cerca de 2/3 do feijão cozido, até virar uma pasta (coloque um pouco de água do cozimento para ajudar a triturar se precisar). Deixamos alguns feijões sem triturar porque fica gostoso uns inteiros no meio. Reserve a pasta e os feijões inteiros.

Em uma panela, coloque fios de azeite e coloque a cebola, 2 minutos depois coloque o alho. Refogue e então acrescente a carne, misture. Daí, acrescente todos os temperos, inclusive o sal (tudo à gosto, vá provando para checar, use intuição).

Quando a carne estiver toda cozida e em cor uniforme, coloque o extrato de tomate e misture. Deixe cozinhar uns 3 minutos e então acrescente a pasta de feijão e os feijões inteiros. Misture bem e acerte todos os temperos (agora que colocou o feijão precisa reequilibrar). Deixe cozinhar tudo junto por uns 5 minutos. Se ficar muito duro acrescente água, mas a ideia é que fique uma “pasta” mesmo. Acrescente o caldo de meio limão e misture. Pronto!

Na hora de servir, coloque por cima queijo parmesão ralado, indico aqueles menos secos, que não são desidratados, sabe?

Sirva com nachos, tortilhas, tacos, torradas, arroz, guacamole (que inclusive tem uma receita aqui, só clicar) ou com o que quiser. Seja feliz comendo e arriba!

Torta doce italiana de ricota e morango (Sbriciolata alle fragole e ricotta)

A gente não para pra pensar no que de lindo acontece se misturarmos morangos com ricota. Essa torta une os dois, mais um presente dos italianos para o mundo. É um preparo simples, gentil, bom. Indico ela pra tardes em que você precise ser menos duro e mais gentil consigo mesmo. Você acha que não, mas você merece parar um pouco as coisas todas e fazer uma torta para si.

Como fazer a massa:

Misture 300g de farinha de trigo, 100g de açúcar, meia colher de chá de sal e 1 colher de chá de fermento em pó. Acrescente 100g de manteiga amolecida e incorpore. Coloque então 1 ovo e 1 colher de sopa de extrato de baunilha. Misture tudo para formar a massa, mas não forme uma bola, deixe despedaçada, como uma “farofona” (nos stories e no blog, link no perfil, há imagens). Reserve.


Como fazer o recheio:

Esmague 400g de ricota com um garfo e junte 3/4 de xícara de açúcar de confeiteiro (ou normal) e 100g de creme de leite. Bata na mão ou em uma batedeira (Tem que ficar uma pasta grossa, se precisar coloque mais creme de leite), a aparência tem que ser próxima dessa imagem a baixo. Em seguida, acrescente 250g de morangos picados. 

 

Montagem:

Em uma fôrma untada, coloque metade da massa e “amasse” para forrar bem todo o fundo e uns 2 dedos das laterais. Coloque o recheio todo e então espalhe por cima o restante da massa – esfarelando, como se cobrisse com uma farofa, assim:

Se quiser, espalhe por cima um pouco de amêndoas laminadas, mas se não quiser tudo bem. Asse em forno pré-aquecido à 180 graus por 35 minutos. Antes de servir, polvilhe açúcar de confeiteiro por cima.


Quando tudo ficar pronto, construa um momento seu, com uma música que você goste, com uma bebida que você goste, e com uma fatia da sbriciolata. Você merece sentir tudo isso.

Risoto de abóbora fácil e gracinha.

Saudemos a abóbora! Risoto é o coringa pau pra toda obra! Mil tipos para amar, mas esse de abóbora é um facinho que faço muitas vezes – o docinho e textura da abóbora cai bem lindo aqui. As quantidades são referências, mas use sua intuição e gosto pra adequar conforme sentir que precisa. Muitas receitas pedem seu olhar amoroso e clínico.

Caso queira, no meu Instagram @rodrigo.vilasboas tem um video no IGTV com todo passo a passo da receita, clique aqui para ver.

Ingredientes (serve 3 pessoas):

  • Cerca de 1/4 de abóbora cabotiá média, descascada e picada em pedaços pequenos
  • Cerca de 2 litros de água
  • Meia cebola picada
  • Manteiga (é a gosto, mas usei cerca de 3/4 colheres de sopa)
  • 1 xícara e meia de chá de arroz arbóreo
  • 1 taça de vinho branco
  • Sal e pimenta-do-reino à gosto
  • Queijo parmesão ralado à gosto (melhor aqueles menos secos) – usei cerca de 150/200g
  • Algum queijo fresco (opcional, para finalizar)

Modo de preparo:

Coloque a água em uma panela ou caneca grande e coloque a abóbora dentro. Tempere a água com sal e pimenta e leve ao fogo. Quando a abóbora estiver cozida, escorre mas reserve a água (ao invés de caldo, é essa água que você usará para cozinhar o risoto).

Em uma panela, coloque uma colher de sopa de manteiga e junte a cebola, leve ao fogo médio e refogue até a cebola ficar translúcida, então acrescente o arroz e refogue 1 minuto e então acrescente o vinho, mexa até ele evaporar. Acrescente a abóbora cozida e esmague ela um pouco. Então comece a acrescentar o caldo (a água que você cozinhou a abóbora) aos poucos – naquele processo habitual do risoto – Coloque um pouco, mexa e espere secar um pouco, para só depois acrescentar a próxima leva, faça isso até o arroz estar cozido (o ponto vai de seu gosto, mais durinho ou mais molinho, experimente para saber). Mexa sempre durante o processo, para soltar o amido do arroz e garantir cremosidade. A última leva de água não deixe secar, apenas incorporar, para o risoto ficar cremoso. Finalize com o queijo parmesão e manteiga. Acerte o sal. Sirva imediatamente, coloque por cima, se for usar, o queijo fresco (mozzarella de búfala cai muito bem). Fácil, cremoso, brilhante e gracinha! 🙂 Bon appétit!

Como ver uma aurora boreal na Noruega, na cidade de Tromsø!

O contato com a grandeza do mundo natural me alimenta, eu realmente preciso disso para me sentir parte do todo, para fazer sentido estar aqui. Realizei o sonho de ver mais uma manifestação genuína da força do universo: uma aurora boreal. No extremo norte da Noruega, eu senti uma honra incalculável de estar nesse mundo, nesse tempo, nesse plano. Foi uma das coisas mais lindas que eu fiz nessa vida, só pelas auroras já valeria pena, mas a Noruega no inverno tem uma mágica que fez a experiência toda ser marcante de muitas formas!

Nesse artigo conto em detalhes tudo sobre como ver uma aurora boreal na Noruega, mas no meu Instagram @rodrigo.vilasboas tem um video completo da minha caçada as auroras – clique aqui para ver.

O que são auroras boreais:

A aurora boreal é um fenômeno que resulta do impacto dos ventos solares com o campo magnético do planeta, que ocorre no polo norte da terra. Além de emitir luz, o Sol também emite os ventos solares, que estão repletos de partículas subatômicas carregadas de energia. Chamadas de plasma, essas partículas provocam o fenômeno de luz quando entram em contato com os campos magnéticos dos polos. Essas “Luzes no norte ou luzes polares” (como também são chamadas) foram batizadas de “auroras boreais” por Galileu Galilei, em referência à deusa romana do amanhecer, Aurora, somada à referência ao deus grego representante dos ventos nortes, Bóreas. O fenômeno não é exclusivo do planeta Terra, sendo também observável em outros planetas do sistema solar, como Júpiter, Saturno, Marte e Vênus.

Onde ver uma aurora boreal e porque escolhi a Noruega:

A aurora boreal acontece apenas no polo norte do planeta (no polo sul temos o mesmo fenômeno, mas lá é chamado de “aurora austral”). Os lugares onde se pode ver uma aurora boreal são: Noruega, Suécia, Dinamarca, Alasca, Finlândia, Escócia, Rússia, Islândia, Groenlândia e Canadá. Eu escolhi a Noruega porque queria juntar essa aventura com uma experiência em um país escandinavo – e amei fazer isso na Noruega! Um país que vale muito a pena. Depois de pesquisar, também vi que as cidades norueguesas do norte ofereciam estruturas muito boas, completas e seguras para ver o fenômeno – isso foi decisivo pra mim, porque ir para um lugar sem muita estrutura no extremo norte do mundo, pode ser perigoso para um viajante desavisado sobre as particularidades naturais do ártico. E escolhi, na Noruega, a cidade de Tromso. Há voos de Oslo (capital norueguesa) direto para lá, foi o caminho que fiz, onde aproveitei para ficar 3 dias em Oslo e conhecer a capital charmosa do país.

A cidade de Tromsø:

Conhecida como a “Paris” escandinava, é uma cidade pequena, charmosa e cheia de encantos! Foi um combo de amor profundo escolher ela para ir atrás da minha aurora. A cidade tem uma gastronomia linda bastante inspirada pela pesca do norte norueguês. Fica numa ilha que apesar de ser quase no fim do mundo, é muito organizada e tem uma estrutura ótima – aeroporto ótimo, transporte público pontual e impecável e muito segura. Além das auroras e do charme da própria cidade, Tromso oferece várias outras experiências árticas – observação de baleias em passeios de barco, passeio com os cães puxando trenó, e outras aventuras como escalar montanhas e explorar as ofertas naturais impressionantes da região. Não escolheria outro lugar, indico demais, me encantou de mais jeitos do que posso descrever. E acontecem tantas auroras na região que entre 21h e 23h (horários em que mais se pode vê-las) é legal ficar de olho no céu, alguma aurora (mesmo que fraquinha ofuscada pelas luzes da cidade) pode ser vista, na cidade mesmo.

Tromso do alto, na luz baixando com a lua brilhando ao fundo.

Melhor época do ano para ver auroras na Noruega:

Visando o céu e clima mais propício para que consigamos ver as luzes lindas dançarem no céu, a época mais indicada é entre setembro e março. Há um fenômeno muito interessante sobre Tromso: o sol se põe em 27 de novembro e volta a ser visto em meados de janeiro – nesse período, a luz do dia surge cerca de 2 horas por dia apenas, e aparece como uma luz fraca de fim de tarde, que clareia um pouco, mas logo escurece de novo, são 22 horas de noite por dia (uma noite meio clara, ainda mais se tiver lua, mas ainda assim, noite). Viver isso foi uma experiência emocionante, parecia outro mundo!

Vista da minha hospedagem em Tromso

Caçar auroras sozinho ou ir com uma agência?

Há pessoas que alugam carros e saem sozinhos pela região polar para caçar auroras – deve ser uma experiência linda também, mas apenas se você souber lidar com as adversidades do ártico. Durante o inverno, o clima pode ser bem agressivo, com nevascas, estradas cobertas de gelo e neve, também há animais selvagens que vivem nos extremos (onde normalmente se vai para ver auroras) e as temperaturas podem ser bem baixas, além da geografia do lugar (no Noruega há os fiordes (pedaços de mar entre as montanhas formando várias ilhas) que torna as estradas um certo desafio para inexperientes. Além disso, contar com especialistas que sabem de fato “caçar” auroras e te levam para a região mais provável de visão, aumenta muito suas chances de vê-las. Pra mim valeu muito a pena escolher uma agência de confiança com um serviço completo!

A agência que escolhi e porque – Tudo sobre a Wandering Owl:

A Wandering Owl foi a agência com serviço mais completo que encontrei – as caçadas são feitas por especialistas em ir atrás das melhores condições para ver a aurora, gente que sabe o que faz. O preço deles está na média, achei ótimo por tudo que oferecem. O passeio é em um grupo pequeno, o que torna a experiência mais intimista e gostosa. Uma refeição está inclusa (achei isso o máximo, eles servem sopas caseiras feitas com ingredientes e hábitos da região, é uma experiência ártica completa! Conto detalhes abaixo), também fornecem todas as roupas e equipamentos para lidar com temperaturas baixas. E algo que amei: há um fotógrafo profissional que garante fotos lindas nossas com as auroras (porque câmera de celular não tira aquele fotão bonito com elas), e se você tem câmera profissional, eles te ajudam a ajustar para captar a melhor imagem possível do fenômeno – muito completo mesmo! Cuidam de todos os detalhes! E Já vou contar tudo sobre a caçada, mas antes, se liga nisso:

Consegui para meus leitores uma vantagem bacana – se escolherem fazer o passeio de aurora boreal com a Wandering Owl Tromso, no momento da compra pelo site você pode usar o cupom RODRIGO10 e assim terá 10% de desconto. O cupom fica válido até 2022 e serve para compra de qualquer tour deles. Clique aqui para acessar o site deles com todas informações.

A caçada:

Depois de escolher o país, a cidade e a agência, é só ir viver sua aventura. A agência marcou um ponto bem fácil da cidade para o encontro, às 18h do dia que escolhemos. Chegamos lá uns minutos antes e logo nosso mini bus preto chegou. O guia gentilmente se apresenta e chama todos os nomes, não tem erro. A partir daí, entramos no mini bus e começamos a aventura. O guia nos conta alguns detalhes sobre o tempo, as condições de clima e temperatura, para fazer com que a gente se aproprie da experiência que estamos vivendo, achei isso bem legal.

Seguimos viagem, rumo ao lugar que naquela noite, com base nas pesquisas deles, o céu estaria nas melhores condições para ver a aurora (eles ficam olhando o céu e consultando informações o tempo todo, para ir decidindo a direção). Depois de cerca de 1 hora e meia fizemos uma parada para ir ao banheiro, em um posto de conveniência, e então seguimos. Quando chegamos em um ponto na fronteira da Noruega com a Finlândia, foi decidido o lugar onde faríamos acampamento para esperar a aurora surgir. Descemos no mini bus e então os guias entregaram roupas térmicas (algumas pessoas já tinham suas próprias, eu usei a deles): um macacão que te cobre todo e botas para caminhar na neve. A roupa deixa a gente protegido e bem confortável quanto ao frio.

Viking glow pop – risos. A roupa é fundamental para o conforto na temperatura super baixa.

Olha onde estávamos – Fronteira da Noruega com a Finlândia.

Paramos o mini bus na estrada e fomos montar acampamento em um campo ali perto, é uma caminhada emocionante, vamos andando na neve (que pode afundar bastante, uma hora pisei e afundou até o joelho), o guia vai na frente para ir traçando caminho seguro. Chegando no lugar, mais afastado da estrada, montam o acampamento. Eles acendem uma fogueira pra ajudar a aquecer – achei MUITO legal isso! Aquele lugar, aquele vento, aquela força do mundo natural e uma fogueira acesa – é como se isso nos conectasse com algo de ancestralidade, é uma emoção inexplicável.

Esperando as luzes – na ancestralidade da fogueira.

Fogo aquecendo – na força do mundo natural.

Enquanto a gente esperava a aurora, conversávamos. Os guias estão sempre abertos a perguntas. É uma situação linda de viver, aquele meio do nada a sua volta e apenas um grupo pequeno de pessoas… me arrepiei várias vezes.

A câmera noturna captando melhor a paisagem escura. Olha isso! Eu estava deitado…

Em determinado momento servem uma sopa caseira, que tem algumas opções de sabores (que você escolhe previamente, assim como o tamanho das roupas térmicas que distribuem -é uma experiência bem personalizada). Eu escolhi de rena, e foi tão mas tão legal, ali, naquele lugar, tomar uma sopa caseira, ainda de rena… uma experiência ártica completa!

Sopa de rena – uma experiência ártica completa!

Também serviram cookies e um chocolate quente vegano delicioso, desses que são um aconchego mágico no frio.

O aconchego do chocolate quente? Também tivemos!

E então ela veio, quando surge, é uma explosão de ânimo em todos! Todos ficam emocionados, apreciando aquele fenômeno mágico do mundo natural.

A emoção de ver isso pessoalmente… nunca teremos palavras suficientes.

As auroras nessa noite vieram tímidas, mas foram suficientes para nos emocionar. No momento em que surgem o guia/fotógrafo já começa o registro e tira fotos de todos, a nossa foi essa:

Ver uma aurora boreal, nesse lugar do mundo, numa experiência construído dessa maneira, cravou uma memória sem prazo de validade no meu coração. Nunca vou me esquecer dessa noite. A força do mundo natural me emocionou de uma forma que me fez sentir uma gratidão enorme por fazer parte desse mundo, plano, tempo e espaço.

Após a primeira aparição, esperamos mais um tempo, mas elas não voltaram mais aquela noite. Então em torno de 00h/1h voltamos – mas antes, fomos até a Finlândia! Estávamos tão perto da fronteira que os guias levaram a gente lá, pra pisar em solo finlandês um pouco.

Depois voltamos ao centro da cidade, e fomos descansar, maravilhados, gratos e felizes.

Vista da sala da hospedagem. Acordei de madrugada várias vezes só pra ficar olhando essa janela vários minutos.

É isso! Está pensando em viver esse sonho? Qualquer dúvida sobre essa aventura, me escreva, você receberá resposta! Se demorar por e-mail, manda direct no Instagram! @rodrigo.vilasboas

Logo terá mais posts sobre o que mais fazer em Tromso além de ver auroras, sobre a gastronomia norueguesa e muito mais! Aguardem!

Antes de dar tchau, queria dar uma dica:

Como ir do aeroporto de Tromso até o centro da cidade – pois tive dificuldades para achar essas informações, e pode te ajudar muito. Quando você chega no aeroporto, tem que pegar um ônibus para ir até o centro da cidade, e há 2 opções: Os vermelhos, que você pega na porta do aeroporto, onde as linhas 903 e 904 vão para o centro. Eu peguei o ônibus azul e branco (que são os de linha normal, mais baratos). Peguei a linha 24, que ia até o centro da cidade. Para pegar esse, fiz assim: ao chegar, você sai do aeroporto e atravessa o estacionamento que está bem em frente, chegando no outro lado do estacionamento tem uma rua com ponto de ônibus já bem visível. Atravesse a rua para pegar o ônibus sentido centro, que é do outro lado. Do lado do ponto tem uma maquininha que você pode comprar o ticket unitário, aceita cartão. O ônibus passa com frequência, tem um painel no ponto dizendo em quanto tempo o próximo chega. Dentro do ônibus há um painel anunciando cada parada, escrita, para você saber certinho onde tem que descer. Clique aqui e veja um site maravilhoso que achei, você coloca lá o ponto de partida (esse ponto do aeroporto se chama “Flypassen”) e seu destino final, que ele diz qual ônibus que você tem que pegar e o trajeto certinho.

Tomates à provençal.

Tomates à provençal – uma coisa elegante, simples e bonita pra se fazer com tomates (porque tem mais belo no simples do que pode imaginar nossa vã filosofia). A gastronomia francesa tem cada preparo que é fácil, barato e escandalosamente bom, desmistifica, rapaz.

Fácil assim:

Corte tomates que tenham um vermelho emocionante ao meio, tire as polpas com cuidado e gentileza e reserve. Coloque essas metades em uma fôrma e salpique nelas sal, pimenta e azeite.

Para o recheio: misture em uma tigela: farinha de rosca e pão velho esfarelado (ou só 1 ou outro), queijo parmesão (um não tão seco), alho triturado, sal, pimenta e azeite (seja generosx no azeite). Misture. Então você vai picar em pedaços pequenos a polpa que tirou e ir acrescentando aos poucos e misturando, com todo o suco – você precisa de uma textura que seja uma massinha esfarelenta, mas com alguma aderência. Se precisar coloque mais azeite e polpa ou mais farinha de rosca para atingir – todos os ingredientes são a gosto e dependem, use sua intuição (você tem uma, e precisa acreditar mais nisso). Recheie os tomates generosamente e leve para assar por uns 15 minutos, até dourar. Finalize com alguma erva fresca cheirosa. Bon appétit!

Quiche de abóbora com gorgonzola!

Mais uma opção de quiche – a rainha francesa elegante e simples que quem aprende, ama e faz muitas vezes nessa vida. Essa versão junta abóbora, gorgonzola e mel – uma combinação maravilhosa. Abaixo te conto as 2 opções de massa que você tem, te conto o recheio base e como construir essa versão!

Para a massa da quiche, você tem 2 opções:

Massa tradicional:

Ingredientes:

  • 90g de manteiga amolecida
  • 1 colher de chá de açúcar
  • 1 colher de café de sal
  • 1 xícara e meia de farinha de trigo
  • 2 gemas pequenas ou 1 grande
  • Água gelada (só caso a massa fique seca).

Modo de preparo:

Misture/bata a manteiga com o açúcar e sal, com uma colher de pau, até esbranquiçar. Acrescente a farinha, as gemas e misture – sem amassar muito, só pra unir tudo. É uma massa quebradiça mas que vc tem que conseguir fazer uma bola com ela. Se estiver muito esfarinhada coloque água gelada pra chegar nesse ponto. Embrulhe num papel filme e deixe na geladeira por uns 15 minutos. Depois abra em uma fôrma essa massa até forrar toda ela e cobrir uns 2 dedos as laterais (ajeite com os dedos mesmo, é legal).

Massa de grão-de-bico:

Ingredientes:

  • Cerca de 400g de grão-de-bico cozido (se usar aqueles em lata, use 2 inteiras)
  • Azeite de oliva extra virgem à gosto
  • Sal à gosto

Modo de preparo:

Bata o grão-de-bico cozido em um processador ou liquidificador e vá acrescentando o azeite e um pouco de sal. Vá mexendo com uma colher em pausas para ajudar a bater tudo por igual. Tem que ficar uma massa consistente, mas durinha.

Use uma forma antiaderente ou unte uma com manteiga e farinha. Coloque a massa na fôrma, forrando toda ela e uma boa parte das laterais.

Recheio:

O Recheio básico da quiche consiste em: 4 ovos mais 2 gemas batidas (com fouet) com 250g de creme de leite, sal e pimenta à gosto. Essa parte liquida é a base, aí você incrementa e dá o sabor que quiser para sua quiche. Para essa versão, faça assim: na massa disposta na fôrma coloque cerca de 300g de abóbora cabotiá sem casca, cozida e meio esmagada (não totalmente, não queremos um purê, mantenha uns pedaços),  junte cerca de 150g de queijo gorgonzola (se não gostar, pode substituir por outro, os cremosos (tipo cream cheese) ficam muito bons também – nessa usei um queijo cremoso de gorgonzola. Acrescente fios de mel, à gosto, e daí distribua a massa liquida de ovos e finalize com queijo parmesão ralado por cima. Leve para assar no forno pré-aquecido à 180 graus por 30-40 minutos – até dourar levemente. Pronto! Bon appétit!

Bolo de cenoura fofinho infalível e a chance de um instante poético!

Receita simples para um bolo de cenoura clássico fofinho! Te ensino o segredo para uma massa super macia e fofa e também uma cobertura cremosa brilhante para coroar seu bolinho! E claro, como sempre por aqui, essa receita também tem um convite para uma experiência emocional gostosa, e dessa vez te chamo para notar a poesia e felicidade discreta, que está escondida na simplicidade do seu cotidiano, só esperando para ser notada por você – e o bolo de cenoura pode te ajudar nisso! Vem comigo entender “Quando a cozinha é um divã”! Clique no vídeo e confira!

O que fazer no Vale do Loire (França) – a experiência nos castelos mais fascinantes da Europa e 2 dicas valiosas para os amantes da gastronomia!

Quando pensar na França, vá além de Paris. (pra mim ela é a cidade mais linda do mundo, mas a França é muito que ela). Há regiões que preservam os tempos antigos de um modo tão profundo que você de fato se sente numa outra época da história. É o caso do Vale do Loire – uma região que fica quase no centro da França. Lá estão, em vilas e pequenas cidades, uns dos castelos medievais e renascentistas mais lindos e conservados da Europa. A região é um conto de fadas vivo diante dos seus olhos que pela sua riqueza arquitetônica foi considerado patrimônio mundial pela Unesco.

O traçado histórico dos reis e rainhas da França estão em cada parede desses castelos. Quartos, jardins, móveis, vilas ao redor, obras de arte – um mergulho na história deslumbrante francesa.

Vou compartilhar com vocês a experiência em cada um dos castelos que visitei, e além disso, darei aqui 2 dicas imperdíveis para quem quer se emocionar um pouco através da gastronomia por lá: 1) A visita “doce” ao Château d’Amboise – onde veremos: uma vila encantadora aos pés do castelo, as marcas de Leonardo Da Vinci (que inclusive está enterrado lá) e uma confeitaria tradicional muito antiga onde você provará o melhor chocolate quente e macaron da sua vida! 2) Conhecer a cozinha do Château de Chenonceau – uma das cozinhas antigas de castelo mais preservadas da França (emociona demais qualquer um que gosta de gastronomia), além do castelo inteiro em si ser lindo!

Os Castelos e a experiência em cada um deles:

  • Château d’Amboise – A vila encantadora, Leonardo Da Vinci e o melhor chocolate quente e macaron que você provará na vida!

Parte lateral do Château d’Amboise

Talvez o maior charme do Château d’Amboise é ter bem aos seus pés uma vila antiga muito charmosa e preservada (muitos outros castelos de lá ficam em regiões de grandes campos, sem muita coisa por perto). Após visitar o castelo você pode caminhar por uma vila com estruturas medievais até hoje preservadas, e isso não tem preço.

O Castelo é lindo, tem marcas de sua época medieval mas também do traçado renascentista, mostrando a transição do tempo em sua arquitetura. Hoje o castelo tem apenas um quinto de sua construção original (o restante foi destruído nos períodos de guerra), mas se mantém fascinante.

Amboise e Leonardo da Vinci : O Rei Francisco I foi um grande ocupante desse castelo – rei que foi muito amigo e admirador de Leonardo Da Vinci, daí que vem uma das maiores famas da cidade de Amboise – ter sido onde Da Vinci passou os últimos anos de sua vida. Ele foi convidado pelo rei para sair de Roma e ir morar em Amboise, trabalhando e produzindo sua arte e engenharia a serviço do rei. Da Vinci ganhou um castelo só para si ( o Château du Clos Lucé – a casa de Leonardo da Vinci que hoje está aberta a visitação e é um museu em homenagem ao artista, mais um motivo para você não deixar de visitar Amboise). Leonardo da Vinci está enterrado na Capela Saint Hubert, que fica em um dos jardins externos no Château d’Amboise. Para quem admira esse gênio, é bem emocionante ver seu túmulo.

O túmulo de Leonardo Da Vinci

Pâtisserie Bigot em Amboise – O melhor chocolate quente e macaron da sua vida: Tem algo especial pra mim sobre viagens: além dos atos mais populares e turísticos (que sim, muitas vezes também são legais) gosto de me conectar com detalhes do lugar, aqueles que na euforia turística de fotos nos monumentos a gente acaba não se permitindo notar. Me conecto com esses detalhes principalmente nos lugares que como: Os hábitos das pessoas locais no lugar, o modo como é servido um prato, apresentado, as louças, o perfume do lugar junto com o perfume da comida que servem, e a delicadeza dos sabores e texturas – observar tudo isso e fechar os olhos é gravar pra sempre em você uma memória sensorial delicada. A Pâtisserie Bigot me proporcionou tudo isso – um ambiente com perfume de chocolate, num lugar notavelmente antigo (desses que a gente entra e sabe que as paredes e móveis contam histórias) e doces dispostos de um jeito lindo, como obras delicadas ao mesmo tempo que tem tom de “receitas de família”. Saindo da sua visita ao Château d’Amboise, essa confeitaria fica logo em frente, aos pés do castelo. Vá lá e peça – pelo menos – um macaron e um chocolate quente. Coma fazendo essas observações e grave na sua memória esse momento. Vale a pena.

O macaron e chocolate quente mais emocionante da minha vida – Pâtisserie Bigot

Pâtisserie Bigot

Amboise – vila aos pés do Château (no catinho dá para ver a entrada da Pâtisserie Bigot)

Clique aqui e acesse o site da Pâtisserie Bigot para saber mais sobre eles e sua história.

Clique aqui para acessar o site oficial do Château d’Amboise e verificar todas informações para sua visita.

Endereço da Pâtisserie Bigot: 2 Rue nationale, 37400 Amboise, França.

Endereço do Château d’Amboise: 37400, Amboise, França.

  • O Château de Chenonceau e a cozinha antiga mais impecável que vi na vida!

A beleza desse Château pra mim está na sua localização – que é no meio do rio Cher – sua construção se estende como uma ponte sobre o rio (foi inspirado na Ponte Vecchio de Florença), é lindo isso, no meio da natureza e da correnteza do rio um castelo se estende. Outro ponto interessante sobre ele é que foi um castelo ocupado e administrado por mulheres – desde a rainha Catherine de Médicis (mulher do rei Henri II) até Diane de Poitiers (amante do mesmo rei).

Esse château ficou protegido durante os períodos das guerras e por isso é um dos mais mobiliados e inteiros – e isso é um ponto alto sobre ele, porque ver toda mobília original te conecta muito com toda história do lugar. E daí que vem um dos pontos mais espetaculares pra mim: a cozinha antiga mais completa que já vi!

A cozinha do Château de Chenonceau: Panelas exuberantes de bronze, cestos antigos de pão, fornos de pedra, facas gigantes, pilões… enfim, você verá uma cozinha antiga completíssima! Algumas peças são originais, outras postas pra completar o cenário, o conjunto de tudo te faz entender perfeitamente o funcionamento majestoso da cozinha ancestral de um castelo antigo, onde eram preparados os imensos banquetes reais. Vale muito a pena, só pela cozinha, visitar esse Château!

A cozinha do castelo

O castelo possui três restaurantes. Um gastronômico chamado Orangerie (que é um self agradável) e uma creperie. Os visitantes também podem fazer piquenique no parque do castelo. Duas áreas para piquenique estão à disposição de todos, sendo uma delas coberta.

Clique aqui para acessar o site oficial do Château de Chenonceau e verificar todas informações para sua visita.

Endereço: 37150 Chenonceaux, França.

O Château d’Amboise e o Château de Chenonceau foram meus favoritos, mas indo ao Vale do Loire, não deixe de visitar também:

  • O Château de Chambord

Esse aqui encanta de cara pelo tamanho – é imenso, o maior de todos os castelos do Vale do Loire. Seu aspecto marca muito bem o período do renascimento francês. As inúmeras torres, escadarias e salões gigantes te conectam com toda majestade francesa. Gostei dele ter uma sala exclusiva onde há carruagens expostas (é difícil ver uma original). Outro ponto lindo é a escada central projetada por Leonardo da Vinci – duas escadas que se entrelaçam mas que nunca se cruzam – quem sobe uma das escadas não cruza nunca com quem sobe a outra (e isso é engraçado porque a impressão é de que é uma escada só, mas são duas “enroladas” – coisas de Da Vinci).

A escadas do Château de Chambord – projeto de Leonardo da Vinci

Clique aqui e acesse o site oficial do Château de Chambord e saiba tudo para sua visita.

Endereço: Château, 41250 Chambord, França

  • Château de Villandry

Um dos menores que tem, mas absolutamente lindo, principalmente por 2 motivos: É quase que 100% mobiliado – tem até louças e mesa de jantar posta, é bem impressionante o detalhe decorativo dele. E outro ponto que encanta são os jardins planejados – um dos mais lindos de toda França (eu fui no outono, então não vi a beleza toda dos jardins, mas quem viu se apaixonou muito).

Clique aqui e acesse o site oficial do Château de Villandry e saiba tudo para sua visita.

Endereço: 3 Rue Principale, 37510 Villandry, França.

Qual melhor cidade para se hospedar perto de todos os castelos?

Pra mim, a melhor opção de cidade para se hospedar em Vale do Loire é Tours – primeiro porque é perto e tem localização legal para ir até qualquer um dos castelos. Segundo porque é uma cidade mais movimentada, e tem coisas legais para se fazer a noite (conta com uma vida noturna gostosa – com bares e animação típica bôemia francesa) e restaurantes bons, além de ter hospedagens (como bastante Airbnb) a preços bem legais.

Estrada próxima já da cidade de Tours

Como chegar até o Vale do Loire de Paris?

Eu acho que a melhor opção é alugar um carro – em no máximo 3 horas dirigindo por estradas ótimas vocês chega ao Vale do Loire, partindo de Paris. As vantagens são: Viajar podendo parar nas cidadezinhas do caminho, parar para apreciar os tantos cantos lindos do interior da França… aí, isso não tem preço, te juro. E outra coisa: Para fazer as visitas aos castelos tem opções de ônibus, mas ter um carro facilita muito e faz você ganhar muito tempo. Realmente considere alugar um carro para essa viagem. Mas se não der, fique em paz, tem trem de Paris para diversas cidades da região, e aí para os trajetos entre castelo há ônibus.

É isso, há mais castelos que esses por lá, mas esses são os destaques! Quando for, crie as suas memórias e referências pessoais – porque pegar dicas é importante, mas criar as suas próprias, é fundamental!

Panquecas de parmesão! Fácil e feliz.

Panquecas de parmesão para o seu desjejum, quebra-jejum, mata-bicho, pequeno-almoço ou café-da-manhã. Modo simples e eloquente de construir sua primeira refeição do dia, e é uma gracinha. Fácil e feliz.

Como fazer: 

Para 2 porções, misture: 1 ovo, meia xícara de chá de farinha de trigo, 1 colher cheia de sopa de manteiga derretida, meia xícara de chá de leite, 1 pitada de sal e outra de fermento (tipo meia colher de chá), pimenta se quiser e queijo parmesão ralado à gosto (se usar um bom, desses que são adocicados, picantes e sensuais, você será mais feliz). Misture tudo com um fouet até incorporar bem e frite em uma frigideira com fios de azeite – coloque na frigideira e quando começar a subir bolhinhas é o sinal do universo dizendo que é hora de virar. Vire e deixe mais uns 40 segundos e tire. Pode comer ela assim pura que já é amor. Mas eu coloquei hoje presunto e pedaços de mozzarella de búfala por cima . Finalizei com fios de azeite e pimenta. Feliz fiquei. Bom sábado!